Educação dos filhos

Telas de aparelhos eletrônicos são associadas ao desenvolvimento mais lento em crianças

Duas crianças mexendo em um tablet embaixo das cobertas.
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Em 2017, a ONG Common Sense Media concluiu, a partir de um estudo, que a maior parte das crianças estadunidenses permanece durante cinco a sete horas em frente a uma tela. Essa tela pode ser a da televisão, a do computador ou a de um videogame.

Uma das consequências da exposição a esse tipo de tela, que emite uma luz azulada, é o prejuízo na qualidade do sono e a limitação de um tempo destinado a outras atividades. De acordo com a Academia Americana de Pediatria, é necessário que as pessoas em fase de desenvolvimento tenham no mínimo oito horas de sono e uma hora de atividade física diárias.

Bebê tentando digitar em um notebook.

Esses dados evidenciam que a exposição à tela azul pode ser prejudicial para adolescentes. No entanto, essa situação é ainda mais agravante no caso de crianças de 2 a 5 anos de idade.

Em 2019, um estudo divulgado pelo periódico “JAMA Pediatrics” esclareceu que quando as crianças de 2 e 3 anos de idade são expostas à tela azul, as habilidades de comunicação, a coordenação motora, a capacidade de resolução de problemas e o traquejo social serão limitados quando estiverem na faixa dos 3 a 5 anos.

Esse estudo não diz que as telas azuis são necessariamente as causadoras de problemas no desenvolvimento das crianças, mas que elas podem ser um dos fatores que estão atrelados a esse tipo de dificuldade.

Para identificar falhas no desenvolvimento de uma pessoa, é possível realizar alguns exercícios.
Um deles, para analisar o raciocínio rápido, a habilidade motora e a coordenação, é o ato de empilhar dois brinquedos. Espera-se que uma criança em fase de desenvolvimento não tenha dificuldades para realizar essa atividade.

Criança usando o notebook para ver fotos.

Considerando que o prejuízo no crescimento de uma criança pode estar relacionado à exposição às telas azuis, quanto mais ela for apresentada a tablets e a smartphones mais esse problema pode se agravar.

A professora assistente e presidente de pesquisa de desenvolvimento infantil na Universidade de Calgary, Sheri Madigan, afirma que existem formas de evitar esse mal. Uma recomendação é que o uso de equipamentos eletrônicos por crianças seja limitado a uma hora por dia, com supervisionamento dos parentes da criança.


Você pode gostar de outros artigos como esse. Confira também: Criando filhos de forma consciente – Simplifique.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]