Autoconhecimento Terapia de Regressão

Terapia de Regressão: a morte no início do século XXI

Tereza Gurgel
Escrito por Tereza Gurgel

Atualmente, a definição de morte continua problemática, pois a identificação do momento exato varia. Antes, considerava-se que alguém morria quando o coração e a respiração cessavam; porém, com o desenvolvimento da ressuscitação cardiopulmonar e da desfibrilação, surgiu um grande dilema acerca dessa definição.

Atualmente, a definição médica de morte é conhecida como morte clínica, morte cerebral ou parada cardíaca irreversível. Por causa das dificuldades na definição de morte, faz-se necessária mais de uma confirmação, fornecida por médicos diferentes.

Alguns pesquisadores estudam as chamadas “experiências de quase-morte” (EQM), considerando que o conceito de “vida” se associe ao de “consciência” — isto é, a consciência é entendida como não sendo atrelada à matéria física.

Nesse campo, existem três hipóteses:

  • a consciência existe unicamente como resultado de correlações materiais e a vida cessa no momento da morte;
  • a consciência não tem origem física e apenas usa o corpo para se expressar;
  • a consciência tem uma origem física e está atrelada ao cérebro, mas se distingue dos pensamentos. Alguns pesquisadores afirmam que a consciência está relacionada com algum tipo de matéria imponderável que, embora se relacione à matéria ordinária, não se decompõe.

A ciência aceita a primeira hipótese acima e não confirma a ideia de vida após a morte, pois considera que não é um assunto que possa resolver por falta de evidências que corroborem a existência de espírito, alma ou algo similar que sobreviva após o falecimento.

Continuamos hoje a esperar uma confirmação (ou não) da ciência sobre a continuidade da consciência após a morte. Porém, as crenças e religiões que confortavam nossos antepassados ainda hoje têm destaque.

Essa busca por uma consolação frente à realidade da extinção é um fenômeno compreensível; afinal, a morte atinge a todos, sem distinção.

A angústia de não saber com certeza o que acontecerá — ou o medo de possíveis punições na eternidade — impele o ser humano a se afastar de qualquer reflexão sobre o assunto. A tecnologia pode ter avançado, mas o medo primordial da morte ainda nos assombra. A morte tornou-se hoje um tabu.

Para o homem ocidental atual, a morte passou a ser percebida como fracasso, impotência e vergonha. Tenta-se vencê-la a qualquer custo e, quando tal êxito não é alcançado, ela é camuflada e negada, procurando-se fugir de elementos que são dolorosos.

A vida moderna impede o convívio com os mais velhos, os quais são geralmente colocados à margem do sistema produtivo. Pela primeira vez na história da humanidade, os mais jovens são os que detêm o conhecimento — sendo este baseado nas novas tecnologias, cujo domínio pertence quase exclusivamente às novas gerações, muitas vezes excluindo os mais velhos.

A juventude é glorificada, gerando mais angústia nas pessoas à medida que o tempo passa inexoravelmente, lançando muitas pessoas numa busca de uma eterna primavera, saudável e vigorosa, negando o inevitável. A certeza da morte traz mais angústia e é escamoteada, numa teimosa recusa para encará-la como um fato da vida.

Os funerais modernos, quando não são despachados rapidamente, procedem muitas vezes de um formalismo vazio de conteúdo. É uma tentativa de não entrar em contato com a própria finitude e vivenciar o sentimento de dor e de sofrimento pela perda — ou se afastar o mais rápido possível desses sentimentos.

Porém, a morte não pode ser negada nem esquecida.
A morte a todos atinge e, na verdade, o processo de morrer se inicia com o nascimento. Devemos encarar sem medo aquilo que é inevitável, pois minha vontade não pode mudar o que é fato. Devemos reconhecer que, sem a morte, a vida seria incompleta e insuportável. Como afirmou o escritor francês André Malraux: só a morte transforma nossa vida em destino.

Só há morte porque há vida. E cada momento é precioso, pois a vida é passageira. O sentido da morte se insere no sentido da vida. Morrer faz parte da condição humana.

Para o professor e historiador Leandro Karnal: “O medo da morte é sinal de falta de conhecimento. A grande sabedoria de vida é a preparação para aquilo que vai dar sentido a tudo que eu fiz, que é morrer.”

Ainda segundo ele: “Morrer é o que nos torna úteis e práticos. E, quando eu for esquecido, a minha vida terá atingido seu pleno patamar, porque ser esquecido significa que o papel foi cumprido e, como qualquer ser, eu desapareci. Não é melancólico e não é depressivo. Melancólico e depressivo é você querer esconder a idade ou a falência inevitável da vida.”

Leia todos os artigos da série Terapia de Regressão.

Sobre o autor

Tereza Gurgel

Tereza Gurgel

Formada em Psicologia (F.F.C.L. São Marcos - SP). Filiada à ABRATH (Associação Brasileira dos Terapeutas Holísticos) sob o número CRTH-BR 0271. Atua na área Holística com Reiki, Terapia de Regressão e Florais de Bach. Mestrado em Reiki Essencial Metafísico e Bioenergético Usui Reiki Ryoho, Shiki, Tibetano e Celtic Reiki. Ministra cursos de Reiki e atende em São Paulo (SP).

E-mail: [email protected]
Telefone: 11 987728173
Site: mtgurgel.wixsite.com/mundoholistico
Skype: tk.gurgel