Veganismo

Veganismo – Sabe como o leite que chega até você é produzido?

Duas caixas de leite lado a lado.
serezniy / 123RF
Luciana Pessutti
Escrito por Luciana Pessutti

Diferentemente do que muitos acreditam, o leite não é um aliado dos ossos e de sua saúde. O que a indústria leiteira e as propagandas não mostram é que o leite é rico em gordura saturada, hormônios, antibióticos, pesticidas, dentre outros, que podem estar relacionados a doenças graves, incluindo osteoporose. Por reduzir a acidez do estômago, o leite pode prejudicar também a digestão de proteínas. O leite possui em grande quantidade o aminoácido de nome “leucina”, que causa a liberação demasiada de insulina, o que é prejudicial para obesos e diabéticos.

Podemos encontrar um documentário chamado “Milk”, em que o médico e pesquisador clínico da escola de medicina George Washington, o dr. Neal Barnard, diz que “Leite de vaca é a comida perfeita se você for um bezerrinho! Do contrário, é realmente desnecessário”.

Para aumentar a produtividade do leite no final dos anos 80, foi desenvolvido um hormônio sintético, chamado somatotropina bovina recombinante, aumentando de 10 a 15% a produção de leite. Quando esse hormônio é colocado nas vacas, o fator de crescimento insulínico aumenta. Nos adultos, com a ingestão, isso pode promover o crescimento anormal das células e levar a alguns tipos de câncer. Segundo algumas pesquisas, pessoas que consomem leite de vaca têm um fator de crescimento maior do que pessoas que não consomem.

No animal o uso desse hormônio causa uma dor desnecessária, provocando aumento de suas patas, inflamação da mama (mastite), entre outras doenças. Em alguns países o uso desse hormônio foi banido por volta do ano 2000, porém no Brasil, assim como nos Estados Unidos, o uso ainda é permitido.

Leite sendo mecanicamente extraído de vagas leiteiras enfileiradas.
Wolfgang Ehrecke / Pixabay

A mastite pode acontecer de duas formas: uma delas é a secreção do leite com grumos ou pus, tetas e glândulas mamárias inchadas e doloridas, podendo ter outros sintomas, como febre, falta de apetite, e em alguns casos levando à morte quando há o agravamento da doença. Para se fazer o tratamento da mastite, são administrados antibióticos, que deixam resíduos na produção do leite para consumo.

Esses resíduos podem causar uma hipersensibilidade em pessoas alérgicas a essas substâncias, entre outros. Um estudo feito pelo dr. T. Colin Campbell e seu filho, Thomas M. Campbell, revelou como o excesso de proteína do leite de vaca (caseína) na dieta pode causar o câncer: a pesquisa durou aproximadamente 20 anos, nela foram levados em consideração o estilo de vida, a dieta, os fatores ambientais e os impactos sobre a mortalidade. A conclusão do estudo aponta uma relação direta entre o consumo de alimentos de origem animal e doenças.

Você também pode gostar

Para manter uma produção quase ininterrupta de leite, as vacas são repetidamente inseminadas para engravidar, pois só engravidando vão produzir leite, como acontece com todos os mamíferos, inclusive com a espécie humana. Essa inseminação é uma violação (estupro) para com a vaca, pois é feita com a introdução de um braço no reto e instrumentos em seu órgão genital.

Quando os filhos nascem, são tirados da mãe e impedidos de mamar o leite que por direito seria deles. Muitos desses filhos são mortos pouco depois do nascimento, outros são mortos mais tarde para serem vendidos como carne de vitela; as bezerras podem ser vendidas como vitela ou ficar na exploração da indústria leiteira.

Vaca e seu bezerro encostando seus focinhos.
BeccaH / Pixabay

Esse é um pequeno resumo dos bastidores do que acontece na produção da indústria leiteira.

As dietas ricas em proteínas de origem animal, incluindo a caseína do leite de vaca, foram fortemente associadas a doenças cardíacas, câncer e diabetes tipo 1.

Concluímos que podemos obter cálcio, vitaminas, proteínas e sais minerais em outras fontes de alimentos, que não prejudiquem os animais nem o nosso organismo.

“Os animais não são propriedade ou coisas, mas organismos vivos, sujeitos a uma vida, e merecem nossa compaixão, respeito, amizade e apoio.” – Marc Bekoff

Algumas informações do texto foram extraídas deste link.

Sobre o autor

Luciana Pessutti

Luciana Pessutti

Oi, meu nome é Luciana Pessutti, sou vegana desde abril de 2011.

Desde criança não achava correto ter os “bichinhos” no meu prato, porém somente depois de adulta fui conhecer o veganismo e, desde então, divulgo por meio da internet informações dos bastidores da indústria de laticínios, ovos, mel e demais explorações

que acontecem com os animais, visando conscientizar para o fato de podermos ter uma vida ética e saudável sem precisar explorar ou matar animais.

Uma das minhas frases preferidas é:

“Olhe no fundo dos olhos de um animal e, por um momento, troque de lugar com ele. A vida dele se tornará tão preciosa quanto a sua e você se tornará tão vulnerável quanto ele. Agora sorria, se você acredita que todos os animais merecem nosso respeito e nossa proteção, pois em determinado ponto eles são nós e nós somos eles.”

– Philip Ochoa

Contato: [email protected]
Instagram: @Luzinha4071