Saúde Integral

5 coisas que você precisa sair sabendo de uma consulta ginecológica

Woman having consultation with female gp
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Toda mulher em idade fértil sabe bem e, depois da primeira visita ao ginecologista, não existe muito jeito de evitar: o ideal é que se faça uma visita ao consultório médico e uma lista de exames básicos ao menos uma vez por ano. Afinal, com saúde não se brinca e, com a saúde da mulher, sendo tão complexa e delicada, se brinca ainda menos.

No entanto, muitas vezes, por vergonha e falta de intimidade com o médico ginecologista, as mulheres acabam saindo do consultório sem fazer as perguntas que realmente queriam. O distanciamento médico e paciente não favorece, e o assunto que sempre somos ensinadas a evitar – afinal, moça direita não fala de sexo e só conhece sua vagina para tomar banho e secar o xixi, não é mesmo? – dificulta ainda mais a difícil tarefa de sanar dúvidas. Na maioria das vezes, as mulheres apenas fazem os exames, se certificam de uma saúde sem problemas, tomam os remédios indicados e só.

Enquanto isso, zilhões de dúvidas fervilham nas cabecinhas femininas por aí.

Pra te ajudar um pouco, decidimos sanar algumas dúvidas corriqueiras da maioria das mulheres. São estas as cinco coisas básicas que você deveria sair sabendo após uma consulta ginecológica. Confira!

Aparência

Não existe motivo algum para se preocupar com a aparência da sua vagina, das suas coxas, dos seus seios ou até mesmo da sua depilação. Os médicos ginecologistas atendem dezenas de pacientes por dia e sinceramente não estão em nada interessados na sua aparência. Se para nós é chocante a ideia de ficar pelada em frente a um desconhecido, para o médico é só mais uma nudez que será vista. Então, não encane com seu físico.

Você precisa fazer a sua parte

Muitas mulheres vão ao consultório médico esperando verdadeiros milagres dos médicos, porém isso não existe. O ginecologista pode te examinar, prescrever remédios e acompanhar sua saúde, mas você precisa fazer a sua parte. Se ele indicar mudança de alimentação para cessar um corrimento, por exemplo, você precisa seguir. Voltar na revisão e mentir que parou de comer doces não vai fazer com que você se cure magicamente.

Seu corpo, suas regras

Com a bandeira do empoderamento e do feminismo, muitas mulheres tentam discutir assuntos menos físicos e mais pessoais com os ginecologistas em busca de orientações em situação de parceiro abusador, por exemplo. O fato é que o médico pode até te aconselhar, mas você só deve fazer o que quiser. Estar casada ou ter um namorado não é motivo para fazer sexo sem vontade. Ele não vai te trair se você negar algumas vezes; ele só vai te trair se quiser, independente da quantidade de sexo que vocês façam.

Contracepção

As mulheres precisam parar de carregar toda a responsabilidade de contracepção nas suas costas. É preciso insistir para que o parceiro use camisinha, por exemplo. As doenças sexualmente transmissíveis existem e só são prevenidas desta forma. Além de que nenhuma criança pode vir ao mundo se você não tiver um homem para dividir esta concepção. Logo, a responsabilidade sempre será dele também.

Masturbação

É natural e uma forma ótima de autoconhecimento de seu corpo. Não precisa se envergonhar desta prática. Estamos em 2017 e as mulheres precisam saber o que lhes dá prazer. Então, se alguma vez, por algum motivo, este assunto vier à tona durante uma consulta, não hesite em ser honesta.


Escrito por Roberta Lopes da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]