Autoconhecimento Coaching de Bem-Estar Comportamento

5 dicas para lidar melhor com a sua sensibilidade

Uma das maiores belezas do ser humano certamente é o fato de que todos nós temos características únicas e sentimos o mundo à nossa maneira. Algumas pessoas, portanto, têm uma sensibilidade bastante aflorada, o que as faz sentir tudo com muita intensidade.

Como qualquer característica da nossa personalidade, isso tem pontos positivos e negativos ou delícias e dores, como dizem por aí. Se você vem descobrindo que tem uma personalidade mais sensível ou até hipersensível, precisa aceitar e lidar bem com isso. Dessa forma, preparamos uma lista que pode ajudá-lo. Confira:

1. Aceite-se

Se você descobriu que a sua sensibilidade é bastante aflorada e que isso o faz sentir com muita intensidade tanto o que é bom quanto o que é ruim, o primeiro passo é aceitar que você é assim! Por outro lado, se você ficar lutando contra isso e tentando sentir menos, ou seja, ser quem você não é, essa atitude pode atrasar muito a sua vida.

Você sabe muito bem o que acontece com quem percebe, tempos depois, que passou um tempão tentando ser quem não era, não é? Arrependimento, frustração, decepção… Então, em vez de tentar ser quem não é para sentir menos, aceite-se e confira as próximas dicas. Não lute contra a sua essência!

2. Potencialize suas qualidades

Enquanto pessoas menos sensíveis têm qualidade como resistência, resiliência e capacidade de ser bastante racional, deixando os sentimentos de lado, as pessoas mais sensíveis precisam descobrir e explorar suas potencialidades. Dessa forma, características como dons artísticos, criatividade, empatia e compaixão podem ser seus pontos fortes.

Pessoa cabisbaixa sem auto-estima
sifotography / 123RF

É analisando o seu comportamento e ouvindo as pessoas que o conhecem que você vai começar a entender, pouco a pouco, quais são seus pontos fortes e quais são aquelas características que você precisa trabalhar um pouquinho para que essa sensibilidade doa um pouquinho menos e seja melhor aproveitada.

3. Escolha suas companhias

Se você é uma pessoa sensível, mas está cercada de pessoas rudes, agressivas e com pouca sensibilidade, é possível que se sinta mal e culpada por ser como é, porque a comunicação mais seca e agressiva delas provavelmente vai machucar você, fora que elas podem ataca-lo pelo fato de você ser quem você é.

Por isso é bastante importante selecionar bem um parceiro ou uma parceira que entenda, aceite e valorize essa sua sensibilidade, bem como amigos que façam o mesmo. Ainda que não possamos escolher nossa família, podemos decidir de quais familiares seremos mais próximos. Não hesite em se afastar de quem o faz se sentir mal por ser quem é!

4. Não se sinta culpado

“Eu queria ser mais forte”, “queria ser menos apaixonado” e “queria quer não doesse tanto…” são algumas das frases que fazem parte da vida das pessoas que são hipersensíveis. Vivemos num mundo prático e racional, que dá pouco espaço à sensibilidade, então é comum que os mais sensíveis se sintam mal por serem quem são.

Pessoa se sentindo culpada
deagreez / 123RF

Por isso é importante aquele primeiro ponto: aceitar-se! Quando você aceita que é assim, passa a entender que, caso tenha se apaixonado e se iludido muito com alguém que prometeu amor e foi embora, por exemplo, a culpa é de quem mentiu e o enganou, não sua, que sente demais tudo o que sente.

5. Desenvolva filtros

Se você leu o terceiro tópico, já entendeu que precisa selecionar bem as pessoas que fazem parte da sua rotina, a fim de estar perto somente de quem valoriza a sua sensibilidade. Além de fazer esse filtro em relação às pessoas, é importante estabelecer filtros para outras áreas da sua vida.

Encontrar uma profissão ou um trabalho que respeite a sua sensibilidade é essencial, bem como frequentar ambientes que valorizem isso ou “rolês” que não o façam se sentir mal por ser quem é. Quando você está nos ambientes certos, buscando um emprego que potencialize quem você é e com pessoas que amem a sua personalidade, ser sensível passa a ser um trunfo, não um peso!

Você também pode gostar

Enfim, lidar com a sensibilidade pode ser bastante complicado neste mundo acelerado e racional em que vivemos, mas é possível ser quem você é sem se sentir culpado por isso, porque sensibilidade, nessa situação, é um privilégio! Portanto, valorize quem você é e jamais se sinta mal por ter seus sentimentos à flor da pele!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br