Autoconhecimento

A importância do pai para as crianças

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras



Que a maternidade tem uma relevância geralmente muito maior não só no nascimento, mas também no desenvolvimento da criança é um fato praticamente unânime. O papel da mãe vai muito além da gestação, tanto é que um dos maiores “clichês” dos bebês no processo de desenvolvimento da fala é procurar pela “mamã”, em função do seu apego à mulher responsável pela sua criação. Reconhecendo essa importância, outra que é preciso pontuar é o papel do pai para o(a)s filho(a)s, que vai muito além, mas muitíssimo além, do ato sexual.

Embora não seja o objetivo desse artigo discutir o aborto, uma outra questão que é pouco refletida na sociedade é o abandono dos filhos por parte do pai. Tecnicamente, de uma maneira indireta, ao se eximir do seu dever moral e também prescrito em lei, o homem que deixa a tarefa de criar e educar uma criança exclusivamente para a mulher também acaba praticando um aborto. Além do aspecto financeiro que vai obrigar a mãe a se ausentar para conseguir sustentar a criança, a ausência da figura do pai fará falta a um pequeno indivíduo que sofrerá para entender que não teve culpa nenhuma do ato covarde realizado pelo seu progenitor.

Cute father and son playing together at the park

Primeiramente, o papel de pai, embora fosse o ideal, não precisa ser feito necessariamente pelo genitor biológico da criança. Um avô, um tio, um padrasto ou até mesmo uma pessoa que pratica o nobre gesto de adoção podem repor com maestria a ausência do pai biológico. Não só pelas características de gênero, mas também contar com a possibilidade de sua criação ocorrer a partir da concepção de duas pessoas diferentes, o pai e a mãe, faz com que o filho possa ter uma variedade de ensinamentos. Cada personalidade tem sua vantagem e desvantagem, portanto, um pai e uma mãe presentes podem criar a criança de uma maneira muito mais eficaz.

Até mesmo pela visão imposta pela sociedade de que o homem deve ser o “chefe da casa”, “o super-herói” e representar a “força” (vale pontuar que são valores repassados, conscientemente ou não, pelas pessoas, não que esse artigo concorde), a criança vê no pai o “porto seguro”. No caso do filho homem, um exemplo a ser seguido quando tornar-se adulto, e no caso da filha, o pai representará uma figura masculina de confiança e aquilo que todo homem de bem deveria ser: respeitoso e que zela pelos seres humanos, sem fazer distinção de gênero.


  • Escrito por Diego Rennan da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]