PNL - Programação Neurolinguística

A Programação Neurolinguística – Parte 2

No texto anterior falamos da origem deste estudo, quem são seus protagonistas, o auxílio magnífico que a prática poderá oferecer a todos no que tange à mudança de padrões de conduta e pensamentos que ao longo de suas vidas tenham sido negativo de alguma maneira.

No último parágrafo deixamos um certo suspense: tchammmmm!!!!, mente, dividida em pensamento consciente e inconsciente.

Pois bem, o pensamento consciente diz respeito ao pensamento lógico, nesse caso a mente está continuamente alerta e assim por exemplo, nos permite recordar datas importantes, nomes de pessoas, lugares; e o inconsciente ao funcionamento automático, aquela parte de nossa mente que ativa as condutas, crenças e valores, enfim, o que temos aprendido e que configuram nossa forma de agir. Outro exemplo: quando fazemos algo automático, como escrever um e-mail, guiar um carro, comer. Essa parte de nossa mente, para que trabalhe de maneira consciente, terá de reaprender a funcionar e também a funcionar da maneira como queremos, e para isso, ela precisa ser redesenhada, vamos dizer assim, e então, com uma simples (mas nem tanto, eu sei) perguntinha, “o que eu quero?”, essa mente poderá ser desenhada novamente… o problema é justamente este: responder à essa perguntinha capciosa…rs.

Vejamos, amigos: para que determinada situação desagradável em nossas vidas tome outro rumo, obviamente que estagnar não é uma boa opção; teremos que nos afrontarmos a essa possibilidade de mudança partindo do seguinte ponto: ‘eu vou mudar, para que tudo mude’. Isto faz todo o sentido. Então, vamos partir do princípio de que se queremos respostas aos velhos problemas, mudemos as perguntas, que tal assim?

programação neurolinguística

‘Isso que eu quero, me beneficia de que maneira?’, ‘Até onde irei com esse meu objetivo, o que desejo alcançar ?’, ‘O que de fato posso mudar em mim para que a minha relação com os demais possa melhorar?’

Assim que você passa a questionar de uma outra perspectiva, você passará a analisar suas crenças, valores e atitudes e interrogar-se sobre como tem agido diante de cada situação, seja ela pessoal, profissional, etc. Dessa forma, aquela parte de nossa mente inconsciente vai, aos poucos, aprendendo este novo ‘programa’, que nos dá a possibilidade de alcançar objetivos, pelo empenho, esforço, e desapego a antigos valores que antes nos faziam estagnar.

Você também pode gostar:

Na Programação Neurolinguística, o processo de aprendizagem consiste em quatro fases, que são:

Fase 1: Incompetência inconsciente. Não saber que não se sabe.
Fase 2: Incompetência Consciente. Saber que não se sabe.
Fase 3: Competência Consciente. Saber que se sabe.
Fase 4: Competência Inconsciente: Não saber que se sabe.

E assim, utilizamos esses passos, algumas vezes os mudamos de ordem, com o intuito de aprender e reaprender; mais adiante outros passos, outros exercícios que até mesmo podemos criar, passarão a ajudar e a facilitar em diversos aspectos de nossas vidas.

Lista dos Desejos… só que não!

Aqui deixo um exercício interessante e que lhe fará ocupar-se mais de sua vida, anseios e planejamento: elabore uma lista de 50 itens, algo que você precisa fazer. Ah, mas aí ‘vale tudo’: ir ao cabeleireiro, consertar a fechadura da porta do quarto de hóspedes, cortar a grama, redigir um relatório… xiii… vamos lá, cinquentinha! Nem mais, nem menos. Pois bem, agora elabore seu plano de ação: dentre os itens constantes nesta lista, circule os que poderão ser realizados em uma semana, depois os outros que poderão ser realizados em até um mês até chegar aos itens que exigem maior complexidade de tempo e energia, ok? Feito isso, você se conhecerá melhor, planejará tempo, energia, gastos e terá maior senso de responsabilidade, além da grande aventura nesse mundo de autoconhecimento!

programação neurolinguística

Para além das Fronteiras…

A PNL já é realidade não somente em consultórios médicos, assim como em ambientes corporativos, esportivos e já há relatos do uso de suas técnicas na solução de conflitos judiciais, voltados à área empresarial e também se pode ver suas técnicas aplicadas às vendas.

Equipes de futebol têm utilizado algumas de suas práticas para lidar com sentimentos de derrota, baixa autoestima e até mesmo o ‘saber ganhar’, e o esporte é também um bom termômetro para nos testar ante às dificuldades e tropeços no meio do caminho: estamos, mais uma vez, falando da inteligência emocional.

Você vai ver, que a PNL é um importante estudo para aprimorar nosso conhecimento sobre nós mesmos, nossos medos, sentimentos tóxicos muitas vezes, e nos ajudar em meio à luta diária; há outras técnicas, claro, mas aqui me deterei a PNL, meu objeto de estudo há anos.

No próximo artigo trarei a visão de uma psicóloga, a Dra. Euri Mérida, que nos contará sobre o aporte da Programação Neurolinguística na questão do empoderamento feminino, bem como outras técnicas.

Me acompanha? Espero por você! Boa Semana, seguindo adiante sempre!

Sobre o autor

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Olá, sou a Claudia Jana Sinibaldi Bento, metade brasileira, sendo a outra metade encontrada na Espanha… rs... e aqui compartilho o que aprendi ao longo desta trajetória, seja estudando, traduzindo, escrevendo, lendo ou conversando… ah, melhor ainda: conhecendo pessoas que me acrescentaram o que carrego como sendo meu tesouro mais precioso: conhecimento. São anos aqui e ali, onde me chamam ou aonde eu simplesmente vou, para aprender, ajudar, sentir… e assim sigo esta estrada rumo ao autoconhecimento, evolução e simplicidade! Vem comigo aprender! Ah, também quero aprender com você!

Email: [email protected]