Comportamento Relacionamentos

Término de relacionamento: uma experiência dolorosa e gradual

Mãos de pessoa branca segurando uma foto de casal rasgada ao meio, em cima de uma mesa de madeira, representando o término de relacionamento.
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Vivenciar términos de relacionamentos é algo bastante doloroso, tanto para aquele que decidiu ir embora, quanto para aquele que se sentiu rejeitado, pois ambos enfrentam um terrível luto interno. O que acontece geralmente é que este mesmo luto não é experienciado ao mesmo tempo pelo casal. Sempre um passa pelo luto muito antes do fim. Enquanto o outro só o sente com a partida fatídica do ser amado.

Segundo a psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross, passamos por 5 fases do luto: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Todas as fases são totalmente necessárias para abrigarmos o novo (fato) em nossa própria consciência. A nossa mente vai processando tudo psiquicamente aos poucos, para não sofrermos de uma vez só.

Diante desse fim, o comum é o “rejeitado” se sentir vitimizado pelo parceiro que partiu. Entretanto, quem foi embora viveu todo o luto dentro de casa e ao lado do ser que infelizmente não ama mais. Há sintomas bem aparentes, só que o outro parece não enxergar ou mesmo tem até medo de tocar no assunto.

A primeira fase é a NEGAÇÃO.

Nesta fase a mente se defende da realidade dura. O indivíduo parece não conseguir lidar com a dor e nem falar sobre ela. Alguns podem até fugir junto com vícios necessários que servem como drogas para alívios fulminantes de suas angústias (des)conhecidas. E assim se injetam de comidas, cigarros, bebidas, altas horas na internet e na televisão, atos libidinosos de forma promíscua e sem envolvimento profundo, de muitas tarefas laborais ou mesmo de altas doses narcóticas de fantasias descabidas.

A segunda fase é a RAIVA.

foto cole do rosto de um homem branco, jovem, gritando de ravia

Como a pessoa não se conforma com o que está acontecendo, começa a sentir um tipo insuportável de rebeldia interior. É neste momento que aqui pode haver muitas brigas e confusões, pois a falta de compreensão sobre os fatos ainda não foram digeridas.

A terceira fase é a BARGANHA.

Aqui a pessoa começa a racionalizar seus comportamentos descontrolados e tenta de alguma forma buscar soluções para reaver a relação. Neste instante, aquele que ainda está em casa e sabendo que não ama mais, tenta a todo custo sufocar as vontades de sua própria alma para não deixar o parceiro sofrer. Agrada ao outro, mas não a si mesmo. Já aquele que se sentiu deixado, pode se desesperar e fazer loucuras para ter o amor (que já morreu) de volta.

A quarta fase é a DEPRESSÃO.

Mulher branca, jovem, sentada no chão, escondendo sua cabeça entre as pernas, com as costas apoiadas em uma parede branca.

Fase superdolorosa, pois aqui a pessoa já está tendo consciência de que não tem mais nada a fazer a não ser sentir toda a dor do fim.

A quinta fase é a ACEITAÇÃO.

Como já dizia Shakespeare “Há quedas que provocam ascensões maiores.” Nessa fase a dor é substituída pela saudade consciente. Saudade de algo que foi muito bom e de grandes aprendizados. Aqui ambos guardam o pedaço do outro que ficou.

Portanto, qualquer tipo de luto mexe com o nosso psiquismo. E devemos ter paciência com o processo, pois a nossa mente vai nos protegendo até aceitarmos o fim por completo.

E algo muito importante a ser considerado é que não há vítimas e nem culpados quando não há mais reciprocidade no amor. Como já dizia Frida Kahlo:

Onde não puderes amar, não te demores.”


Você também pode gostar de outros artigos do autor: Precisamos primeiro nos encontrar com a nossa própria sombra para reconhecer a nossa luz

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]