Autoconhecimento Comportamento Saúde da Mulher

A síndrome da mulher incompleta

Mulher sozinha, de costas, em meio a paisagem natural montanhosa.

Ao longo dos anos, perdi a conta da quantidade de expectativas que existem em torno da figura da mulher; tantos que parece uma corrida permanente, sem pausas, para o qual é necessário ter uma preparação imbatível, mas também uma corrida de fundo em que parece que a meta nunca é atingida. Cada vez que essa situação, esse círculo vicioso, é a realidade de mais mulheres, independentemente do país e continente.

Vivemos sem viver, sem nos ver, quase sempre ignorando nossas necessidades e desejos relegando-nos ao último lugar.

O mais perigoso desta situação é que raramente temos consciência de que estamos passando por ela e que também é uma maneira rotineira de agir, tanto que ela se tornou parte de você. Mas porque essa situação afeta tantas mulheres?

Mulher com a cabeça para o lado, olhando para baixo, em meio a várias mãos estendidas voltadas a ela.

Somos educadas na crença de perfeição, de que temos que atingir tudo, que podemos com tudo, sem importar qual for nosso estado físico e emocional. Crescemos com a crença de que nossa principal tarefa e prioridade é cuidar, bem seja de um companheiro, família, pais, filhos… não importa o que ou de quem, mas cuidar é geralmente a prioridade inconsciente que manifestamos no dia a dia, em diferentes situações.

Adquirimos o papel de “cuidadora” sem entender as repercussões que isto tem para nós e também para a pessoa que cuidamos a todo custo, criando uma dependência mútua. Aprendemos a cuidar e por regra geral, fazemos muito bem. Mas neste papel de cuidador ninguém nos ensina a cuidar de nós mesmas. Não aprendemos que cuidar de nós mesmas é importante e mais uma prioridade do que cuidar dos outros, porque se você se cuida como merece, não pode cuidar do outro, ou pelo menos não do verdadeiro significado da palavra cuidar. Entendemos por cuidar, garantir que a outra pessoa, coletivo ou o lar, não lhe falte de nada e tenha o necessário para se sentir bem e dessa forma atender às suas necessidades emocionais e fisiológicas.

Duas mãos dadas em sinal de ajuda.

Mas isso não é cuidar, poderíamos dizer que esta é a parte superficial do verbo. Cuidar é acompanhar, compreender, ouvir, amar e estar de forma incondicional. Como você pode ver, vai muito além de cobrir com um “remendo” as necessidades do outro. A questão aqui é, senão consegue se ouvir a si própria, compreender-se, valorizar o que sente, como o sente, o que precisa, como pode fazer isso com outra pessoa?

Se você não se permitir ser incondicional consigo mesma, como é possível estar incondicional com o outro, se a primeira pessoa que tem de aprender a cuidar é a si própria, cuidar de si, se autocuidar são peças fundamentais na tua saúde emocional, na forma como se relaciona e em como se projeta no mundo.

Por que isso é vital?

Mulher em um campo de flores segurando um espelho na frente da cabeça, a qual se torna invisível.

Quando sua figura passa para o segundo lugar é você pensa que cuidar dos outros é mais importante do que cuidar de você, por que você faz isso? O que você quer com isso? Você faz isso por amor? Só por amor?

Na verdade não. Você faz isso porque quando para de cuidar de si mesma, se desconecta de si: corpo, desejos, sonhos, necessidades afetivas, emocionais e fisiológicas. Sem perceber, você esquece de pontos fundamentais que marcam quem você é, sua essência, que o identifica como indivíduo e como mulher. Perdendo assim a noção de você.

Que consequências têm isso?

Mulher olhando para o lado com semblante triste, em ambiente fechado.

Você procura agradar aos outros, a aqueles ao seu redor, seja família, companheiro, ambiente de trabalho, relacionamentos próximos, etc; sentir que você é necessária, útil, essencial para o bem-estar do outro ou para o bom funcionamento de uma engrenagem ou núcleo de pessoas, procurando outros para lhe dar o amor, a importância e o valor que você não atribui a si mesma, porque esqueceu como fazê-lo e você não se lembra ou não sabe que ninguém pode substituir o amor que você tem para se dar e que ninguém pode dar a você exatamente como você precisa, porque não sabe. Porque a questão não é que “outros” te entreguem, mas sim que você não se anule, não anule sua essência na procura de um amor fantasma, que no meio de tanta corrida de fundo parece nunca chegar.

Essa situação gera frustração porque você sente que dá sem medida, que entrega tudo e não recebe o que espera ou como espera. Você se perde para se virar para o outro, tornando-se a rainha das expectativas relacionadas aos outros, mas sem colocar nenhuma em você como mulher. Você se submete aos desejos dos outros para agradá-los e se torna quem você acha que eles querem que você seja. Você cria sua vida, você e sua realidade com base no que os outros esperam de você, por quê?

Além das crenças condicionantes, aprendemos a ser incoerentes conosco como mulheres, porque adaptamos e adotamos diferentes posições, comportamentos e personalidades de acordo com cada um dos papéis que você desempenha em cada momento. Sim, papéis. Você sempre se comporta da mesma maneira?

Você também pode gostar

Não, porque a necessidade de agradar, de ser valorizado ou amado, leva você a ser diferente, dependendo do papel do momento: mãe, companheiro, amante, filha, cuidadora, profissional. Não apenas você se comporta de maneira diferente, mas em nenhum desses “papéis” você é você mesma; porque você se comporta sem bússola, perdido, sem saber o que está procurando ou o que se espera de si mesma, da vida e dos outros.

Tudo isso você já sabe. Então por que você continua fazendo isso? Porque você continua fazendo algo totalmente diferente do que pensa e sente?

Você se perde nessa corrida de fundo tentando ser alguém que não é, anulando sua essência pessoal em uma pesquisa que faz você se sentir insatisfeita e entrando no jogo social de “Síndrome da mulher incompleta” que nada mais é do que um conjunto de atitudes, medos e ignorância que o levam a procurar “algo” durante toda a vida, sem saber muito bem o que ou onde; ao mesmo tempo em que concentra toda a sua energia no outro, porque se sente vazia e tem medo de enfrentar críticas sociais, em que tudo em relação às mulheres é um grande tabu, expectativas e figura padronizada que você insiste em seguir por medo de marcar a diferença em sua vida e ser quem você quiser ser… Seja livre, porque está satisfeita consigo mesma, com quem você é e para onde está indo.

Mulher de costas sentada em frente à praia.

Ser livre não significa estar sozinha. Ser livre é sinônimo de não perder sua identidade, ser você o tempo todo, aceitar e amar-se. Dessa maneira, essa “síndrome” desaparece e você para de andar pela vida procurando a aprovação e o amor dos outros. Mas você é você mesma porque se sente satisfeita, o vazio desaparece, para de agir em busca de “ser completada” com amor e reconhecimento, você simplesmente compartilha e dá o seu melhor a cada momento, sem expectativas.

Toda vez vivemos em um mundo com mais mulheres vibrando na energia da síndrome da mulher incompleta que precisam acordar e recuperar sua identidade. Deseja fazer parte dessa percentagem?

Yolanda Castillo

Sobre o autor

Escuela Integral para el desarrollo humano

Escuela Integral para el desarrollo humano

A EIDH é uma escola online, internacional, bilíngue, com um sistema educativo e metodologia própria, que está a um clique de distância de você.

Nasce com o objetivo de implementar um novo sistema educativo em formação profissional e desenvolvimento pessoal.

Como escola nos caracterizam cinco fundamentos: profissionalismo, rigor, experiência, transparência e compromisso. Eles nos permitem atingir os objetivos educativos e nos posicionar em destaque no mercado.

Após uma longa carreira de 18 anos trabalhando em consulta e proporcionando formação e cursos em diferentes áreas da medicina holística e crescimento pessoal, em outubro de 2019 abre suas portas para dar início a uma nova etapa.

Etapa esta na qual hoje mais do que nunca acreditamos na educação como princípio e fundamento de tudo. Confiamos nela como a base dos estudos, como um fundamento constante e necessário em cada uma das etapas vitais de crescimento, desenvolvimento emocional e pessoal. Assim, levamos a educação para várias áreas principais, nas quais fornecemos estudos pioneiros. Para isso, temos as melhores escolas e câmpus formativos com ofertas educacionais adaptadas a cada aluno, revolucionando a educação e o ensino com cada um deles:

- Campus Medicina Natural
- Campus Terapias Integrais EIDH
- Escuela Maternar
- Escuela Despierta Mujer

Como equipe temos o objetivo de proporcionar sempre o melhor conteúdo, com base em investigação, estudo e dedicação.

Roberto Castillo

Confio na capacidade que tem o ser humano para acionar mudanças em sua forma de ser, estar e sentir.
Todos nós, sem exceção alguma, temos qualidades para consegui-lo.​
Porém, o verdadeiro desafio é encontrar o que mudar e como o fazer para obter os benefícios que o indivíduo deseja em seu crescimento pessoal, em sua saúde emocional e bem-estar físico. Este é o meu trabalho: acompanhá-lo na procura da origem dos processos emocionais e fisiológicos, que o impedem de fazer mudanças para atingir seu máximo potencial. Porque o importante não é adormecer o problema ou a situação que o limita, mas sim encontrar a origem emocional para que o indivíduo possa obter os benefícios necessários.
Tudo tem relação com:​
Encontrar a origem
Desbloquear emoções
Ganhar consciência

Eu sou Roberto, naturopata e psicoterapeuta especializado no acompanhamento de processos pessoais relacionados com a saúde e crescimento pessoal. Investigador em neurociências e formador em diferentes câmpus da EIDH.

Com o meu acompanhamento em consultas, desde o ano 2003, ajudei milhares de pessoas em Portugal, Espanha, Suíça e França a superarem obstáculos emocionais, patologias do foro psicoemocional e cognitivo, que as impediam de desfrutar de um bom estado de saúde para atingir objetivos profissionais e pessoais.

Nos últimos oito anos, formei um número enorme de alunos, facilitando o acesso a terapias e técnicas que permitiam a eles se autoajudarem, se descobrirem, trabalharem suas questões emocionais; tudo desde a origem: a emoção.

E tudo isso por meio de terapias que permitem o desenvolvimento da autoconfiança, segurança, força interior e autoconhecimento.

Em resumo, que permita o indivíduo viver de forma consciente. Porque viver o dia a dia de forma consciente possibilita a você decidir de forma responsável e segura. Descobrir-se a cada dia e deixar de “lutar” com limitações e obstáculos psicoemocionais. Gosto de desafios e de trabalhar com pessoas que desejam verdadeiramente encontrar respostas para modificar seu estado atual. Quando se trabalha com algo tão especial e profundo, como a “origem emocional”, em que o profissionalismo e a empatia são fundamentais, é possível conseguir que qualquer um mude sua própria vida.

Yolanda Castillo

Acredito na qualidade “criadora” da mulher como princípio de mudança e transformação, em todos os âmbitos. Todas somos únicas, é por isso que TODAS temos a capacidade de descobrir nossas qualidades. Porém, o verdadeiro desafio é despertar, descobrir quais são suas qualidades, o que deseja criar e cocriar com elas e quais são os passos necessários para atingir seus objetivos pessoais, em qualquer âmbito. Este é o meu trabalho, acompanhar você para que encontre sua “bússola” central e caminhe com firmeza em direção aos seus objetivos: pessoais, emocionais e profissionais.
Porque o que faz a diferença não é se camuflar, mas sim desconstruir as ideias e os preconceitos sobre si mesma para criar sua verdadeira identidade como mulher.

Eu sou Yolanda, terapeuta especializada em saúde feminina integrativa e acompanhamento psicoemocional de maternidade. Formadora, escritora e codiretora da EIDH (Escola Integral para o Desenvolvimento Humano).
Com os meus acompanhamentos e consultas, ajudei um número expressivo de clientes na Espanha, Portugal, Canadá e América Latina a descobrirem padrões de atuação antigos e encontrarem a raiz emocional dos bloqueios que os impediam de atingir seus objetivos. Como formadora, facilito ferramentas-chave de autoajuda e autoconhecimento para que você possa compreender suas raízes como mulher:​

Compreender seu processo pessoal, quebrar antigos padrões, encontrar a raiz emocional, valorizar-se para criar uma nova maneira de ser e estar. ​Gosto de trabalhar com mulheres aventureiras que queiram se arriscar e fazer a diferença. Sou uma mulher empática, e quando trabalho com mulheres comprometidas elas conseguem transformar qualquer aspecto de sua vida.

Contatos:
Email: [email protected]
Site: eidh-escolaintegral.com
Facebook: facebook.com/EIDH.escuelaintegral
Instagram: @escuela.integral_eidh/