Autoconhecimento

A maneira que encontrei de lidar com a sombra na minha frente

figura sombria por trás do vidro
Dulcineia Santos
Escrito por Dulcineia Santos
Eu estava no bar de um restaurante ao lado de casa outro dia, aguardando para ser levada à mesa, quando um morador das redondezas puxou conversa. Perguntou o que eu fazia. Expliquei que era coach e terapeuta holística, ele pareceu bastante intrigado (“inconformado” descreveria melhor) e, então, perguntou: “Mas o que você realmente quer fazer da vida?”, ao que eu respondi: “Eu já estou fazendo o que quero da vida, pensei que tivesse acabado de explicar. Para mim, é um privilégio poder ajudar as pessoas em seu desenvolvimento, em fazer o que podem para alcançar o seu potencial.”. Então, um homem da mesa de trás disse em um tom jocoso: “John, ela pode ajudá-lo a alcançar o seu potencial! Imagine isso! Por que você não a contrata?”.

Naquela mesma semana eu tinha tido um sonho, não sou muito de ter sonhos onde a lição é clara, mas neste um palestrante me dizia: “Você tem que perguntar ‘por que?’ três vezes, só aí você vai achar a resposta. Às vezes, a própria terceira pergunta é a resposta.”.

sombra

Ao chegar em casa, resolvi fazer o exercício:

– “Por que eu continuo atraindo gente que ri do meu trabalho?”

– Porque eu mesma não me levo a sério.

– “Por que eu não me levo a sério?”

– Porque, apesar de todo o feedback que recebo sobre o meu trabalho, tem algum lugar lá no fundo que acha que sou uma farsa.

– “Por que acho que sou uma farsa?”

– Porque, por mais que eu faça, nunca acho que é o suficiente: não medito o suficiente, não estudo o suficiente, não purifico o meu canal o suficiente.

Ou seja, aquele homem só estava espelhando o que estava dentro de mim mesma. Os pensamentos de dúvida que eu tenho sobre mim mesma, como se não bastassem ocupar a minha mente, estavam agora materializados nas vozes daqueles dois homens.

Apesar de ter trazido a situação para mim e ter feito um questionamento interno, uma coisa ainda estava me incomodando: embora tenham me mostrado a minha sombra, o quanto aqueles dois homens estavam isentos de responsabilidade?

Joguei esta pergunta em uma rede social e recebi vários conselhos, um deles muito valioso: que eu considerasse estas pessoas única e exclusivamente como uma manifestação do meu subconsciente para me mostrar algo que preciso trabalhar em mim.

Essa tarefa não é fácil… Uma das razões é que eu não vejo essa minha sombra personalizada em uma mulher, por exemplo. Com exceção de uma única vez, que uma mulher questionou como eu exercia a profissão de coach sem ter um diploma de psicóloga, fato é que eu recebo esse tipo de comentários vindo de homens.

sombra

Acho que ainda temos um caminho longo pela frente em reeducar a maneira com que os homens se comunicam conosco.
 Então, a forma que encontrei de lidar com esse tipo de situação foi fazer as duas coisas: não tirar a responsabilidade sobre o meu trabalho interno e culpar o outro, mas também não me furtar de mostrar àquela pessoa que o jeito que ela se comunica é desrespeitoso (ou pelo menos é como eu me sinto sobre a maneira de ela se comunicar, como se diz na Comunicação Não-Violenta).

E uma arma que tem sido bastante importante nesse trabalho é ter me educado sobre quatro maneiras que os homens têm de se comunicar, muitas vezes, sem se aperceberem disso:

  • Mansplaining: união das palavras “man” (homem) + “explaining” (explicar), quando um homem explica didaticamente uma coisa óbvia para uma mulher, como se ela fosse incapaz de entender ou ignorando o fato de que ela já sabe (como dirigir, por exemplo);

  • Manterrupting: união das palavras “man” (homem) + “interrupting” (interromper), quando um homem interrompe uma mulher porque acha que o que ele tem para falar é muito mais relevante do que o que ela está falando (ou talvez só porque ele acha que pode);

  • Bropriating: união das palavras “bro” (mano) + “appropriating” (apropriar), quando um homem se apropria da ideia de uma mulher;

  • Gaslighting: expressão tirada de um filme com o mesmo nome, quando um homem manipula uma mulher psicologicamente de tal maneira que ela começa a duvidar de sua sanidade mental. Não, isso não acontece só em filmes! Quando um homem diz uma coisa e depois nega que disse, quando te chama de louca, etc… Tudo está dentro desse pacote!

O que faço agora, quando acho que estou passando por alguma dessas coisas, é perguntar para a pessoa: “Você sabe o que é manterrupting?”, e se ela não sabe, explico. Normalmente o que acontece é que a pessoa tem uma tomada de consciência e é obrigada a olhar para aquilo, para o quanto ela usa aquilo. E fica mais impessoal do que dizer: “Você me interrompe toda hora!”. Então, eu a deixo lidando com a sombra dela e vou lidar com a minha.


Você também pode gostar de outros artigos do autor: E se você já for realizado e não se deu conta

Sobre o autor

Dulcineia Santos

Dulcineia Santos

Dulcinéia Santos é terapeuta multidimensional, life coach e praticante certificada da ferramenta MBTI® de tipos psicológicos e Barras de Access®. Acredita que a vida é cheia de lições, e que se não as aprendemos não passamos pro próximo nível do jogo. Saiu de casa cedo e foi morar no mundo – agora está na Suíça, onde estudou Antroposofia por três anos. Gosta de tomar cerveja no boteco enquanto papeia, de aconselhar, da língua portuguesa, de cozinhar, de ficar só e de flexibilidade de horários. É esotérica, mas acha que estamos encarnados pra viver as experiências terrenas com o pé no chão – de preferência dançando.

Formações:
Brain Based Coaching Certification
NeuroLeadership Group - Londres

MBTI - Myers-Briggs Type Indicator - Step I and Step II
Myers-Briggs Foundation - Florida, USA

Antroposofia
Goetheanum - Dornach, Suíça

Terapia Multidimensional
Genebra - Suíça

Access Bars®
Nyon - Suíça

Contatos:
Site: dulcineiasantos.com

Facebook: Cura de Amor

Youtube: Canal Cura de Amor

Instagram: @dulcialcock

Áudios: soundcloud.com/dulcineiasantos

Blog: medium.com/@dulcineiasantos

E-mail: [email protected]