Maternidade Consciente Saúde da Mulher

A violência obstétrica: já está na hora de falarmos sobre o assunto!

Mulher grávida deitada virada para o lado em uma cama de hospital.


Imagine, meu estimado leitor, leitora…na hora em que uma mulher está prestes a trazer ao mundo seu pequenino ser, naquele momento mágico de cumplicidade entre dois seres que, de fato, se separarão para unirem-se para sempre na caminhada aqui fora… imagine esse momento sendo atropelado por palavras de horror, de gritos impacientes e descontrole emocional e desrespeito por parte da equipe médica… pode imaginar?

Pois bem, estamos falando da violência que ocorre nos centros médicos, mais precisamente quando a mulher dará à luz: a violência obstétrica. Entendamos o que é e tratemos de identificá-la para que, munidos de informações, saibamos como agir, ou ajudar a quem precisa:

Mulher branca de cabelos castanhos deitadas em uma cama de hospital com a mão na cabeça e expressão de dor.

Esse tipo de violência manifesta-se por não atender de maneira eficaz as emergências obstétricas, quaisquer que sejam elas: obrigar a mulher a parir de maneira que lhe cause incômodo mesmo havendo alternativas para a realização do parto seguro; apressar o parto, muitas vezes por cesárea, e expor as mães aos riscos oriundos da cirurgia; negar, sem causa justificada, o apego precoce de mãe e filhos, negando a possibilidade de alimentá-lo e, por fim, agredir a mulher verbalmente quando deveria encorajá-la.

Você também pode gostar de:

A Organização Mundial de Saúde, órgão vinculado as Nações Unidas, estabeleceu algumas práticas que devem ser abolidas no ambiente médico com mulheres em trabalho de parto, quais sejam:

– Raspagem dos pelos pubianos.
– Esvaziamento do intestino.
– Monitoramento eletrônico fetal.
– Não deixar a mulher comer ou beber.
– Dizer à mulher para prender a respiração e empurrar durante a segunda fase do trabalho de parto (em vez de deixá-la fazer o seu próprio caminho).
– Esticar e interferir na entrada da vagina quando o bebê está nascendo.
– Episiotomia: incisão na zona do períneo até o ânus para facilitar o canal de parto.
– Levar o bebê para longe de sua mãe no nascimento.
– Forçar a mulher a deitar-se de costas durante o trabalho de parto.

Mulher branca deitada na cama do hospital com seu bebê recé-m-nascido em seu colo chorando após o parto.

O que fazer se você ou alguém de seu convívio foi vítima?

Formalizar a denúncia. Para os casos cometidos no estado de São Paulo, por exemplo, a Defensoria Pública do Estado de São Paulo recebe e analisa as denúncias. Procure a Defensoria de seu Estado. Você também pode ligar para o Disque Saúde 136, ou Disque Violência Contra a Mulher 180.

A informação sempre fará a força! Adiante, sempre! Estamos aqui!

Sobre o autor

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Olá, sou a Claudia Jana Sinibaldi Bento, metade brasileira, sendo a outra metade encontrada na Espanha… rs... e aqui compartilho o que aprendi ao longo desta trajetória, seja estudando, traduzindo, escrevendo, lendo ou conversando… ah, melhor ainda: conhecendo pessoas que me acrescentaram o que carrego como sendo meu tesouro mais precioso: conhecimento. São anos aqui e ali, onde me chamam ou aonde eu simplesmente vou, para aprender, ajudar, sentir… e assim sigo esta estrada rumo ao autoconhecimento, evolução e simplicidade! Vem comigo aprender! Ah, também quero aprender com você!

Email: [email protected]