Energia em Equilíbrio Saúde Integral

Aceitação: o caminho para o desapego

Aceitação
Ana Durão
Escrito por Ana Durão
Para a maioria dos seres humanos aceitar que tem um desapego para fazer é talvez um dos trabalhos mais intensos e dolorosos para ser feito. Mas, afinal, do que se trata essa aceitação e esse desapego??

Nesta sociedade moderna e demasiado industrializada, andamos todos à procura de algo que nos mantenha em pé, sem bloqueios e, de preferência, com todas as células oxigenadas. O esforço para levarmos as nossas vidas adiante sem sobressaltos, por vezes, roça os meandros do sofrimento.

Hoje em dia sofremos por tudo e, por vezes, se parássemos para refletir, para olharmos para o nosso interior, esse tudo é quase nada – sim, quase nada. O nosso sistema de crenças aqui também nada ajuda, a crença do orgulho, por exemplo, seria desnecessária e desbloquearia muita da nossa energia.

Andamos anos a rejeitar e a lamentar o que tanto mal nos faz, muitos dos nossos dias são gastos com esta energia da lamentação, da tristeza e da vitimização, em vez de trabalhar a aceitação. Mas vejamos com calma: com todas as lacunas que vão aparecendo nas nossas vidas e estando assim mais fragilizados e “vazios” é verdade que nos apegamos a tudo e a todos com mais facilidade.

Existem muitos seres que estando integrados numa família estão cada vez mais sós. Cada vez menos se dialoga, já não telefonamos… apenas mandamos mensagens. Dá mais trabalho, mas nos escusamos de ouvir vozes… somos nós que procuramos o isolamento e tudo isso porque não nos apetece falar e porque estamos apegados aos nossos pensamentos menos positivos, ao que de menos bom nos fizeram passar.

aceitação

Seria bom nunca esquecer uma máxima importante: “Nunca deixes que o dia de ontem ocupe demasiado o dia de hoje”. A insistência em procurar lá fora o que muitas vezes (ou quase sempre) temos bem dentro de nós torna-se também um processo cada vez mais aflitivo e sofredor.

Com o apego, muitas vezes sem darmos conta, instala-se o medo e a resistência, e isso acontece porque se algo não corre bem, desapegar-se do que quer que seja é tudo, menos pacífico. Muitos sentem que este apego lhes faz falta, já não vivem sem ele. Nós não sabemos, infelizmente, viver só no momento presente, no “Aqui e Agora”. É por essa razão que criamos apegos fortes ao passado e projetamos para o futuro.

Cada um deve ter sempre presente que está a criar a sua própria realidade, desde o que faz, pensa, como se alimenta e como gere a sua vida. Da mesma forma que praticamos o apego sem nos darmos conta, também existe uma necessidade imperiosa e urgente de praticarmos o desapego.

Devemos aceitar tudo na vida, o positivo e o negativo. O positivo é fácil de aceitar e arrumar. Vamos comparar o nosso cérebro ao roupeiro lá de casa com gavetas, gavetas essas que gostamos de ver arrumadas. Vamos comparar as situações ou problemas que chegam às nossas vidas a uma peça de roupa que vamos higienizar com o melhor detergente, o melhor amaciador, colocamos a secar, sem uma única nódoa. A seguir vamos engomar, dobrar amorosamente e colocar a nossa peça de roupa perfumada na gaveta.

Quando, ao fim de algum tempo, precisarmos daquela peça, iremos abrir a gaveta e ela correrá lindamente sem ficar presa, o mesmo se passa com o nosso passado quando está devidamente arrumado. Quando alguma situação vem à nossa mente, não será sofredor, uma vez que se aceitou, trabalhando-se o desapego, o deixar ir.

aceitação

Quando deixamos ir as situações, mesmo as mais penosas em amor e carinho, não sofremos quando delas falamos. O desapego foi feito corretamente, ainda aprendemos algo por certo e não haverá gastos desnecessários de energia.

Se, pelo contrário, essa peça de roupa estiver mal lavada, mal engomada e toda enrugada na gaveta, quando tentar abri-la, ela não correrá, talvez até nem se abra, e volta tudo de novo: o sofrimento, ressentimento, arrependimento e, por vezes, a raiva que nos consome por dentro.

Deixo um conselho, que dou sempre aos meus pacientes: aceite, arrume e desapegue! Irá sentir-se por certo mais aliviado! Não sofra mais…

Sobre o autor

Ana Durão

Ana Durão

Mestre em Reiki/ Hipnose Clínica / Xãmanismo Ancestral e Vivencial / Regressão a Vidas Passadas / Libertação de cordas energéticas / Cristaloterapia / Terapia a Crianças Indigo e Cristal (acompanhamento aos pais) / Reflexologia Manual e Podal / Medicina Ayurvédica / Avaliação de Doshas (bioenergias corporais)/Avaliações Bioenergéticas com os elementos Pêndulo e o Aurímetro.

O meu percurso:

Conceito de Saúde

O meu conceito de saúde e bem-estar “desvia-se” do conceito dito normal e convencional. Desde muito pequena que desejava tratar de alguém, dedicar algumas horas do meu dia a alguém ou a muita gente. Este desejo foi crescendo e na minha adolescência tive oportunidade de cuidar das minhas avós que ficaram acamadas, aqui o meu interesse era mais vocacionado para a 3ª idade. Mais tarde percebi que esta vocação era mesmo a minha e tornou-se séria. Ainda na adolescência tirei um curso de socorrismo, a vontade de ajudar era cada vez maior. Comecei pela Estética porém, depressa percebi que cuidados de beleza não eram de todo os cuidados que desejava prestar ao próximo. Passei então para a área da reabilitação física e fisioterapia e aqui percebi que reabilitar e melhorar as condições físicas de alguém era algo que me começava a preencher alguns “espaços intercelulares”. Porém, queria e precisava ainda mais, a nossa medicina convencional trata apenas do corpo e das dores físicas, esquecendo assim as dores emocionais e os estados de alma e espírito, o corpo é assim analisado completamente isolado. Reabilitar alguém fisicamente era a cada dia uma experiência cada vez mais enriquecedora, mas facilmente percebi que o paciente se reabilitava fisicamente mas não emocionalmente, ficando assim sequelas que muitas vezes levam a estados depressivos e apáticos, aqui era já gritante a minha lacuna e espaço em branco. A minha procura por algo mais completo tornou-se assim incessante, até que percebi que o meu caminho e percurso passava pela medicina bioenergética e terapias alternativas. Foi então que me detive sobre o método de tratamento holístico e energético…o Reiki, deixei-me fascinar completamente por esta terapia, fazendo então uma especialização nesta área e beber completamente estes saberes e sentires, aos poucos esta terapia ia-me preenchendo os tais “espaços intercelulares”. Porém, ainda assim e depois de muitas outras formações e especializações em várias áreas das terapias alternativas e do autoconhecimento, continuava a sentir uma pequena lacuna….muito pequena mesmo, no processo e na capacidade de meditação, abstração e interiorização do cliente/paciente. Pois o que se pretende com um corpo que tenhamos nas mãos é que ele “desligue” e serene a mente, para que assim possa ser tratado e “limpo” de toda a negatividade. Percebia assim que os tratamentos através das energias do método reikiano, assim como a aplicação de cristais no corpo físico dos pacientes era um grande passo e avanço para a cura de grandes males. Foi por aqui que percebi que estava já a “roçar” os meandros do corpo/mente/espírito do que pretendia passar quando alguém me procurava…..Comecei então a fazer os meus tratamentos cada vez mais completos estabilizar pacientes com Alzheimer e Parkinson, controlar depressões, fobias, ansiedades, trabalhar desapegos e aceitações, mas principalmente e esta é uma das vertentes mais importantes na minha vida….o não julgamento….Isto para mim tem sido e é divinal. Todos os dias somos aprendizes, e nunca saberemos tudo, quem pensa o contrário, engana-se. É preciso trabalhar árdua e honestamente!

É por tudo isto que para além de continuar a tratar quem me procura, quero também passar o meu conhecimento a quem com ele quer trabalhar na área e cuidar dos seus pacientes.

DADOS DE CONTATO
Email: [email protected]
Telefone: +351 965 724 328
Facebook: Ana Durão
Site: www.efad.pt
tridoshaterapia.wixsite.com/terapeuta-ana-durao
Blog: desenvolvimentopessoalecompanhia.blogspot.com.br
Skype: Ana Durão (live:tridoshaterapia)