Acupuntura Saúde Integral

Acupuntura dói?

Denise Ciciliano
Escrito por Denise Ciciliano
A Medicina Tradicional Chinesa utiliza várias técnicas de tratamento, tais como: auriculoterapia, moxa, ventosa e a acupuntura com agulhas. Algumas pessoas só de pensar em agulhas já ficam tensas, suam frio e associam a algo desagradável e a dor. Por isso, às vezes, deixam de procurar a acupuntura.

Mas acupuntura dói?!

Do ponto de vista fisiológico a dor ocorre devido à ativação de receptores localizados na pele e órgãos. Esse estímulo é levado até o cérebro, onde se torna consciente.

Quanto ao limiar de dor, o ser humano é tão complexo! O que para mim é uma dor insuportável, para outra pessoa pode ser bastante tolerável. Isso pode ser devido a experiências anteriores relacionadas a dor, sensibilidade, fatores psicológicos, emocionais e culturais. Os chineses, por exemplo, têm um limiar de dor muito maior do que os ocidentais.

A agulha de acupuntura é feita de aço cirúrgico inoxidável e tem espessura de um fio de cabelo. A inserção é superficial e é natural que o paciente sinta uma sensação muito rápida e leve da picada.

Ao inserir as agulhas nos pontos de acupuntura selecionados pelo terapeuta, o organismo irá fazer o caminho fisiológico da dor. A princípio, seu organismo só quer se proteger (a dor é um sistema de defesa). Ele não consegue reconhecer inicialmente se trata-se de uma picada de cobra ou uma agulha de acupuntura cuja finalidade é tratar uma patologia.

É comum os pacientes relatarem que sentem uma espécie de choque elétrico que dura alguns segundos após a inserção da agulha. A sensação pode ser local ou irradiada no trajeto do meridiano. Isso é um bom sinal, porque indica a obtenção do ‘De Qi’, ou seja, que a energia que estava estagnada foi desbloqueada. Imagine que é como se fosse um interruptor que ao ser acionado, a luz acende. A obtenção do ‘De Qi’ é parte do tratamento e cabe ao acupunturista esclarecer isso ao paciente.

Portanto, a acupuntura não dói e se o paciente não se sentir confortável com agulhas pode-se lançar mão de outras técnicas da MTC como moxa, ventosa e auriculoterapia.

Sobre o autor

Denise Ciciliano

Denise Ciciliano

Comecei minha vida profissional aos 17 anos como estagiária de secretariado na General Motors, passei por vários departamentos e funções e após 27 anos me desliguei da empresa em novembro de 2011.

Já havia iniciado o curso de acupuntura e em março de 2012 me formei e comecei a atuar com Medicina Chinesa (acupuntura, auriculoterapia, moxa e massagem terapêutica).

Minha formação acadêmica era voltada para a área administrativa e em 2014 iniciei o curso de Fisioterapia pela FMABC, atualmente estou no último ano.

Adoro viajar e conhecer outras culturas, estive na China, EUA, alguns países da Europa, Américas, Índia e viajei por alguns lugares do Brasil também.
Sou budista, praticante de meditação.

Atuei como professora de inglês particular e escola de idiomas. Tenho conhecimento básico de italiano e espanhol.

Formação profissional terapêutica e administrativa:

- Massoterapia – Outubro/2002
- Traditional Chinese Medicine Acupunture & Cosmetology Training Course - WFCMS – Pequim – Setembro/2010
- Formação profissional em Medicina Tradicional Chinesa e Acupuntura – Carga horária 1.200 horas - Instituto Tin San - Centro de Cultura de -
Medicina Tradicional Chinesa – São Bernardo do Campo – concluído Março/2012
- Anatomia do Sistema Locomotor – Maio/2012
- Drenagem Linfática – Novembro/2012
- Auriculoterapia Chinesa – CEATA – Abril/2013
- Aprimoramento em Acupuntura no Tratamento da Dor – Setembro/2013
- Diagnostico da Medicina Tradicional Chinesa – Dezembro/2013
- Bandagens Funcionais – Fevereiro/2015
- Massagem Tui Na – Agosto/2016
- Cursando 4o. ano do curso de Fisioterapia – FMABC – Santo André
- Administração de empresas – 1988
- Comércio Exterior – 1997
- Pós Graduação em Gestão de Negócios Internacionais - 2000