Convivendo

Águas Rasas… aí se esconde o perigo!

Durante nossa caminhada, nos deparamos com momentos difíceis, complicados, problemáticos e que nos exigem muito foco, preparo e dedicação extra. Costumeiramente, dizemos que: lá no fuuuundo travamos batalhas internas… Lá no fundo, mesmo.

Mas e quando o perigo não está lá no fundo, onde você teima não chegar?

E quando você precisa resolver os problemas diários ou aqueles que estão ali no rasinho mesmo?

O filme Águas Rasas, com seu título original The Shallows, conta a história de uma garota texana que após perder a mãe e ver parte do seu mundo desabar, decide largar tudo, a faculdade de medicina, a família e sair em busca de si mesma. Para dar um tempo escolhe uma praia paradisíaca nos arredores mexicanos. Sol, praia, calor, uma prancha de surf e uma mochila contendo ‘tudo’ o que ela poderia necessitar como óculos de sol, frutas, protetor solar, água, celular e seu anseio em desbravar aquelas águas de tonalidade turquesa que lhe dão a sensação de recomeço. De repente, nossa heroína é atacada por um tubarão e resiste bravamente ao ataque, nadando até um recife e, graças a inteligência e sagacidade, neste caso do diretor do filme, ali ela permanece nos quase 160 minutos de duração do filme!

Atriz Blake Lively interpretando o papel de uma garota surfando no mar.

Ali do ‘raso’ ela avista um turista e lhe pede ajuda, mas não é possível. Mais adiante, dois surfistas vão ao seu socorro, mas são atacados mortalmente pelo antagonista. Até que ela inicia a jornada rumo à sua salvação. Em um misto de coragem e instinto de sobrevivência, ela já não pensa se as coisas darão certo ou não, simplesmente decide lutar, perseverar. E é por aí também na vida real, meus estimados: lutamos, descansamos, perseveramos, nos cansamos e aí tocamos adiante, ainda que machucados, desiludidos, duvidando do amanhã… Incerto e surpreendente.

Cansar-se da batalha não é render-se. É também reunir forças enquanto se reconhece os limites. Saber sua posição e o quanto pode arriscar é também inteligente, sobretudo se você tem em mente o firme propósito de não desistir. A mente tranquila pensa melhor, calcula melhor os riscos e não desiste no primeiro obstáculo, porque já detectou falhas durante o percurso e seus entraves até a consagração do êxito.

E você, estimado, aí do raso? As coisas estão difíceis? Quais os seus planos para superar este momento?

Eu te desejo sucesso, vitória e aquele “conta comigo”! Adiante, sempre! Sempre, mesmo!

Você pode gostar de outros artigos dessa autora. Confira também: Adeus! Fui viver e não volto… ao passado.

Sobre o autor

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Sou Claudia Sinibaldi Bento, paulistana, graduada em direito e pós graduada em relações internacionais. Sou defensora dos direitos das mulheres e crianças, tenho colaborado com ONGs de muitas partes do mundo.

Minhas experiências me ensinaram que, mais do que ajudar, você aprende com aqueles que necessitam de ajuda e jamais falar de direitos humanos deve ser um tabu ou um lugar comum.

Não, defender os direitos do outro é primar pela dignidade e conscientização de que uma nação só será igualitária quando todos receberem o mesmo tratamento e forem todos percebidos como seres humanos, porque somos todos entes dotados de deveres e direitos, estas sim, são condições que nos fazem titulares dos direitos à vida, à dignidade, à integridade física e moral e à liberdade.

Email: [email protected]