Filosofia

Bem Comum e Consciência Cidadã

Isso não é problema meu! Tenho que cuidar da minha vida, não posso resolver os problemas do mundo.

Certamente você, em algum momento de sua vida, já se deparou, com pessoas que assumem atitudes de má vontade ou de falta de colaboração para resolução de um problema que está afetando sua vida. Essas pessoas perderam o senso do bem comum, se é que algum dia o tiveram.

Você também deve ter presenciado ou vivenciado situações nas quais você foi subestimado(a), desrespeitado(a), agredido(a). É possível que você tenha retrucado: “Por favor, me respeite, eu sou um(a) ‘cidadã (o) de bem’”. Ou ainda: “Fulano, você não pode tratá-lo(a) dessa maneira, ele(a) é um(a) cidadã(o) de bem”.

Eu passei muitas vezes por várias situações dessas, a maioria delas no serviço público. Vamos refletir um pouco sobre isso?

O que podemos entender pela expressão “cidadão ou cidadã de bem”, considerando a sua utilização no cotidiano de nossas vidas? Habitualmente, utilizamos essa expressão quando nos referimos a uma pessoa de bom comportamento, isto é, que nunca cometeu um ato ilegal ou, ainda, uma pessoa trabalhadora, pacífica, que cumpre seus deveres no convívio em sociedade. Esse é um conceito próprio do senso comum.

Vamos aprofundar um pouco essa visão? O que é o bem, do ponto de vista da ética, ou seja, do campo da filosofia que tem como objeto os princípios e valores que orientam a ação humana?

Se procuramos na história da filosofia, desde a filosofia clássica até a contemporânea, encontraremos vários pensadores que elaboraram importantes reflexões sobre esse tema. Destaco aqui o filósofo Immanuel Kant (1724-1804) que situa a questão do bem e do mal no plano da razão pura. Para ele, a razão orienta o homem a agir de acordo com a lei moral, não de acordo com suas inclinações ou interesses individuais. Nesse sentido, o cumprimento do dever moral encerra uma profunda tensão entre nossos desejos pessoais e o que devemos fazer por respeito à lei moral. Assim sendo, a bondade humana é o resultado do agir virtuoso do homem, uma vez que dele exige esforço (vontade) e coragem para fazer valer a lei moral que obriga sua consciência a agir de forma correta. Nesse exercício de ação virtuosa, cada pessoa forma a sua consciência cidadã e cumpre o fim a que se destina porque, ao superar seu egoísmo, desenvolve a sua humanidade e reconhece a humanidade de seu semelhante.

Homem asiático de idade sorrindo e dando um joinha para a foto
DragonImages / Canva

Seguindo a mesma linha de raciocínio que estamos desenvolvendo até aqui, vamos aprofundar um pouco mais a ideia de bem, analisando a expressão “bem comum”. A palavra “comum” não tem aqui o significado de algo que é usual ou habitual. Refere-se a uma situação que ultrapassa a nossa individualidade, que nos coloca numa interação recíproca com outras pessoas. O bem comum, portanto, requer de cada indivíduo um esforço ainda maior para superar a tensão entre seu eu individual e o eu coletivo, uma vez que aqui se trata da coexistência de seres humanos com direitos e autonomia.

A esse respeito Kant afirma:

Age de tal maneira que uses a humanidade, tanto na tua pessoa como na pessoa de qualquer outro, sempre e simultaneamente como fim e nunca como meio.”

Essa afirmação kantiana deixa claro que a obediência à lei moral possibilita o respeito à dignidade da pessoa humana, ou seja, nenhum indivíduo deve tratar seu semelhante como coisa ou meio para a realização de seus desejos ou interesses próprios, manipulando-o ou coagindo-o a seguir sua vontade egoísta, inescrupulosa ou interesseira.

Tomando como referência os pressupostos éticos da moral kantiana aqui apresentados, chegamos a um ponto extremamente delicado: como poderemos enfrentar o desafio de sermos e permanecermos “cidadãos e cidadãs de bem” num mundo onde predominam os interesses privados e a desvalorização do bem comum? De que forma poderemos transformar a nossa prática cotidiana, meramente individualista, na perspectiva do bem-estar de todos? Em outras palavras, o que faremos para cumprir o dever moral de nos tornarmos verdadeiramente humanos? Um desafio e tanto, você concorda comigo, meu caro leitor?

Você também pode gostar:

Kant nos orienta de forma magistral a enfrentarmos tal desafio. Cada pessoa deve exercitar, cotidianamente, em qualquer circunstância ou contexto, a sua “boa vontade”. Parece simples, mas não é. Sabe por quê? Justamente pelo fato de sermos humanos e, como tal, nem sempre dominarmos nossos instintos, impulsos, desejos e interesses. Por isso, muitas vezes não fazemos o que devemos. O ideal do homem virtuoso proposto pelo filósofo Kant exige a prática ininterrupta da consciência esclarecida pela razão, da autocrítica e da boa vontade, principalmente quando se trata do bem comum.

Então, o que podemos fazer? Penso que devemos ficar juntos, ou melhor, unidos pelo ideal da humanidade. Você pode achar tudo isso utópico, mas se realmente quisermos ser cidadãos ou cidadãs de bem, precisamos, em primeiro lugar, ter clareza dos fins e deveres morais que motivam a nossa vontade a agir de forma correta. Depois e sempre, cultivar a boa vontade, a cada dia de nossa vida e em qualquer circunstância, a tal ponto que o nosso bem represente o bem supremo, que é o bem de todos.

Concluo com uma provocação kantiana: “Um ser humano tem o dever de erguer-se da tosca condição de sua natureza, de sua animalidade cada vez mais rumo à humanidade (…) tem o dever de reduzir sua ignorância por meio da instrução e corrigir seus erros (…) um ser humano tem o dever de conduzir o cultivo de sua vontade à mais pura disposição virtuosa (…) esta disposição é perfeição interior moralmente prática.”

Sobre o autor

Conceição Castelo Branco

Sou formada em filosofia e pedagogia. Na verdade, sou uma eterna aprendiz que, aprendendo, também ensina. Sou uma educadora em construção. Nesse processo, descobri meus talentos. Ensinar e aprender foi um deles. Trabalhei com crianças como professora alfabetizadora. Tarefa difícil e desafiadora, mas também apaixonante. Trabalhei com adolescentes e jovens de escolas públicas e particulares de ensino fundamental e médio, realidades completamente diferentes, com desafios complexos. Nesse contexto, atuei como arte-educadora, vivência que me enriqueceu extraordinariamente. Trabalhei, enfim, com jovens e adultos na universidade pública, onde pratiquei o exercício da reflexão e da crítica com maior profundidade.

Durante algum tempo, prestei serviços na Secretaria Estadual de Educação, na área de currículo, planejamento educacional e formação de profissionais de educação. Constatei que, sem a experiência do magistério, o meu trabalho jamais teria repercussão no chão da escola. Fui consultora do Ministério de Educação em alguns trabalhos, entre eles na elaboração dos Planos Municipais de Educação do Piauí. Atuei também como conselheira estadual de educação, função que exige muito estudo e conhecimento da realidade.

Em dado momento de minha carreira, resolvi escrever um livro, no qual abordei os problemas e desafios de quem assume o magistério com compromisso e responsabilidade. Seu título: "Professor, sai da caverna". Foi publicado pela editora da UFPI. Paralelamente a essas atividades, fiz o curso de instrutora de Yoga, cuja prática mantenho até o momento em que vivo. Tenho outros projetos: escrever um outro livro (dessa vez com a participação de alunos) e trabalhar Yoga com crianças de uma escola municipal da periferia de Teresina, cidade onde moro. Talvez eu continue a sonhar até o fim da vida, porque, no fundo, sei quem sou e para que estou nesse mundo.

Contato:
Email: ceicacb@hotmail.com