Alimentação consciente Comportamento

Causas de gordura no fígado

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Apesar de parecer algo não tão comum, estima-se que de 20% a 30% da população mundial sofre com esteatose hepática alcoólica e não alcoólica – popularmente conhecida como gordura no fígado –, segundo a Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH). A esteatose pode acometer tanto homens como mulheres de todas as idades. Entre os problemas que ela pode causar, estão a alteração de tamanho e a cor amarelada do fígado.

Você também pode gostar de:

A esteatose hepática alcoólica é uma doença em consequência da quantidade exagerada de bebidas alcoólicas no organismo. Já a esteatose não alcoólica pode ser causada por diabetes, má nutrição, perda brusca de peso, gravidez, cirurgias e sedentarismo.

Pressão alta, resistência à insulina, níveis elevados de colesterol e triglicérides e obesidade abdominal também podem evoluir para o surgimento de gordura no fígado. Caso não sejam controlados os fatores de risco, a esteatose pode evoluir para esteopatite, o que pode acarretar doenças graves como cirrose e câncer.

Gordura no Figado

Em grande parte, a doença está diretamente ligada a hábitos alimentares e de vida pouco saudáveis – como, por exemplo, o consumo exagerado de gordura e carboidratos, a falta de prática de atividades físicas, desnutrição causada pela carência de proteínas na alimentação, entre outros fatores.

Algumas pessoas podem desenvolver a esteatose em eventos como pós-operatórios, ou até mesmo pelo consumo excessivo de medicamentos como betametasona, ciclesonida, glicocorticoides, estrogênios, tamoxifeno ou amiodarona. Normalmente não aparecem sintomas, muitas vezes o diagnóstico surge durante exames de rotina. Quando não tratada em fase inicial, a esteatose hepática pode apresentar má digestão, cansaço frequente, perda de apetite e inchaço na barriga.

Para evitar o desenvolvimento dessa doença, é importante mudar os hábitos alimentares e, principalmente, investir em ações mais saudáveis para o dia a dia. O passo mais importante para salvar o fígado é a dieta. Inclua frutas e vegetais nas refeições e evite o consumo exagerado de açúcares e carboidratos.

Gordura no Fígado

A recomendação da professora Helma Pinchemel Cotrim, titular de Gastroenterologia e Hepatologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e líder de pesquisas relacionadas à doença na universidade, é que todos os pacientes reduzam em até 7% a gordura do corpo.

Para isso, devem investir em alimentos ricos em colina e betaína (como beterraba, espinafre, ovo e soja), fontes de fibras (como cereais, hortaliças, leguminosas como feijões, lentilha, grão-de-bico). Todos esses alimentos são facilmente encontrados e podem ser incluídos aos poucos na alimentação.

Além disso, é importante unir a dieta à prática de atividades físicas, para ajudar manter o corpo saudável. Uma excelente dica é realizar caminhadas diariamente. Mas vale ressaltar que é preciso passar por uma avaliação médica antes de iniciar qualquer atividade. Uma boa alimentação e a prática de exercícios podem ser decisivas na redução e controle da esteatose, ou mesmo evitar que ela se desenvolva. Mas, acima de tudo, são a chave para que qualquer pessoa tenha mais qualidade de vida.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]