Saúde Integral

Como perceber, sentir e saber que seu metabolismo está cansado?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Quando o final de semana se aproxima ou ainda quando temporadas de festas se aproximam, é bem comum às pessoas ultrapassarem os limites gastronômicos. E isso diz respeito tanto à bebida quanto à comida. Vamos a um compromisso e quando deparamos com uma comida deliciosa fica difícil se servir somente com a quantidade realmente necessária. Assim, acabamos abusando e colocando “o pé na jaca”.

Depois de feito isso, surge aquela sensação de que não precisávamos ter comido tanta sobremesa ou que não era necessário ter se servido mais uma vez. Porém é difícil se segurar naquele momento. Mesmo que a gente saiba das consequências, esse é um ato que se repete. Muitas vezes, não se repete apenas em temporadas de festas, como Natal, Ano Novo e aniversário. Alguns repetem a síndrome do metabolismo cansado quase todo o dia, mas o grande erro é que não se dão conta do tamanho do problema. E você sabe como perceber e sentir quando seu metabolismo está cansado?

Atitudes erradas

Muita gente tem a impressão e a sensação de que, quando precisa fazer algo que gasta bastante energia, basta comer um salgado processado, beber um refrigerante artificial ou comer um doce. Por muito tempo se acreditou que nestes alimentos estavam a energia que o nosso corpo precisava. Só que não, muito pelo contrário.

Optando por este tipo de alimento, você está apenas acelerando a síndrome do metabolismo cansado.

Você já percebeu que na hora até fica mais atento, mas basta passar algumas horas para você perceber que está cansado e muito pior do que antes? O que acontece? São atitudes erradas.

E após as atitudes erradas, quando nos sentimos fracos ou mal, recorremos aos remédios. E, claro, eles nos ajudam temporariamente, mas não são suficiente. Após o ocorrido, nem nos damos conta de que estamos num ciclo que está adoecendo nosso metabolismo e nos envelhecendo. Mas como sair desse circulo vicioso?

Não tenha vergonha

Eu sei que no fundo você pode estar envergonhado de sua atitude ou pode ter consciência de que não está fazendo bem ao seu corpo, o seu templo sagrado. Sei também que dar o primeiro passo é um desafio. Mas o que fazemos quando não nos sentimos bem? Queremos a mudança!

E ela sempre vai se iniciar a partir de nós, nunca a partir dos outros. Dizem que o corpo é considerado o nosso templo sagrado, mas o que vemos é que não respeitamos esse templo. Exageramos na comida, na bebida e estamos constantemente indispostos.

Vou ressaltar que nenhuma mudança radical é bem-vinda. O primeiro passo começa na sua consciência e depois não se esqueça de pedir ajuda, não tendo vergonha. Sair desse ciclo vicioso exige muita força interna e é preciso ainda lidar com questões externas, que talvez não consigamos superar sozinhos. Por isso, contar com ajuda de muitos pode contribuir.

Não tenha vergonha, mesmo você que faz alguma atividade física, mas durante os finais de semana não consegue se controlar e toma até “porres” de bebida. Não estou aqui questionando o que é certo ou errado, mas qualquer mudança começa com a observação de nossos hábitos. Somente depois é possível mudar.

Se você sente constantemente seu corpo cansado ou se é afetado por dores, doenças ou mal-estar, acredite: algo não está bem. Seja a sua alimentação ou até seus pensamentos. Peça ajuda e comece a dar esperança para você parar de acelerar o seu metabolismo e acelerar o seu bem-estar! Boa sorte e bem vinda a essa jornada!


Texto escrito por Angélica Fabiane Weise da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]