Autoconhecimento Convivendo

Como superar o senso de inferioridade

Amanda Magliaro
Escrito por Amanda Magliaro
Alguma vez você já sentiu que não era o suficiente? Achou que outra pessoa era melhor ou que você não era capaz de alcançar alguma meta que traçou? Pois bem, todos passamos por isso na vida, se não passou, ainda passará e se já passou, deve ter superado, mas caso ainda vá passar ou tem passado muito por isso, saiba que há algumas coisas que você precisa saber para finalmente superar esse sentimento de inferioridade e ficar livre para correr atrás do que quiser.

Lembre-se que todos somos diferentes

Todos temos as nossas qualidades e defeitos. Como diria Matthew Kelly em seu livro The Rhythm of Life: Living Everyday with Passion and Purpose: “Todo mundo é um gênio. Mas se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ele vai gastar toda a sua vida acreditando que é estúpido.” Por isso, entenda que alguns serão melhores que você em uma coisa, mas você será melhor que eles em outras. E, principalmente, de forma alguma tente imitar alguém. Atuar é bom só no teatro, na vida temos que aprender a arte de viver mesmo.

É você quem escolhe as suas metas

Eis um motivo que justifica a importância do autoconhecimento: conhecer as nossas potencialidades e os nossos limites. Não adianta querer ter uma bunda de modelo de passarela se o seu tipo físico faz jus ao DNA brasileiro. Não adianta querer comprar uma casa igual do Mark Zuckerberg amanhã, se você ainda recebe o salário de um estagiário. Pense no que você consegue fazer, em como pode melhorar e o que deseja alcançar com isso, mas nunca se esqueça de respeitar quem você realmente é ou o seu estado atual.

Lutar pelo que quer não é sinônimo de sofrimento

Quando nos esforçamos para conseguir algo, é natural que encontremos dificuldades e as superemos, porém isso não significa ter que sofrer. Se o seu objetivo tem te causado sofrimento, talvez seja melhor repensar e tentar entender se esse sentimento é devido à dispersão ou se é porque algo não está correspondendo às suas expectativas.

Não se sinta assim

Esse é o último passo e pode parecer ridículo, mas a verdade é que só você pode se permitir se sentir assim. Quem está de bem com a vida, pode aparecer até a mãe falando: “Você não é bom o suficiente”, que a pessoa não se deixará abalar. Afinal, ela sabe que pode e que é capaz. Portanto, nunca se esqueça que habilidades nós aprimoramos, já o ser humano… Esse vive em constante desenvolvimento.

Sobre o autor

Amanda Magliaro

Amanda Magliaro

Redatora e tradutora, me apaixonei pela vida desde que aprendi a enxergar tudo o que ela tem para oferecer. Existem aquelas pessoas que nunca conseguiram encontrar seu caminho, até o próprio caminho decidir ir ao seu encontro, eu fui uma delas.

Num mundo cheio de possibilidades, escolhi acolher todas quando comecei a escrever. A busca por ser alguém melhor e mais feliz, e a chance de poder auxiliar uma pessoa que seja através da magia das palavras é o que significa para mim ter meu sonho se realizando todos os dias.