Autoconhecimento Comportamento

Como você sente o amor?

Folha de sulfite branca com um coração vermelho desenhado por giz de cera. Em cima da folha há um giz de cera vermelho. Ambos colocados em cima de uma mesa de madeira, ao lado há uma caixa de giz de cera de diversas cores.
Gabriela Philippsen
Escrito por Gabriela Philippsen
Eu adoro ler e escrever, mas às vezes as ideias ficam confusas e a inspiração não vem…

Estes dias me encontrei nesta situação: Word aberto e nenhuma palavra! Então resolvi pedir uma sugestão para o meu companheiro de jornada, e ele de pronto me respondeu: escreve sobre nós! Na hora confesso que ri um pouco e não dei atenção à sua sugestão, mas isso ficou martelando na minha cabeça, como assim escrever sobre nós? Foi aí que percebi que não era para eu contar uma história bonita sobre um casal, era para eu falar sobre o sentimento mais nobre de todos: o amor.

Dizem que só se conhece o amor quando nos tornamos mães ou pais. Eu ainda não conheço esse amor, por isso me arrisco a discordar. A meu ver, existem muitas formas de amor e cada uma delas é especial.

Acho que o amor começa no nosso primeiro suspiro, quando chegamos ao mundo e nos agarramos no seio que nos alimenta. Esse é um amor que nasce com a gente, o que sentimos pelos nossos pais, irmãos, avós… enfim, por aqueles que são nossa família consanguínea.

Amor de mãe e filho

Talvez o amor mais difícil de sentir seja o amor-próprio. É incrível como somos capazes de amar pessoas, animais, comidas, lugares e músicas… e o nosso próprio amor custamos a deixar fluir. Creio que o amor-próprio está muito relacionado à aceitação, e que quando entendemos que somos seres únicos e especiais, que temos tudo o que precisamos guardado na nossa essência, fica mais fácil começar a se amar. Não temos que nos ligar à aparência, não temos que nos amar porque a barriga está magrinha ou porque o bumbum está firme… amamo-nos por aquilo que SOMOS, aceitamo-nos na nossa perfeita “imperfeição”.

Olhe-se no espelho hoje e repita: eu te amo, eu me amo. Eu sou tudo aquilo que preciso.

Todo o amor que está dentro de ti, por ti irá refletir naqueles que te cercam.

Você também pode gostar de:

A partir do momento que esse amor caloroso invade o nosso peito, fica muito mais simples amar o outro, sem julgamentos, sem ver cor, credo ou conta bancária… o amor, com toda a sua pureza, enxerga a ternura, o sorriso, a sensibilidade e o brilho no olho…

Mulher praticando yoga

Eu, com ajuda da yoga e da meditação, aprendi a me amar de forma suave, lenta e gradual, a cada novo amanhecer, agradeço por ser quem eu sou e busco me amar ainda mais. Quando me flagrei neste processo de aprender a me aceitar e, consequentemente, me amar, encontrei uma pessoa para compartilhar este amor e conhecer um amor novo: aquele que se constrói e se fortalece diariamente, que a cada dia se torna mais terno, que traz alegria e vontade, que faz planos, conversa, ensina e aprende. Com todo este amor, posso afirmar que me sinto muito feliz… amo minha família, amo meu companheiro, amo também a minha vida, as pessoas que me cercam, os locais que habito e as atividades que faço. Gratidão.

No meio de tanta turbulência que existe no nosso dia a dia, precisamos reservar um tempo para sentir o amor, seja ele da forma que for, por quem for… apenas ame.

Pessoas se abraçando

O amor cura, transforma, educa e ensina. Nos traz alegria, realização, paciência e vontade de sermos melhores a cada dia. Esse sentimento nos permite ver o mundo com outro olhar, nos faz ver o belo em tudo, e de forma racional. Quando amamos, somos capazes de transformar as coisas ruins em instrumentos de evolução, somos capazes de ver as cores em meio à neblina, de manter o peito aquecido no frio mais rigoroso.

Eu sei que todas as pessoas são repletas de amor no seu coração, basta deixá-lo brotar sem freio nem preconceito, mas sim com muita aceitação. Acredite, quando isso acontecer, uma nova forma de ver a vida e aqueles que te cercam começará e você será ainda mais feliz!

Ame-se, tolere-se, aceite-se… seja feliz!

Sobre o autor

Gabriela Philippsen

Gabriela Philippsen

Sou bióloga de formação, professora de coração e praticante de yoga com paixão. Em 2011 iniciei minha jornada no universo da yoga, em 2016 fiz um curso de reiki para me conectar ainda mais com as energias de luz, amor e gratidão.

Acredito que é possível transformarmos o local em que vivemos por meio da prática de yoga e troca de energias.

Vejo a disseminação de boas ideias e conhecimento como uma grande oportunidade de nos conectarmos cada vez mais, formando uma grande corrente em busca de um mesmo propósito: um mundo de paz, amor, compaixão e respeito.

Facebook: Gabriela Philippsen
Instagram: @gabihathayoga
E-mail: [email protected]