Autoconhecimento Convivendo

Contemplação

Diante da fragilidade humana
Às margens da própria mortalidade
Somos levados a refletir
Nossa própria história
Somos criaturas amorosas
Por vezes, horrorosas
Seríamos, talvez
O resultado despretensioso da mãe natureza
De exceder a si mesma?
Ou seguimos sua ordem imperceptível?
Como nos enxergamos em tão importante momento da nossa existência?

Pessoa sentada em pedra no mar, olhando para o pôr do sol.
Pixels/Keegan Houser

Viver é instabilidade constante
Lançar-se numa viagem ao desconhecido
Sem rumo preciso
Sem velas, em naus
Na busca da felicidade
Que todos anseiam, sem exceção
Todas as pessoas que conhecemos
Possuem desejos em comum
Outras, bem mais complexos
Sede de amor e afeto
E, o mesmo vazio insondável
No peito
Que nada parece abrandar
O instinto em comum

Você também pode gostar

O medo da morte
Impreterível destino final
Que a sábia sensatez
Resolve ignorar
E nos remete ao apego
Com todo o amor
Que carregamos no coração
Esquecemos, saudavelmente
E, portanto, nos permitimos
Usufruir o bom da vida
Conforme as possibilidades
Tendo guardada a consciência
De que tudo pode acabar
Num piscar de olhos.

Umedecidos de lágrimas
Ao recordar essa realidade
Estes mesmos olhos
Sempre atentos a tudo
Despercebem-se aos encantosPerdendo-se ao contemplarem o azul do céu
Com aquele aperto no peito
De uma incompreensível saudade
E uma profunda respiração
Traz-nos alívio
E tudo isso passa
Cada vez mais
Nos vinculando a esta vida
Ahhh …

Mulher apoiando mão em janela, com sua cabeça encostada na mão, e olhando para fora.
Pexels/Juan Pablo Serrano Arenas

A vida tão frágil e fugaz
Abaixo desse infinito e hipnotizante azul
Enchendo de ar, meus pulmões
Percebo-me vivente
Atuante, pensante
Muito mais que deveria
Muito mais que, pensada
A vida há de ser degustada
No tempero da água salgada destes mares
Inspirada da maresia
Com gaivotas bailantes
Sob o Sol tocando o horizonte

Em fim de tarde
Onde todas as incertezas
Desaparecem diante de tal beleza
E nossas fragilidades
Perdem todo o sentido
Nesta doce contemplação
De que, por vezes, esquecemos
Fazer parte
Nessa incompletude
Na imperfeição
Na complexidade
Que é uma existência
Uma vida
Em suas infinitas formas.

Sobre o autor

Carlos de Campos

Carlos de Campos nasceu em Biritiba Mirim, São Paulo, em 1980. Apaixonado por Poetrix. Em 2017, começou a escrever seus versos nas redes sociais, expressando-se de maneira profunda em reflexões e observações sobre a condição humana, entre outras; analisando sua organização, atuação e intempéries emocionais de forma leve, porém concisa e incisiva. Não se deixando condicionar por padrões, investigando atentamente os recônditos mais conflitantes da existência e expressando-os poeticamente por meio do seu minucioso olhar.

Como humanidade, neste momento, passamos pela História; somos parte dela e enfrentamos mais este desafio que nos coloca diante de nossos maiores medos. Como já disse um poeta: “O medo cega os nossos sonhos”. E sonhos são carregados de sentimentos, desejos de realizações. Nestes tempos, sonhemos! O medo é natural, porque ele protege a vida, mas o sonho a impulsiona. O amor, a beleza, a arte, a música e a poesia são tudo o que move o sonho humano. Convidamos todos a manterem o foco em seus sonhos e esquecerem seus medos. Mergulhar numa boa leitura em vez de ligar a TV nos noticiários. Ouvir uma boa música, contemplar uma linda paisagem e uma arte. Respirar fundo e alcançar a certeza de que tudo isso passará, para que os nossos sonhos se realizem. Cuidem-se, também, interiormente. Resistiremos com poesia no coração.

Contatos:
Email: propolispoemas@gmail.com
Facebook: mensagemcompoesia
Instagram: @mensagemcompoesia21