Convivendo

Coronavírus, pandemia e um convite para a cura

Mulher segurando álcool em gel
Kelly Sikkema/Unsplash
Carlos Bruno Freire
Escrito por Carlos Bruno Freire

Por amor, medo, prudência ou qualquer outro motivo, estamos todos, de alguma forma, perplexos, assustados e gratos à China, à Europa, aos Estados Unidos e tantos outros. Pela dor trazida com a situação que cada um atravessa, temos recebido informações preciosas para manter a vida aqui do outro lado.

Graças ao que estamos vivendo, podemos prestar atenção a eventos que, por vezes, na correria do dia a dia, acabam sendo automatizados. Quando em caso de despressurização, máscaras de oxigênio caem automaticamente em frente aos seus lugares, a orientação é que você faça o ajuste primeiro em você e então fique pronto para auxiliar alguém que, por ventura, precise. Ao cuidar de você, todos estarão sendo cuidados.

Mulher ao lado de uma janela olhando para o lado de fora usando uma máscara de proteção
123RF

Chega um tempo de amor maior, de mais gentileza, cuidado e valorização da vida. Quando será que começou? Cuidar é também sinônimo de liberdade, de disponibilidade, de continuação. Nós — eu, você e o mundo — estávamos, realmente, acelerados. O que seguíamos vivendo de forma um tanto inconsciente, o vírus nos convida a perceber de outra forma. Filhos carentes de pais, casais sem tempo para se olhar, pessoas jovens indisponíveis para os mais velhos.

Sim, é verdade, uma doença chegou impondo ao mundo uma pausa. Veio de forma abrupta nos fazendo pensar se faz sentido viver no ritmo trazido, também, pelo avanço da tecnologia que, neste momento, tem sido uma aliada valiosa no cenário de isolamento. O rabino Nilton Bonder certa vez escreveu: “Nossos domingos precisam de feriados.” Faz parte do planeta, da natureza humana, a necessidade natural da “PAUSA”. A noite é pausa, o inverno é pausa, a doença é pausa. A música precisa da pausa.

Família sentada no sofá da sala com cachorro em sua frente e um  gato no colo do homem
Sarandy Wstafall/Unsplash

Quem poderia pensar sobre o Coronavírus como PAUSA. Coronavírus é PAUSA. PAUSA é a palavra! O convite é resgatar algo que é nosso. Olhar para a vida assim é natural, saudável, é bom. Durante essa pausa, temos a chance de viver em família, usufruir de momentos de cuidados com carinho, comida caseira, filme com pipoca em casa; temos a chance, cada vez mais escassa, de olhar para dentro de nós. Quem diria que ficar parado pudesse ser uma decisão que salvaria vidas? Quem imaginou que, em um mundo acelerado, a pausa seria a melhor solução?

Temos um tempo precioso para refletir sobre o que é essencial. Sobre o que tem ocupado nosso tempo. Bonder, novamente, nos lembra o adágio popular: “Quem tem tempo não é sério, quem não tem tempo é importante.” Sócrates, por sua vez, dizia: “Cuidado com a esterilidade de uma vida ocupada demais.” Corre-se tanto para “TUDO funcionar”. Vinte e quatro horas por dia parecem pouco. Temos que estar fazendo algo. Precisamos estar ocupados.

Mulher em um quarto escuro olhando para janela triste
Shane/Unsplash

O Coronavírus nos impõe o descanso. Temos que parar de correr!

Se ousarmos olhar além, muito além, o Sr. Coronavírus, do jeito dele, nos devolve a vida, a pausa, o resgate do que de fato importa. Pausa é carinho, é uma dádiva do momento real. Desconforto, ansiedade, tensão, estresse, preocupação são anúncios do mundo gritando por PAUSA! Isso sem falar em outro clamor mundial: A PRESENÇA. De que adianta correr tanto pelo futuro, se nossa PRESENÇA é insuficiente? Coronavírus nos leva a olhar para o quanto nossa “PRESENÇA tem sido INSUFICIENTE”.

Coronavírus traz essa lição de forma prática, como fazer, como vivenciar essa PAUSA. Nosso desafio é encontrar o caminho do descanso nesses momentos de dor. O Coronavírus é o convite que nos pede humildade e um retorno urgente vital a todos nós. Cada um do seu jeito. Por você e para todos! Descansem, acolham os seus sentimentos, cuidem do que de fato importa e mergulhem na pausa trazida por um mensageiro um pouco diferente.

Você também pode gostar

Ah, deixo aqui um pensamento recorrente: “Tanto na política como na vida, a ignorância não é uma virtude.”

Tratem bem os seus pensamentos!

Sobre o autor

Carlos Bruno Freire

Carlos Bruno Freire

Há 14 anos atrás um processo de transformação consciente tomou forma em minha vida. Atravessava um momento desafiador nessa época e muitos dos caminhos que eu percebia possíveis me levavam para lugares ainda piores.

Eis que me veio um pensamento: se eu partir do pressuposto de que sei exatamente o que fazer, não abro espaço dentro de mim para novas possibilidades.

Então, antes de dormir, em minhas conversas com uma inteligência superior, eu disse que não sabia de mais nada e pedi que um caminho me fosse mostrado. No dia seguinte, acordo e pego meu celular para verificar mensagens, como de costume.

Eis que surge um convite de uma prima com quem eu não falava fazia um tempo dizendo que participaria de uma vivência chamada O CAMINHO DO AMOR.

Oi? Como é mesmo o nome? Eu durmo pedindo uma direção e acordo com um caminho que aponta para o amor? Foi quando o recomeço se deu e o processo de ressignificação começa.

De lá pra cá, cursos, treinamentos, vivências, imersões. E neste movimento todo sigo recolhendo ferramentas e desenvolvendo habilidades que me levam para outros níveis.

Constelação, PNL, Coaching, Eneagrama, Thetahealing, Deeksha, Renascimento.

Hoje eu consigo integrar todas essas competências em processos mais completos, em que o único objetivo é auxiliar o maior número de pessoas em seu processo de desenvolvimento humano e evolução espiritual, de forma integral e sistêmica.

A missão é impactar a vida de toda e qualquer pessoa e possibilitar que cada uma delas consiga atingir o nível mais elevado em todos os setores da própria vida.

Contatos:
Email: [email protected]
Facebook:
Carlos Bruno Freire

Instagram: @carlosbrunofreire