Convivendo

Crises Esquecidas: Ajuda humanitária para quem sempre necessita

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Normalmente nossos olhares e atenção são para as crises que a mídia nos mostra ou nos faz lembrar a todo o momento. Mas nem sempre ficamos sabendo ou logo nos esquecemos daquelas crises deixadas de lado, que estão ocorrendo, que precisariam de mais olhares, atenção e, sobretudo ajuda.

Desta forma, o Médicos Sem Fronteiras, que é uma organização humanitária internacional que oferece ajuda médica para diversas populações com problemas de saúde, lançou o ‘crises esquecidas’ já há algum tempo que é para chamar a atenção das pessoas desde a violência no Sudão do Sul e na Nigéria, com o surto de sarampo na República Democrática do Congo até os conflitos armados que duram anos na Síria e meses no Iêmen.

O que seriam as crises esquecidas?

O que tem em comum os massacres da República Centro-Africana e a epidemia de meningite que atinge crianças no Niger? Talvez seja o esquecimento da mídia em relação a tantas pessoas que estão sofrendo por anos, seja por uma doença ou guerra e que a mídia não mostra, ou seja, é uma crise esquecida.

Muitas pessoas morrendo e sofrendo de forma calada, sem serem vistas ou lembradas. Suas dores são sufocadas pelo silêncio de uma mídia que insiste mostrar aquilo que lhes interessa, como se o alerta do sofrimento de um país pobre, uma nação entre guerra não lhe interessasse.

Os Médicos Sem Fronteiras fazem um trabalho importante neste campo e quer que a população tenha conhecimentos sobre países que talvez nunca ouvissem falar. São conflitos armados, surto de sarampo, violência que estão longe dos holofotes. Justamente por isso foi a lançada a campanha para alertar as pessoas sobre as crises que estão longe dos holofotes.

Ajuda sempre é bem vinda

Em 2014, o Fundo Central das Nações Unidas de Resposta de Emergência (CERF) disponibilizou 86 milhões de dólares para ajuda humanitária de organizações. Este dinheiro foi comemorado pelas instituições, pois foi importante para ajudar as crises mais esquecidas, que ficaram de lado.

Entre algumas das crises esquecidas que foram contempladas com esse dinheiro para ajudar nos princípios básicos estão: o Mali que teve impactos da violência entre comunidades que deixou muitos deslocados em 2012 e por isso recebeu 11,5 milhões de dólares.

Para as agências da ONU no Mianmar foram outros 5,5 milhões de dólares para auxiliar nas operações nos estados de Kachin e Rakhine, onde milhares de famílias afetadas pelos conflitos e pelo deslocamento e ainda precisam de ajuda.

Arrecadações mais que justas

Até agora CERF destinou mais de 3,2 bilhões para diversas agências humanitárias que atuam em mais de 88 países e territórios. Somente no ano 2013, foi destinado 482 milhões de dólares, dinheiro este que ajudou no trabalho humanitário em relação a conflitos, doenças e guerras.

Toda essa ajuda é sempre bem-vinda. Para colaborar  você  pode entrar no site dos Médicos sem Fronteiras e ir à página da doação! Sua ajuda pode salvar vidas.

Quer participar da campanha? Compartilhe a hashtag #CrisesEsquecidas em suas redes sociais, juntamente com as imagens disponibilizadas no Facebook Médicos sem Fronteiras. Faça a sua parte!


  • Texto escrito por Angélica Weise da Equipe Eu Sem Fronteiras

*Imagens creditadas ao Médicos Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]