Danças

Danças Circulares: um caminho em felicidade (parte 1)

Mulheres sorrindo e dançando em círculo
Viktor Gladkov / Canva
Escrito por Carolina Rodrigues

Sempre me intimidei diante dos círculos: sentia-me exposta, insegura, vazia para contribuições. Um dia descobri que em círculo poderia dançar em unidade com outras pessoas, todos iguais em suas diferenças, todos juntos, todos um. Senti-me acolhida, então. Poderia me colocar, apoiada a outras mãos. Doando e recebendo a energia emanada dos corações. Passos simples que repetimos, repetimos, repetimos, até nos esquecermos de pensar. Quando isso acontece tornamo-nos a própria dança, compreendemos a nossa dimensão divina, percebemos que dançar é um jeito de ser, sentir, compartilhar, viver! De criar a si mesmo. Cocriar. Vivemos na dança a metáfora perfeita da vida: ciclos que se encerram, ciclos que se iniciam, ora com um par, ora com outro, ora sozinhos… Quantas pessoas passam por nossa vida e retornam? Se não voltam, sabemos que estamos ligados a elas de alguma forma: pela corrente circular que se forma, sempre amparados.

Caminhamos para a frente, lembramos o passado, mas vivemos sempre o agora. Buscando sempre o equilíbrio, balançando para cá e para lá…

Sabendo que só nós podemos dançar nosso caminho. Cada um tem sua própria dança, sua própria expressão numa dança maior, a dança do Universo, que nos mostra a essência em comum, a mesma fonte.

No centro da roda, essa lembrança, foco e referência. Saberemos sempre de onde viemos e para onde iremos, basta estarmos atentos e nos entregarmos ao movimento.

Quando danço em roda, fico tão alegre, tão alegre! Tão presente, tão contente,

É um entusiasmo que reverbera por dias e dias no meu corpo.

Quando danço em roda me sinto integrada a tudo. Sou universo.

Entusiasmo! Um em Deus. Quando danço em roda me educo e me curo na medida em que me percebo. Conheço-me, vou me transformando… Ao completar uma volta não sou mais a mesma. Sou mais plena, inteira. Em cada passo encontro meus limites. Em cada interação, cooperação, união, respeito e equilíbrio. Coloco-me na roda da maneira como sou na vida e conforme me descubro na roda, danço melhor minha vida.

Você também pode gostar:

Quando eu danço em roda, eu sou mais feliz.

Assim me apresento aqui: com dança, poesia e o retorno ao movimento inicial que aprendi a traduzir em palavras compartilhadas no trabalho como arteterapeuta no Dá Tua Mão!

Vamos dançar?

Sobre o autor

Carolina Rodrigues

Olá! Sou Carolina, uma sonhadora desde pequena. Pés descalços, no chão, cabeça nas nuvens. Sonhava com um mundo em que todas as pessoas fossem felizes, amigas e borboletantes. Fui crescendo e percebi que a Educação seria esse caminho. Ingressei na faculdade de Ecologia, sedenta por saber mais sobre Educação Ambiental e resgatei aí a possibilidade de tecer a Arte, a dança, a autoeducação como revoluções no mundo!

Deparei me com a Arteterapia, facilitei rodas de Danças Circulares e integrei projetos de formação de educadores pelas vias do autoconhecimento e da arte teatral.

A maternidade me impulsionou ainda mais a colocar meus projetos no mundo.

Com Cauê nasceu o Dá Tua Mão, que foi germinando do conto "A Dança de Um Um Lugar Chamado Flores" até tornar-se um Jardim em Flor.

Hoje me dedico à jardinagem de corações e à partilha daquilo que floresce do meu coração para aqueles que acolherem minhas palavras.

Gratidão!

Facebook: Carolina Rodrigues
Instagram: @datuamao
Site: Florescendo Virtudes
Outros contatos: WhatsApp