Autoconhecimento Psicologia

Desculpem o transtorno, estou em transformação!

Freedom Girl with hands up on top of the Mountain at Grand Canyon National Park Arizona
Tatiane Mosso
Escrito por Tatiane Mosso

“Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.”

– Raul Seixas

Sabem aqueles avisos facilmente encontrados em locais públicos ou privados que nos pedem desculpas pelo transtorno e avisam que estão em reforma? Pois é, penso que deveríamos carregar conosco algo similar, durante toda a nossa vida, avisando que estamos em transformação. Sim, verdade! Isso porque nos transformamos a cada momento.

Em minha experiência clínica, já ouvi muitos relatos do quão difícil parece ser para alguns familiares e amigos entenderem que já não somos mais os mesmos de antes, ou melhor, já não somos os mesmo de alguns minutos atrás. Isso não quer dizer que não houve transformações positivas, mas muitas vezes coloca em dúvida o quanto o outro ”ainda” sabe sobre nós. E a previsibilidade é muito importante para algumas pessoas, pois as coloca em um lugar de algum modo conhecido, e o conhecido costuma nos deixar seguros.

Muitas vezes, nós mesmos não olhamos com bons olhos os nossos próprios desejos de transformação.

Hipster Traveler in desert of southern Nevada USA

Considero que somos a soma de cada instante vivido. São nossas experiências, juntamente com a cultura onde estamos inseridos, que vão nos estabelecendo enquanto pessoas, vão dando o tom sobre quem somos. Desse modo, o mundo muda, a cultura muda e nós mudamos. Alguns mais, outros menos, mas todos mudamos e passamos por longas transformações.

“Muitas vezes, nós mesmos não olhamos com bons olhos os nossos próprios desejos de transformação”

Atualmente, tenho notado, por exemplo, muitas questões envolvendo mudanças de hábitos e escolhas alimentares. É cada vez mais comum encontrar alguém que passou a ter uma alimentação vegetariana, vegana ou livre de glúten ou lactose, e também é comum encontrar pessoas questionando essas mudanças de hábito, essas novas escolhas, essas transformações. Muitos dizem não entender tanta radicalidade, como se tivesse um modo “mais certo” de fazer. O diferente vai tomando conotação de doente, a partir de determinações sedimentadas de um mundo que é o nosso e que diz como a maioria das pessoas faz e as toma como referência. Todos somos expressões singulares dentro de um contorno social, somos ao mesmo tempo tão iguais e tão diferentes.

Fico pensando que muitos de nós interrompem momentos de transformação, a partir do que faz sentido para nós em detrimento da compreensão e aceitação incondicional do mundo. É uma escolha, e certamente toda escolha tem um sentido.

Cabe a cada um de nós fazer escolhas que nos façam mais felizes, mantendo em nossas vidas o que queremos e verdadeiramente nos faz bem e transformando o que não faz sentido por não ser genuíno!

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Tatiane Mosso

Tatiane Mosso

Psicóloga (CRP 06/117983), com aprimoramento clínico em Fenomenologia-Existencial pela PUC-SP e especialização em psicologia clínica na perspectiva Fenomenológico-Existencial pelo Instituto de Psicologia Fenomenológico-Existencial do Rio de Janeiro – IFEN. Atua na área clinica, em seu consultório particular em São Paulo.

Uma breve elucidação...

A psicologia é uma ciência da área da saúde e minha sustentação dessa clínica se faz na perspectiva Fenomenológico-Existencial, que é uma área do conhecimento inspirada na filosofia e que busca uma compreensão ampla do ser humano, considerando sua história de vida e respeitando sua singularidade. A psicoterapia existencial é apenas um dos caminhos da psicologia para acompanhar a experiência do outro, que se dá a partir da articulação de sentido que se faz e que não é estática, afinal, vida é movimento!

Contatos:

E-mail: [email protected]
​Facebook: /conversadeterapia