Autoconhecimento

Destino, qual é o seu?

Mulher olhando para fora da janela segurando caneca de café
123RF/ Antonio Guillem
Juliana Meyer Luzio
Escrito por Juliana Meyer Luzio

Dias desses, participando de um grupo, fui convidada a escrever uma carta ao meu destino. Essa não foi a primeira vez que fiz isso, mas achei interessante transformar essa carta em um texto a ser publicado para quem sabe provocar em você que me lê uma certa curiosidade — o que será que você escreverá para o seu destino? O que você pedirá a ele?

O que você sentirá diante da simples possibilidade de “conversar” com ele e torná-lo, portanto, um tiquinho mais próximo de você?

Quem ou o que é o destino? Qual a sua relação com esse termo, essa palavra, com esse mistério?

Minha carta segue abaixo e fico aqui na torcida de poder saber um pouquinho de como foi a sua experiência. Se escreveu a carta e como essa relação entre você e seu destino está agora.

“Há quem diga que nosso destino é escrito por nós.

Outros acreditam que ele já vem traçado quando nascemos.

Envelope de carta fechado com flores ao redor
Annie Spratt/ Unsplash

Eu oscilo entre um e outro, pois sinto que existem coisas maiores e das quais não tenho nenhum poder. Mas também me faz sentido acreditar que está em minhas mãos muito do que me acontece. Então registro aqui e agora essa responsabilidade, essa escolha de tornar-me uma pessoa mais simples, leve, amorosa e que ao me transformar provoco ao meu redor mudanças também!

Quero ser mais simples, porque tenho aprendido que é na simplicidade que moram os mistérios da vida. Aprender o tempo do plantio e esperar a semeadura não requer fazer grandes cursos, obter títulos ou ter gastos exorbitantes. Basta olhar a natureza e aprender com ela, basta olhar e respeitar o meu tempo. Basta olhar e considerar o outro como humano, igual a mim. E essas são atitudes simples. Não fáceis! Mas simples.

Me desejo ser capaz de parar e observar um rio que corre, um sol que nasce, uma lua que marca o anoitecer e então vivenciar o tempo de outro lugar.

Mulher de olhos fechados sentindo o vento o seu rosto e em seu cabelo
Eli Defaria/Unsplash

Quero ser mais leve porque tenho aprendido que menos é mais e que a transitoriedade é a única coisa permanente que de fato temos. E se tudo sempre muda para que carregar tantas dores, desamores, amarguras, ressentimentos, culpas e tantos outros pesos que impedem ou dificultam o caminhar? Quero aprender a ser leve e deixar fluir sentimentos e acontecimentos sem a necessidade do controle.

Me desejo o descontrole de quem confia na força da vida.

Quero ser mais amorosa comigo para saber e poder ser com meus filhos e então transmitir irmandade a eles. Quero ser capaz de ensiná-los que a parceria e o compartilhar são os tesouros que podemos usufruir em vida.

Me desejo estar íntegra e inteira em cada relação, tecendo amorosamente o estar, caminhar e aprender juntos.

Mulher olhando para o pôr do sol
Leon Biss/Unsplash

E assim, a cada dia, quero lembrar que sou muitas e que quero tantas coisas diferentes ao mesmo tempo e tudo bem, porque isso me permite e possibilita abertura para o vasto mundo e nossas idiossincrasias. Quero caminhar mais devagar, abraçar mais, encontrar mais os amigos, escrever e compartilhar sem medo do julgamento interno, pois ele é mais severo e rígido do que qualquer outro.

Quero ter coragem de apenas ser sem tantas crenças limitantes e quem sabe inspirar os que me rodeiam.

Você também pode gostar

Quero todos os dias me lembrar que, sim, o mistério existe e coisas inesperadas acontecem, mas a maior parte do meu caminho sou eu que faço e que meus pensamentos afetam diretamente os meus passos.

Me desejo arregaçar as mangas, estar atenta aos autoboicotes e ao mesmo tempo construir e encontrar você, meu destino!”

Sobre o autor

Juliana Meyer Luzio

Juliana Meyer Luzio

Terapeuta que constrói sua clínica através de um espaço que integra fala, consciência corporal e quietude, tornando possível uma reconexão com o que há de belo, delicado e muito forte em nós - nossa saúde.

Formada em Psicologia, Psicanálise, Terapia de Integração Craniossacral, Transmutation Therapy, entre outros, está sempre em busca de conhecimentos que agreguem, em seu dia-a-dia maneiras, diferentes de olhar a vida.

Atualmente, além de sua clínica, lançou a Îandé, onde tem se dedicado à arte de criar e costurar produtos exclusivos e cheios de carinho.

DADOS DE CONTATO

Facebook: julianaterapeutaintegrativa | iandeprodutosartesanais
Instagram: @iandeprodutosartesanais
Skype: juliana luzio
Email: [email protected]
WhatsApp: (11) 98709-6916