Autoconhecimento Filosofia

Dia do filósofo: dia do conhecimento, do amor, da sabedoria!

dia do filósofo
Luis Lemos
Escrito por Luis Lemos
Um professor de filosofia entrou à sala de aula e perguntou aos seus alunos:
– Quem sabe que dia é hoje?
Depois de um breve silêncio, os alunos começaram a falar: dia do filósofo
– Hoje é o dia do matemático, professor!
– Hoje é o dia do soldado… É o dia do médico… É o dia do advogado…
Outros, ainda, insistiram:
– É o dia do índio, professor!
– É o dia do aviador… É o dia da árvore… É o dia das crianças… É o dia do socorrista…
Depois de um enorme barulho, todos falavam ao mesmo tempo, o professor pediu silêncio e depois que foi atendido, disse solenemente:
– Hoje, meus queridos alunos, é o dia do filósofo!
Um aluno que estava sentado na última cadeira, no fundão da sala, que ainda não tinha falado, pediu a palavra e disse:
– “Então, morra”…
Todos ficaram espantados com a resposta daquele aluno e esperavam que o professor fizesse alguma coisa, tomasse uma providência.
Alguns começaram a falar mal, exaltados, dizendo que aquilo era uma falta de respeito. Que aquilo não poderia ficar assim…
Depois de ouvir atentamente a todos e dirigindo-se ao aluno que iniciara todo aquele debate, o professor lhe perguntou:
– O que é a morte para você?
– Para mim, professor, a morte é ficar sem filosofar.
– Que bela resposta, meu caro! Você está certíssimo. No entanto Pitágoras já dizia: “A vida sem ciência é uma espécie de morte”.
– Quem foi Pitágoras, professor? – Indagou outro aluno.
dia do filósofo– Pitágoras foi um importante filósofo e matemático da antiguidade. Atribui-se a ele a criação da palavra filosofia. Um dia, uma pessoa o chamou de sábio e ele disse que preferiria ser chamado apenas de filósofo.
– O meu professor de filosofia do ano passado disse que foi Sócrates que criou a filosofia!
– Não, caríssimo aluno! Sócrates é considerado o pai da filosofia. Antes dele existiram muitos e importantes filósofos. A grande sacada dele foi trazer a filosofia para dentro do ser humano.
– Sim, professor, a famosa frase dele: “Conhece-te a ti mesmo”.
– Isso mesmo! Sócrates queria que nós nos conhecêssemos primeiro, para depois conhecer o outro e até mesmo conhecer a Deus. Não se conhece o outro caso não se conhece a si mesmo!
Como em qualquer disputa, ou em uma discussão, o que está em ação não é o desejo pela verdade, mas o desejo pelo poder, o professor continuou indagando:
– O que é a vida para vocês? Morte e vida são as mesmas coisas?
– “A vida é uma merda, professor, mas vale a pena ser vivida”.
– “A vida é tão bela, professor, que até mesmo para a gente dizer que ela não presta é preciso estar vivo”.
– Eu só posso dizer a vocês, meus amados alunos, nesse dia especial, dia do filósofo, que a um homem bom não é possível que ocorra nenhum mal, nem em vida, nem em morte.
E como nem todo ser humano é um ser especialmente nobre, alguns começaram a indagar:
– Qual a importância da filosofia? Ganha-se dinheiro com a filosofia? Para que serve a filosofia? Filosofar traz felicidade ou dor de cabeça? Todo filósofo é ateu?
dia do filósofoAssim, todos começaram a fazer perguntas, alguns agarrados nas próprias convicções, mesmo aqueles que diziam não gostar de filosofia começaram a filosofar.
O professor vendo, ouvindo e compreendendo tudo o que se passava ali, recitou Nietzsche: – “Os modos de vida inspiram as maneiras de pensar e os modos de pensar criam maneiras de viver”.
E terminou a aula dizendo:
– O filósofo é aquele que aprende coisas novas em todos os dias. É muito bom ser filósofo. Obrigado a todos!


Você também pode gostar de outros artigos do autor: O papel do educador frente às questões éticas

Sobre o autor

Luis Lemos

Luis Lemos

Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA); Graduado em Filosofia pela Universidade Católica de Brasília (UCB); Bacharelado em Filosofia pelo Centro do Comportamento Humano (CENESCH).

Professor de Ciências Naturais na Secretaria Municipal de Educação de Manaus (SEMED/AM). Professor de Filosofia da Educação, Ética e Filosofia Jurídica na Faculdade Martha Falcão/Devry Brasil.

Tem experiência na área de Filosofia da Ciência, com ênfase em História da Filosofia, atuando principalmente com os temas: Educação, Ensino de Ciências, Epistemologia, Ética e Ética Profissional.

Autor dos livros: O primeiro olhar – A filosofia em contos amazônicos (2010); O segundo olhar – A filosofia em temas amazônicos (2012); O terceiro olhar – A filosofia em lendas amazônicas (2014); O homem religioso - A jornada do ser humano em busca de Deus (2016).