Autoconhecimento

Seja menos crítico!

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Encarar a realidade e criticar são argumentos bem distintos quando tratamos de questões ligadas ao comportamento humano e talvez existam muitas pessoas que se escondam nessa ideia de ver as coisas como elas são sem ao menos darem uma chance de entender a outra face da moeda. Quem sabe seja apenas um hobby ou então um hábito; isso pode variar de acordo com cada personalidade. Mas a verdade é quem ninguém gosta de conviver com um “crítico” de plantão que tem respostas pra tudo, desenrolando uma conversa focada apenas no que é ruim e errado apresentado por uma visão negativa.

Os fatores externos, como política e economia, são de fato artefatos que nos distraem e nos tiram do nosso caminho ao encontro da paz e do equilíbrio. Porém, não é bem por aí que a banda toca, como diz o ditado. Países com boa estrutura financeira passam por diversos tipos de dores de cabeça e devemos entender que ninguém está imune ao desconforto. Afinal, somos seres humanos e precisamos de certas fases para podermos evoluir.

Criticar os outros — os amigos próximos por decisões tomadas, a família por ser diferente, a roupa de um estranho na rua ou simplesmente a música que alguém escuta — beira um pouco o desespero. Isso pode ser um tanto duro de ouvir e aceitar, no entanto, a crítica na maior parte está carregada de desgostos, desprazeres pessoais e até mesmo de inveja. Muitas vezes, por trás deste ato se esconde uma admiração pelo oposto, uma vontade de vivenciar o que ele está desfrutando. E nesta hora é válido e fundamental se perguntar a origem dessa sensação, o porquê dessas lamentações e se dar o prazer em estar ciente de que existe a possibilidade de mudar esse quadro.

A lei da atração ganhou notoriedade com o livro “O Segredo” da escritora australiana, Rhonda Byrne. O sucesso da obra foi imenso e milhões de pessoas começaram a partir de então pesquisar e ir atrás dos benefícios dessa tal lei sem entender muito bem como funcionava.

De acordo com o princípio desta lei universal, atraímos aquilo que emanamos ao Universo. Vibramos sentimentos, intenções, pensamentos e tudo isso faz com que haja uma movimentação no fluir das coisas, facilitando ou impedindo a realização de nossos desejos.

Sim, o negativismo pode ser entendido como um pedido e tudo o que recebemos em troca pode vir em forma de transtornos, insatisfações e obstáculos. Por esse motivo, é preciso ser vigilante em nossas ações e principalmente com tudo o que falamos e sentimos. Então se você reclama, fala mal, pragueja aos quatro ventos e só enxerga o lado triste em estar vivo, provavelmente o seu cenário atual não é dos bons, não é mesmo?

Tudo se baseia na forma como se pensa e se atribui valor aos acontecimentos da vida. É claro que nem sempre os nossos dias são um mar de rosas. Enfrentamos problemas, temos contas a pagar, afazeres domésticos, chefe estressado para lidar e um convívio social com pessoas com histórias e cotidianos diferentes. Mas até que ponto eles são diferentes de nós? Será que somente você está atravessando um período difícil? Tem perrengue no trabalho ou no relacionamento?

Ao invés de somente criticar, tente se colocar no lugar do indivíduo e imagine como ele deve se sentir. Tente ver as situações por outro ângulo. A empatia é um excelente remédio pra quem busca a mudança e através dela o primeiro passo pode ser dado para que a sua jornada se torne mais leve e abundante. Busque a liberdade e exerça o poder de ser quem você é em sua essência, isso só lhe trará mais amor, alegria, prosperidade e felicidade.


Escrito por Juliana Alves da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]