Educação dos filhos

Do controle e da razão, quem abre mão?

Ser mãe ou pai está bem longe de ser algo fácil e simples. Já publiquei aqui alguns textos sobre esse tema e sigo nessa caminhada de reflexão e de como somos tocados por essas experiências em nossa família.

Neste artigo, quero trazer questões sobre controle e razão, coisas que sempre queremos ter e cuja maternidade/paternidade nos derroga constantemente.

Comecemos pelo controle!

Quem de nós pode afirmar, sem nenhuma dúvida, que não tenta, não gosta ou não quer controlar as situações, as coisas e pessoas ao redor?

Buscar o controle, ter a sensação de tê-lo nos faz sentir segurança, como se, com tudo sobre controle, pudéssemos seguir mais tranquilos vida afora.

Sentada, uma criança a debruçar seu rosto nos seus joelhos. À esquerda dele, uma sombra de um homem gritando.
tomazl de Getty Images Signature / Canva

O que acontece se observamos essa nossa necessidade de controle no ato de maternar ou paternar? O que sentimos quando ouvimos NÃO dos nossos filhos? Quando não somos ouvidos, quando eles nos desafiam, quando não fazem o que queremos ou pedimos?

Ouso dizer que, inevitavelmente, levamos para o pessoal, para a insegurança de não saber como lidar, como responder e como reagir, sentimo-nos desafiados e perdendo poder. O medo, mascarado pela sensação de controle, vem à tona, e reagimos acuados com impaciência, autoritarismo e nenhum ou pouquíssimo diálogo com nossos filhos.

Fazemos uso do nosso tamanho, do nosso olhar crítico e severo, de chantagens e do poder que acreditamos ter sobre uma criança. E, quanto menor a criança, mais uso faremos desse lugar de quem manda.

Dificilmente paramos e a convidamos para uma conversa.

Dificilmente olhamos para nossos filhos e abrimos espaço para escutar o porquê de eles não quererem fazer o que, para nós, é o melhor a ser feito.

Aqui há o encontro entre a certeza de que sabemos o que é o melhor e a nossa necessidade de controle. Um circuito então se estabelece a partir desse encontro, em que o ter razão e a ilusão do controle se alimentam continuamente, e seguimos confiantes de que eles devem nos obedecer sem nenhum questionamento.

Ter tudo sob controle e ter razão sobre todas as coisas nos transforma em pais e mães autoritários, distantes, assustadores e incapazes de olhar o outro como um ser singular, diferente e cheio de sabedoria.

Várias crianças deitadas num tapete.
Pavel Danilyuk de Pexels / Canva

As crianças têm sabedoria, elas sentem, pensam, elaboram, questionam tudo que acessam. São antenas livres que captam, retêm e transmitem tudo que as cerca. Então, sim, precisamos dar voz a esses saberes e aos tempos de cada criança.

Elas não robôs que devem fazer tudo igual, na mesma idade. Cada uma tem seu tempo de aprendizado e elaboração. Cada uma tem sua bagagem e faz parte de um círculo familiar e social que afetará seu modo de ser e estar no mundo.

Cada filho e filha são integrantes da família e, como tais, têm o direito de se expressar, discordar e querer coisas diferentes do que os pais desejam. Diálogos são as melhores ferramentas para se tecerem relações de respeito, amor e confiança, porque, se nos colocarmos em abertura para ouvir, aprenderemos que NÃO HÁ UM caminho, UM modo de resolver – pelo contrário, HÁ DIVERSAS possibilidades.

Ouço muito mães e pais reclamarem de que os filhos não fazem as coisas nas horas em que lhes é pedido. Mas e nós, pais e mães, temos paciência? Paramos para observar o que se passa naquele momento e o porquê de os nossos filhos não nos atenderem exatamente naquele momento?

O quão invasivos nós, adultos, somos? E egoístas? Impacientes? Teimosos?

E se o que enxergamos nos nossos filhos for nada menos que nós mesmos?

Uma mão adulta feminina segurando uma mão de uma criança.
iPortret / Canva

E se o que nossos filhos sentem – pressão, incompreensão, solidão, excesso de tarefas – for exatamente o que sentimos também?

Será que vale questionar para onde essas necessidades de ter razão e ter controle estão nos levando?

Será que vale reconhecer que regras e combinados são fundamentais, porém há lugar para desconstruções e reorganizações, uma vez que estamos sempre nos transformando?

Quanto nos custa duvidar de nossas certezas e deixar que o outro nos mostre novas possibilidades?

Abrir mão do controle nos coloca de frente com nossa vulnerabilidade, que, apesar de ser extremamente assustadora, liberta-nos da tarefa inglória de vivermos mascarados.

Você também pode gostar

Abrir mão de saber o que é o melhor nos conecta com pessoas, novas experiências e nos dá horizonte!

Sobre o autor

Juliana Meyer Luzio

Terapeuta que constrói sua clínica através de um espaço que integra fala, consciência corporal e quietude, tornando possível uma reconexão com o que há de belo, delicado e muito forte em nós - nossa saúde.

Formada em Psicologia, Psicanálise, Terapia de Integração Craniossacral, Transmutation Therapy, entre outros, está sempre em busca de conhecimentos que agreguem, em seu dia-a-dia maneiras, diferentes de olhar a vida.

Atualmente, além de sua clínica, lançou a Îandé, onde tem se dedicado à arte de criar e costurar produtos exclusivos e cheios de carinho.

DADOS DE CONTATO

Facebook: julianaterapeutaintegrativa | iandeprodutosartesanais
Instagram: @iandeprodutosartesanais
Skype: juliana luzio
Email: juliana@gerovalor.com.br
WhatsApp: (11) 98709-6916