Convivendo

Enquanto se divide o sanduíche

Duas metades de sanduíche, em cima de uma mesa.
Daniella de Paula
Escrito por Daniella de Paula
Ainda era no início da viagem, mas eles — um casal — entraram no ônibus carregando um sanduíche. Permaneci seguindo aquela história até o momento em que escolheram a poltrona. Sentaram juntos, claro. A primeira coisa que fizeram foi abrir a embalagem. Quem estava com o lanche em mãos ofereceu, mesmo antes de dar sua primeira mordida.

Com um grande apetite, o primeiro pedaço certamente contribuiu para saciar aquela fominha de fim de expediente. O segundo, agora para a dona do sanduíche, não foi menos apreciado. Os olhares cumpliciados por segundos e trocados sem palavras testemunharam aquele sabor. Parecia bom, imaginei. Para que palavras, quando os instantes têm sabor, não é mesmo? 

sanduíche

Permaneci, com curiosidade, observando esse momento que se repetia, não só de degustação, mas também de afetos invisíveis que entregavam um ao outro. Tudo seguia assim: em um vai e vem cheio de melodia. Não havia recusa, em nenhum momento, de algum ingrediente. Todos os sabores eram aceitos como se tivessem sido escolhidos em um cardápio. Ninguém quis ficar com mais ou sacrificar-se com menos.

No compasso desse lanche, contavam o que sentiam em suas expressões. O que tinham parecia ser suficiente para aquele momento. Se a fome é de alegria em um encontro, então, um sanduíche dividido pode ser o ideal.

Entre uma parada e outra, não tem como deixar de observar as vidas que são vividas, além das nossas, dentro de um ônibus. Algumas cansadas, outras agitadas. Às vezes, há uma gentileza ou descuido, mas sempre há algo para ouvir ou observar, de alguém ou de nós mesmos. Permeado por curvas e, às vezes, freadas bruscas, andar de ônibus pode ser um mergulho nessas histórias. Mesmo que seja apenas a de um sanduíche.

Qualquer um de nós é capaz de transportar todas as cenas.
 Nesse espaço de leituras de vidas que não são mostradas, mas vividas, há muito o que aprender. Sabe quando se pega uma história aqui e outra lá? Percebemos como estamos encharcados por seus roteiros também. Nessa viagem de ônibus, não olhei pela janela, como faço, para avistar a rua onde tantos carros seguem os seus caminhos. Perdi algumas histórias, mas ganhei essa.sanduíche
Pão, alface, tomate, talvez queijo ou patê, talvez algo mais calórico ou light, talvez integral ou orgânico. Talvez com cebola, prefiro sem. Quando se divide o sanduíche, não temos preferência. É bom lembrar. Talvez ciúmes, alegria ou sofrimento fizessem parte desse recheio também.

Pode ser que dividir um sanduíche seja uma maneira de oferecer sabor à vida das pessoas. Um pouco mais picante, ácido ou com ingredientes que se complementam. Pode ser que, ao dividir um sanduíche, aprendamos a dividir as nossas vidas, a nossa atenção, o nosso melhor ou pior. 

Observe: tem sempre alguém nos oferecendo um sanduíche e, enquanto dividimos, podemos aprender a dar e receber pequenos afetos. Isso é amar também.

Sobre o autor

Daniella de Paula

Daniella de Paula

Daniella de Paula é redatora. Propõe breves reflexões sobre a vida cotidiana.

Para ler mais textos, acesse: contavida.com