Autoconhecimento

Escutar x ouvir

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Você já deve ter ouvido alguém falar que disse uma coisa, mas que “passou por um ouvido e saiu pelo outro”, não é mesmo? Pois bem, saiba que isso é muito mais frequente do que você imagina. Como um dos cinco sentidos fundamentais, numa pessoa saudável, a audição está permanentemente ativada e escuta os menores ruídos, pronta para agir de acordo com a situação em que for necessária. Caso você ouça: “Hoje tem pizza para o jantar”, a sua reação será totalmente diferente do que ouvir: “Mãos ao alto, isso é um assalto”. Embora o primeiro caso possa nos levar ao máximo da satisfação, o segundo caso liga instantemente um senso de alerta de que há um perigo iminente. A audição instiga as reações, mas nem sempre isso acontece.

Muitas pessoas deixam de absorver informações importantes porque, ao invés de ouvir a mensagem, elas somente escutam. Apesar dos dois verbos soarem como sinônimos, a funcionalidade deles é bastante distinta. Enquanto escutar é simplesmente reconhecer o som, ouvir está ligado a compreender, entender e absorver o que significa o conteúdo do som. Por exemplo: uma pessoa que apenas escuta a frase: “Não mexe aí, pois é perigo” provavelmente, caso precise, vai mexer naquilo que foi solicitado manter a distância. Seja por desdém ou por um momento de distração, a mensagem de perigo não foi compreendida, portanto, ela apenas escutou o que foi dito. Se tivesse ouvido, compreendido o real perigo de não seguir a orientação, certamente agiria diferente.

Num mundo recheado de mensagens a todo o momento, em casa, no trabalho, na rua, na internet etc., a quantidade de informações que chega a nós nem sempre permite filtrar de forma adequada o que realmente merece ser ouvido. Geralmente, pessoas que sofrem de ansiedade ou passam por uma rotina extremamente atribulada sofrem com essa dificuldade em compreender adequadamente as informações. Quando esquecem de fazer algo, não é porque houve um desprezo ou estejam com problemas de audição, mas porque estão com dificuldade para filtrar o que é mais importante. Uma peneira consegue peneirar areia, mas, se forem feijões, por exemplo, ela perde a eficácia. O mesmo ocorre com nossos pensamentos.

Quando percebemos que estamos com dificuldade em filtrar o que é dito, talvez seja momento de diminuirmos a nossa rotina. O primeiro passo para que uma ação seja tomada de forma sensata é que ela seja absorvida em nossa mente. Se o ouvido é a porta de entrada para isso e está funcionando de maneira desregulada, a busca por um psicólogo pode ajudar para que a gente volte aos trilhos.


Texto escrito por Diego Rennan da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]