Autoconhecimento

Autoestima: o que é, pilares e como elevar!

Mulher vestida de laranja abraçando a si mesma
Cast Of Thousands / Shutterstock
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Se você é uma pessoa insegura, é provável que já tenha ouvido que precisa aumentar a sua autoestima… Por outro lado, se você se sente confiante, na maioria dos dias, já deve ter tido a sua autoestima elogiada. Porém, você sabe o que, afinal, é autoestima?

Para entender mais sobre esse aspecto de quem você é, preparamos um artigo completo e didático. A partir dele, você vai perceber que uma boa autoestima é fundamental para o equilíbrio entre seu corpo e sua mente, e que ela pode te ajudar a realizar seus maiores sonhos.

Ao mesmo tempo, você vai entender o que acontece quando uma pessoa tem uma baixa autoestima, e quais são as maneiras de resolver essa situação. Use cada tópico do artigo para aprender os detalhes sobre o conceito de autoestima e sobre a sua interioridade!

O que é autoestima?

Autoestima, para a Psicologia, é a capacidade que uma pessoa tem de fazer uma avaliação subjetiva de quem ela é, de como se sente e de como se comporta. Entretanto, talvez essa explicação ainda seja um pouco abstrata.

De forma mais simples, autoestima é o quanto uma pessoa se valoriza. Isto é, se uma pessoa reconhece seu próprio potencial, sabe o que precisa mudar para ser alguém melhor e sente-se bem com a própria identidade, significa que ela tem uma boa autoestima ou uma autoestima alta.

Por outro lado, se uma pessoa não vê valor em si mesma nem nas coisas que faz, e não se sente bem com quem é, diz-se que ela tem uma baixa autoestima. Isso significa que a estima (carinho) que ela nutre por si mesma é insuficiente.

Os pilares da autoestima

Além de a autoestima ser o carinho ou o afeto que uma pessoa tem por si mesma, existem algumas características principais que compõem esse aspecto da personalidade de alguém. Os pilares da autoestima foram definidos pelos psicólogos Potreck-Rose e G. Jacob, e são:

  • 1) Autoaceitação: A autoestima está baseada na autoaceitação de um indivíduo. Se ele se sente bem sobre quem é, respeita os próprios limites e vive feliz por habitar o próprio corpo, é provável que ele tenha uma autoestima alta.
  • 2) Autoconfiança: A autoconfiança é outro pilar da autoestima, porque se refere ao quanto uma pessoa acredita nas próprias capacidades. É fundamental que um indivíduo conheça o potencial que tem e realize tarefas sem um medo excessivo de que algo dê errado.
  • 3) Competência social: Outro pilar fundamental da autoestima é a competência social. Ela é definida pela capacidade de uma pessoa de lidar com situações sociais, desde interagir com outras pessoas até reagir, de maneira controlada, aos imprevistos da vida.
  • 4) Rede social: O último pilar da autoestima é a rede social. Isso porque uma boa autoestima também depende das relações que um indivíduo constrói com outras pessoas. Nesse caso, os vínculos devem ser positivos, respeitosos, acolhedores e compreensivos.

Os efeitos da autoestima em nós

Compreender o conceito de autoestima ainda não é suficiente para saber os efeitos dessa parte de quem somos em nós mesmos. É por isso que vamos explicar como a sua autoestima pode afetar você, tanto no aspecto positivo quanto no aspecto negativo.

Mulher com um batom vermelho na mão se olhando feliz para um espelho com um coração desenhado em seu reflexo.
aslysun / Shutterstock

Efeitos da alta autoestima

  • 1) Confiança em todas as áreas da vida: uma alta autoestima garante que uma pessoa tenha autoconfiança em todas as áreas da própria vida. Ela consegue bons resultados no trabalho, constrói relações positivas e duradouras e não tem medo de aceitar novos desafios, se estiverem dentro das capacidades dela.
  • 2) Equilíbrio entre corpo e mente: com uma autoestima alta, é possível estabelecer um equilíbrio entre corpo e mente. O motivo disso é que o indivíduo reconhece e acolhe os próprios sentimentos, sente-se bem com o próprio corpo e adota hábitos saudáveis para manter tudo em ordem.
  • 3) Bom relacionamento com outras pessoas: outro efeito da autoestima alta é a facilidade para se relacionar bem com outras pessoas. É provável que as relações sejam leves e prazerosas, já que os amigos e familiares conseguem comunicar-se com liberdade, sem “pisar em ovos”, com medo de magoar o outro com qualquer comentário ou crítica construtiva.

Efeitos da baixa autoestima

  • 1) Queda no desempenho em várias áreas da vida: a baixa autoestima impede que uma pessoa dedique-se, com carinho e empenho, a qualquer atividade que ela se proponha a fazer. Por causa disso, é provável que ela tenha problemas na escola, no trabalho ou nas tarefas domésticas que precisa realizar.
  • 2) Insatisfação com a própria aparência: a baixa autoestima também afeta a relação de uma pessoa com o próprio corpo. Em vez de se sentir bem e feliz na pele em que vive, ela encontra defeitos em cada parte de si, e não tem forças para fazer as mudanças que a tornariam mais confortável consigo.
  • 3) Distanciamento de outras pessoas: quando uma pessoa sofre de baixa autoestima, ela não consegue construir relações verdadeiras com os outros, porque está constantemente comparando-se a eles, acreditando que é inferior aos demais.

Como saber se minha autoestima está baixa?

Você percebeu que a autoestima alta é muito boa, mas a autoestima baixa é significativamente ruim e, por isso, deve ser evitada. Se você ainda não sabe qual é a visão que você tem sobre si, os sinais de autoestima baixa podem te ajudar a descobrir:

  • 1) Falta de autoconfiança: quando você vai realizar uma tarefa, ou na hora de conhecer alguém, como você se sente? Você acredita que vai dar tudo certo ou imediatamente questiona as suas habilidades e a sua personalidade? A falta de confiança é um sinal alarmante da baixa autoestima.
  • 2) Excesso de comparação: o excesso de comparação ocorre quando você não consegue se sentir bem com as suas conquistas e com quem você é, porque acredita que sempre vai existir alguém melhor do que você. Assim, a sua autoestima vai diminuindo cada vez mais.
  • 3) Necessidade de receber elogios: você é aquela pessoa que precisa ser elogiada o tempo todo para acreditar em você mesma? Diferentemente do que possa parecer, isso é um sinal de baixa autoestima. Você não deveria precisar da validação dos outros para reconhecer que é uma pessoa incrível.
  • 4) Recusa das próprias conquistas: se você tem baixa autoestima, mesmo quando consegue conquistar algo importante, não se sente totalmente feliz. Você sente que não merecia o que recebeu, ou que essa vitória é pequena perto da vitória de outras pessoas.
  • 5) Dificuldade para relacionar-se com os outros: mais um aspecto da baixa autoestima é a dificuldade para relacionar-se com os outros. Nessa situação, você sente que é insuficiente, tem problemas para confiar em alguém e não se acha interessante a ponto de ser querida pelas outras pessoas.

Como elevar a autoestima?

Se você identificou que a sua autoestima não está indo muito bem, é importante tomar uma atitude para elevá-la. A seguir, separamos três dicas que podem ajudar você neste momento. Lembre-se de ter paciência nesse processo, sem se cobrar muito a se sentir melhor logo, pois é um exercício que leva algum tempo.

Exercite seu autoconhecimento

Exercitar o seu autoconhecimento é o principal caminho para elevar a sua autoestima. Ao compreender os seus sentimentos, incluindo as suas angústias e as suas inseguranças, é mais fácil identificar a raiz deles.

Além disso, conhecer-se garante que você se conecte com as suas verdadeiras vontades, para que você não acabe fazendo algo que não te traz felicidade, ou que não tem a ver com a sua essência. Aproximar-se de quem você é pode elevar a sua autoestima.

Evite comparações

As comparações com outras pessoas são inevitáveis, em alguns momentos. No entanto, é fundamental que você entenda que elas não são saudáveis, e que costumam distorcer a imagem que você tem sobre si e sobre suas conquistas.

Em vez de condicionar a sua felicidade e as suas vitórias às outras pessoas, compreenda que você é uma pessoa única, com uma história ímpar que merece ser celebrada a cada passo, independentemente dos outros.

Procure auxílio psicológico

O auxílio psicológico é útil para todas as pessoas, em qualquer situação. Com ajuda profissional, você vai conseguir conhecer-se melhor, lidar com os sentimentos que não agradam você e até analisar as causas da sua baixa autoestima.

Por isso, se você está se sentindo mal sobre quem você é, recorra a profissionais de saúde. Você também pode conversar com amigos e familiares sobre como está se sentindo, mas lembre-se: eles não substituem as pessoas que estudaram para ajudar você.

Você também pode gostar:

Com as nossas dicas, você tem grandes chances de melhorar a sua autoestima, elevando o seu bem-estar todos os dias. Então, continue exercitando seu autoconhecimento, siga hábitos saudáveis e procure ajuda profissional para desenvolver todo o carinho que você merece ter por si.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br