Autoconhecimento Psicanálise

Esta viagem chamada vida

Áurea Moneo
Escrito por Áurea Moneo
Que ser humano não experimentou a frustração diante da constatação de se perceber falível, impotente e dependente de algo ou de alguém para se sentir inteiro?

A consciência de que somos vulneráveis é suficiente, muitas vezes, para nos colocar em estado de desamparo, tomados pelo medo de não dar conta, de não sermos capazes, de fraquejarmos. Lidar com esta variável da falibilidade e não sucumbir é um exercício constante a ser aprimorado.

Perceber-se capaz de vencer as dificuldades é uma conquista e que passa pelo reconhecimento de nossa porção humana, às vezes ilógica, não previsível, imperfeita. Compreender a célebre frase “Tudo aquilo que não me mata me fortalece” é fundamental para que possamos viver a vida com maior desprendimento e desenvoltura, acreditando na nossa capacidade de nos reinventar sempre que necessário.

A única certeza que temos é de que tudo passa, inclusive nós mesmos e sobre isto não há o que fazer, já que o imponderável, aquilo que ocorre alheio à nossa vontade não depende de nós. No entanto, a forma como optamos viver, o que escolhemos, a importância que damos aos eventos, as relações que estabelecemos com os outros e conosco, isto tudo é livre arbítrio nosso.

Apropriar-se das rédeas de nossa existência é fundamental para mantermos o equilíbrio psíquico, sempre lembrando que quanto mais leve este manejo, aceitando as dificuldades que o trajeto nos impõe, menos desgastante se torna a viagem. Flexibilizar é a palavra-chave, entendendo e aceitando os desafios que surgem como algo importante a ser experimentado e superado.

Afinal de contas, o que importa não é a chegada, mas sim o que vivenciamos ao longo da viagem.

Ruminar pensamentos desarmonizados sobre o que deixamos passar, por falha nossa ou alheia, nos impede de apreciar esta trajetória. Quanto mais rapidamente nos permitirmos esta superação, tanto melhor para nós. Cair e levantar faz parte do processo e só erra quem tem disposição para fazer algo. Portanto, a viagem da vida é feita por tentativas, erros e acertos.

Cabe a nós escolher fazer desta viagem algo prazeroso, proveitoso, enriquecedor, instigante, plena de ideais e não de idealizações. Algo, enfim, que valha a pena.

Sobre o autor

Áurea Moneo

Áurea Moneo

Psicanalista com sólida experiência no atendimento a adultos, adolescentes e casais. Acompanha, sob supervisão, psicanalistas formados e em processo de formação. Ministra cursos voltados à formação de psicanalistas clínicos.

Tel. 11 99639-3373
E-mail: [email protected]