Energia em Equilíbrio

Lei da atração: só atraímos o que sentimos

Mulher sorrindo vendo seu reflexo no espelho
Andrea Piacquadio / Pexels
Andrea Pavlo
Escrito por Andrea Pavlo

Estou estudando bastante sobre a física quântica e, invariavelmente, sobre a lei da atração. Quando o filme e o livro saíram, já alguns anos atrás, eu assisti repetidamente e fiz muitos dos exercícios. E sim, eu vi que tive muitos bons resultados, o que me deixou feliz, mas faltava algo.

Eu sou uma terapeuta junguiana e também estudei sobre visualização criativa. Foi Jung quem introduziu o termo, como uma maneira de você sintonizar os seus sonhos e conseguir entrar antes nas manifestações da vida. Mas eu descobri um elemento que me passou batido quando estudei essas coisas da primeira vez: a dissonância entre o que falamos e queremos e o que realmente sentimos.

É simples, em uma cena do documentário da Lei da Atração, Bob Proctor fala que realmente não podemos manifestar tudo o que pensamos, senão pensaríamos em um elefante e ele brotaria no meio da sala. Então, existe um lapso de tempo entre os nossos pensamentos e a realidade. Legal. O filme sugere que, se você quer um carro, precisa se sentir dentro do carro. Sentir com os cinco sentidos – cheirar o carro, colocar e sentir o volante, por exemplo. Eu e uma amiga tínhamos a mania de ir ao aeroporto, “cheirar o aeroporto” para conseguir viajar. Para ela sempre funcionou, e para mim nem tanto. Por quê? Isso me intrigava.

Mulher olhando pensativa pela janela
Juan Pablo Serrano Arenas / Pexels

E descobri o porquê: nós duas íamos e sentíamos o cheiro. Nos imaginávamos fazendo o check in e entrando na sala vip (já que é pra sonhar) e ela se sentia ótima. Eu também, mas ao mesmo tempo eu lembrava, o que tempo, no meu corpo o meu medo de voar. Poxa, eu quero isso, estou aqui vibrando isso, mas dentro do meu inconsciente tem o medo de voar, então…eu nunca conseguia e ela até morou no exterior.

Você também pode gostar

Então, precisamos perguntar lá dentro o que realmente sentimos com relação a alguma coisa. Se tiver qualquer coisa contra – mesmo que tenha um argumento racional válido – já era. Eu dizia que tudo bem viajar, eu ia com medo mesmo, eu tomaria um remedinho e ia embora. Mas dentro de mim, as minhas crenças, aquele medo, não deixam a coisas se manifestar. Então, nem é uma Lei da Atração, mas como eu realmente consigo vibrar algo, sem nenhuma coisa contra. Aí sim.

Se você tem um sonho que não se manifesta, pense no porquê. O que está segurando? Tem medo, resistência? Sem isso não existe repetição de afirmações que dê conta. O inconsciente manda na gente e isso sim é uma Lei.

Sobre o autor

Andrea Pavlo

Andrea Pavlo

Psicoterapeuta holística, taróloga e numeróloga, comecei minhas explorações sobre espiritualidade e autoconhecimento aos 11 anos. Estudei psicologia, publicidade, artes, coaching e outros assuntos de várias outras áreas que passam pelo desenvolvimento humano, usando várias técnicas para ajudar as mulheres a se amarem e alcançarem uma vida de deusa. Mãe da Nina, de quatro patas, gosto de viajar, ler e sempre continuar estudando.

E-mail: [email protected]