Convivendo

Marca cria bonecas com deficiência para inclusão social

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Em um mundo infantil dominado por princesas, Barbies, príncipes, lutadores, guerreiros e vencedores fica mais difícil para as crianças conseguirem se enquadrar neste perfil que a fábrica dos brinquedos produz. Muitas vezes elas sequer conseguem se imaginar e compreender estes brinquedos fantasiosos, ou sentem-se infelizes por não terem aquela aparência idealizada, como se aquilo fosse sinônimo de felicidade.

Tentando enquadrar a realidade de pessoas que possuem deficiência, ou marca de nascença, a marca britânica Makies anunciou que juntamente com as bonecas e brinquedos ela vai tentar incluir acessórios como óculos, bengalas, aparelhos auditivos e marca de nascença para serem vendidos em sua produção.

A marca britânica Makies ainda pretende lançar uma cadeira de rodas na fabricação de seus brinquedos, a pedido dos próprios clientes.

Uma ideia e tanto em um mundo onde o preconceito ainda existe e nada melhor do que inserir as crianças desde pequenas com a diversidade e a inclusão social.
Crianças e inclusão social

Quem tem problemas com deficiência física desde pequeno percebe a dificuldade que é sentir o estranhamento dos outros em relação a um problema ou deficiência.

Por isso, nada melhor do que inserir brinquedos, bonecas e desenhos animados onde existem crianças e pessoas com esta deficiência. Assim, fica mais fácil para os pequenos compreenderem, e aceitarem com naturalidade quando conhecerem  um colega que tenha algo de diferente dele.

Este processo precisa ser passado desde pequeno para quando forem maiores não existir o preconceito que ainda está muito presente na sociedade. A inclusão destas bonecas e brinquedos para o convívio com as crianças é uma bela forma de ensinar valores e de ter respeito aos outros e pela diversidade.

Será que outras empresas podem adotar a ideia?

my makies doll Muito já se questionou sobre a forma como são criados os brinquedos. Alguns são violentos, como armas de guerra e outras bonecas são tão vaidosas que usam batom, o que incentiva as meninas a se maquiarem desde pequenas, perdendo algumas vezes fases da infância, pois as bonecas famosas são modelos para elas.

Se mais empresas que produzem brinquedos adotassem essa ideia, obviamente contribuiriam para um consumo e compartilhamento mais consciente das brincadeiras das crianças.

Ainda seria possível trabalhar melhor a inclusão social. Seria um ponto positivo para os pais conseguirem incluir e conversar sobre deficiência e diversidade social. Abraçar essa ideia seria abraçar um mundo menos preconceituoso.

Afinal, usar óculos, ter uma pinta de nascença, ter uma cadeira de rodas nos parece muito mais real do que um mundo onde existem guerreiros que voam e que lutam e matam por qualquer coisa. Não concordam?

Se interessou? Clique aqui para conhecer mais a empresa.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]