Autoconhecimento Maternidade Consciente

Maternidade e meditação

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Quando chega a hora do M de mulher tornar-se M de mãe, talvez não exista melhor momento para a prática de um terceiro M: o de meditação. Essa prática é aconselhada desde sempre para todas as pessoas das mais variadas idades, gêneros, classes sociais etc. A possibilidade de prolongar a mente e a alma faz com que a pessoa mude o seu jeito de ser para melhor, vivendo melhor consigo mesmo e tornando o ambiente ao seu redor saudável.

No caso das mamães, isso tem um efeito potencializado devido a relação de mãe com o filho e também dos filhos com as mães. A relação bilateral tende a se fortalecer com a progenitora mais preparada para lidar com os desafios de criar, educar, proteger e uma série de verbos que regem o cuidado com as crianças.

Não vamos ser hipócritas: educar não é fácil. Se até quem não tem filhos, já perdeu a cabeça com alguma criança que não parava de aprontar. A tarefa dos pais então é muito mais difícil. Para executar a arte da educação com maestria é necessário que a mãe esteja preparada não só fisicamente, mas também com a mente tranquila para conseguir aplicar as disciplinas com rigidez, mas sem se estressar. É muito perigoso nos deixar abater com os problemas no dia a dia e descontar nas outras pessoas. O presidente da empresa fica nervoso e desconta no diretor, que desconta no coordenador, que desconta em você que acaba, indiretamente, descontando também na pobre criança. Por mais que você não tenha a intenção, os impactos negativos de uma rotina atribulada afetam a sua relação com outros e também com seus filhos.

A meditação é uma ótima maneira de conseguir lidar com esses problemas diários. Afinal, ela possibilita que a mãe assimile e dissipe a energia negativa, absorvida durante a semana sem implodir, mas também não explodindo e atacando a todos a sua volta. A respiração controlada, o exercício da paciência e a manifestação do carinho pelas pessoas começam a se tornar práticas cada vez mais naturais e recorrentes dessa mãe, que trará uma sensação de segurança e, principalmente, de exemplo para um futuro adulto que está se formando. O filho saberá o que é ser uma pessoa positiva e que traz uma energia inspiradora no ambiente em que vive. Por mais que os ensinamentos e orientações sejam fundamentais na educação, o que verdadeiramente orienta uma criança são os exemplos, tanto os bons quanto os maus.


Texto escrito por Diego Rennan da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]