Natureza Pet - Animais de estimação

Motivos para não comprar animais silvestres e exóticos

O Dia da Terra é celebrado no dia 22 de abril para incentivar a luta em defesa do meio ambiente e a promoção de uma consciência ambiental. Isso significa cuidar de outros seres humanos, da natureza ao nosso redor e também dos bichinhos – que não se limitam aos de estimação.

Os demais animais, aqueles considerados selvagens, também merecem a nossa atenção. Por serem tão complexos e atraentes, muitas pessoas acham que isso quer dizer adotá-los e tratá-los como os famosos “pets”. Mas, ao trazer um animal silvestre para casa, estamos indo na contramão da preservação ambiental. Neste artigo, você vai entender por quê.

Animal de estimação X Animal silvestre

O cachorro da sua família é, sim, muito diferente de uma arara. O primeiro é considerado um doméstico, enquanto o segundo é classificado como silvestre. E qual é a grande diferença, sendo que são todos animais?

A diferença está na história. Os animais domésticos (ou de estimação) passaram por um longo processo histórico em que se tornaram habituados ao convívio humano. Desde que a humanidade adotou o estilo de vida sedentário, essas espécies foram sendo amansadas e docilizadas para servir de alimento ou, simplesmente, companhia. É o caso de cães, gatos, hamsters, cavalos, bois, vacas, entre outros.

Os animais silvestres, por sua vez, não foram incluídos nessa interação. Portanto, eles estão acostumados a viver em plena liberdade, sem convívio com os seres humanos. Como consequência, podem adotar hábitos de defesa quando colocados em contato com nós. Alguns exemplos são araras, papagaios, macacos, iguanas, peixes, cobras e assim por diante.

Por que não domesticar animais silvestres e exóticos?

Sendo assim, a tentativa de domesticar animais silvestres pode ser prejudicial tanto para o bichinho quanto para o próprio dono. Isso porque é uma forma de retirá-lo do seu hábitat natural e forçar a socialização com os seres humanos. Abaixo, vamos entender melhor por que essa prática não é indicada:

Esses animais têm natureza selvagem

Como vimos, cachorros e gatos levaram milhares de anos até serem domesticados e poderem viver entre os seres humanos sem estresse. Já os animais silvestres não. Mesmo aqueles que foram criados em cativeiro ainda têm instintos e características selvagens. Se confinados em uma casa, podem passar por uma enorme nervosismo e ainda oferecer riscos aos donos.
Eles sofrem dentro de lugares restritos
Por mais bem preparado que seja um cativeiro, é inegável que ele limita o comportamento natural de um animal silvestre. Imagine, então, dentro de uma casa, apartamento ou até sítio? É extremamente complicado reproduzir as condições oferecidas pela natureza, o que gera muito sofrimento para os bichinhos. Os papagaios-cinzentos, por exemplo, precisam voar até 10 quilômetros por dia e, quando não conseguem, arrancam suas penas e tanto estresse. Lembre-se de como foi o isolamento da pandemia de covid-19. Ninguém gosta de ser confinado, não é mesmo?

Eles são mal-tratados no caminho

Outra problemática ligada ao comércio de animais exóticos está ligada ao trajeto desde a captura até a chegada na casa do novo dono. A distância é longa e, infelizmente, cruel. A maioria dos traficantes de animais privam os bichinhos de espaço, comida e cuidados necessários, processo que pode ser fatal em muitos casos. Mesmo a atividade legalizada pelo IBAMA acaba incentivando o comércio ilegal, já que 80% dos criadouros liberados para a comercialização dessas espécies têm relação com o tráfico. Não à toa, esse comércio é o quarto mais lucrativo do mundo.

Eles estão cada vez mais ameaçados de extinção

E é claro que, quanto mais animais silvestres são comercializados, menos sobram na natureza para perpetuar a espécie. A captura é, na maior parte das vezes, feita em grande escala, o que desequilibra todo o hábitat de onde os animais vêm e ameaça a sobrevivência deles e de outros bichinhos. Para se ter uma ideia, em apenas 1 ano, mais de 55 mil tartarugas-estrelas-indianas foram retiradas de apenas um dos diversos centros comerciais na Índia. Mesmo as espécies protegidas pelo comércio legal ainda sofrem com o perigo do comércio ilegal.

Camaleão verde e amarelo sobre galho de folhas
AQgraphy / Pixabay

Eles dão muito trabalho para o dono e sua família

Se você acha que a domesticação de animais silvestres é ruim só para o bichinho, está enganado(a). Em geral, essas espécies exigem enorme atenção e cuidados específicos que demandam tempo, dinheiro e dedicação. O papagaio-cinzento-africano, por exemplo, requer o mesmo zelo de uma criança humana e pode viver até 60 anos – o que requer mudanças de casas e adaptações estressantes. Isso quando não são abandonados.

Eles podem transmitir doenças

Além disso, por virem diretamente da natureza (no caso daqueles que não foram criados em cativeiros), os animais silvestres possuem bactérias específicas. Esses microorganismos podem resultar na transmissão de doenças bastante prejudiciais aos seres humanos, as zoonoses, ou o contrário: seres humanos passando doenças para os bichinhos. Algumas delas? Tuberculose, raiva, clamidiose, meningite, pneumonia e várias outras.

Como proteger esses animais?

Diante de todos esses argumentos contrários à domesticação dos animais e levando em consideração a necessidade de desenvolvermos uma consciência ambiental cada vez mais justa, o que fazer para proteger a integridade das espécies? Aqui vão dicas importantes:

  • Nunca compre ou adote um animal silvestre para criá-lo como se fosse de estimação;
  • Se seus amigos, familiares ou conhecidos demonstrarem interesse por essa prática, converse com eles e mostre os pontos negativos;
  • Se você já tiver um animal exótico sob sua guarda, não o abandone e forneça os cuidados necessários para a espécie;
  • Não compartilhe vídeos “fofos” na internet de animais silvestres interagindo com seres humanos, pois essa não é a regra e acaba fortalecendo o comércio.

Você também pode gostar:

Portanto, quando pensar que seria interessante ter um daqueles bichinhos inteligentes e divertidos dentro de casa, lembre-se de olhar o outro lado. Por mais bem intencionada que seja a sua vontade, o animal estaria preso, longe de tudo aquilo que conhece e inserido em situações traumáticas. Seja no Dia da Terra ou em qualquer outra data, proteja a natureza e todos aqueles que vivem nela.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br