Autoconhecimento

Não julgue. Economize a sua mente

Three hands pointing fingers at the camera
Otávio Leal
Escrito por Otávio Leal

“Não julgueis para não serdes julgados.”

Jesus Cristo

O julgamento é uma das maiores causas de sofrimento, miséria e descontentamento no planeta. Julgar pressupõe comparar uma coisa com outra, e isso é estupidez.

Repare agora no que acontece a seu redor, em sua vida. Veja quantas coisas novas, quantas coisas diferentes acontecem.

O contentamento e a felicidade são incompatíveis com nossa ânsia de julgar tudo e todos. De colocar pessoas e realidade no banco dos réus e, como promotores e juízes infalíveis, decretar punições e até penas rigorosas. E impossível ser feliz nesse tribunal que você constrói dentro da sua mente.

O não-julgamento, ao contrário, é, por exemplo, olhar para uma rosa sem pensar e penetrar na sua realidade, não julgando se é bonita ou feia, mas simplesmente sentindo seu perfume, tocando-a, vendo suas cores, interagindo com ela. O não-julgamento é ouvir uma pessoa e procurar aceitá-la.

O não-julgamento é olhar para a sua própria história devida e, em vez de ficar distribuindo críticas e lamentos, aceitar com um sorriso de sabedoria cada acontecimento, mais doloroso e absurdo que seja.

Não julgue. Esse é um dos ensinamentos mais comuns de vários mestres. Se sentir o desejo de condenar o mundo, foque outra coisa. Desvie o olhar para suas mãos e sinta-as sem pensar era nada. Olhe-as sem julgar. Agradeça por tudo o que essas mães lhe deram até hoje: alimento, prazer, carinho, etc. Ou então olhe para uma flor, ou sinta o chão, ou volte seu olhar para o céu, ou até mesmo fique folheando um bom livro. Esvazie sua mente e arquive o processo de julgamento. O julgamento sempre é da mente, nunca da essência / alma. Por isso que as pessoas que sentem a alma são compassivas, generosas e silenciosas.

Disse o Buda Jesus:

“Aquele que não errou que atire a primeira pedra.”

O julgador/crítico vai treinando seus olhos para ver maldade em tudo. Ele condena tudo como errado. Vê alguém muito rico e já “acha” que roubou. Vê alguém muito pobre e “acha” que é vagabundo. Vê alguém idoso namorando uma pessoa mais jovem e “acha” que é por interesse.

Atenção: também não permita que o julguem. Só aceite críticas quando elas ajudarem a construir algo. E esse tipo de crítica é difícil encontrar. As pessoas querem falar mal, e não auxiliar. O bom daquele que não julga é que não liga a mínima para julgamentos maldosos e críticas iludidas que possam fazer sobre ele.

education, bullying, conflict, problem and people concept - students gossiping behind classmate back at school

Certa vez, um buscador encontrou o mestre sufi Dhun-Nun e lhe disse que a teologia dos sufis estava errada, além de desferir outras ofensas. O mestre tirou um anel do dedo, entregou-lhe e disse: “Leve-o aos feirantes e troque por uma peça de ouro”.

Ninguém da feira ofereceu nem sequer uma peça prata. O buscador retornou. Dhun-Nun lhe disse: “leve então o anel a um joalheiro”.

O palheiro, ao tomar o anel, arregalou os olhos e ofereceu por ele mil moedas de ouro, dizendo que estava disposto a aumentar a oferta.

O buscador ficou perplexo. E o mestre Dhun-Nun lhe disse: “Seu julgamento sobre os sufis é tão mesquinho quanto o julgamento dos feirantes sobre as joias. Se você quer julgar jóias, torne-se um joalheiro. Se você quer julgar um sufi, torne-se um sufi”.

Essa parábola conta o julgamento e a perversidade do buscador na tentativa de ofender a escola de Dhun-Nun, sem ter a menor consciência do que a mesma representa.

Reflexão

O que é julgar?

Mesmo quando o julgamento é bom, continua sendo um julgamento. Vá aos poucos abrindo seu coração para o não-julgamento.

É uma nova atitude que talvez demore a se concretizar em sua vida, mas você pode incorporá-la para atingir o contentamento.

Se, no entanto, flagrar-se julgando, não se culpe, não se condene. Corrija-se. Parando de julgar, você vai economizar um universo de energia que pode ser utilizado em tantas outras atividades criativas e prazerosas.

Faça uma lista das pessoas que você julga.

Faça uma lista das realidades que você julga.

Faça uma lista das condenações que você já formulou contra você ou contra a realidade.

Treine não julgar pessoas ou situações.

Tenha  coragem  suficiente  para  refletir  sobre  quais  de  seus  julgamentos são simplesmente ilusões da realidade com base em seus conceitos de certo/errado, bonito/feio, bem/mal, etc.

Rabi Gamaliel ordenou a seu criado Tobias que fosse ao mercado comprar o que de melhor houvesse. O criado trouxe uma língua. No dia seguinte, rabi o mandou ao mercado para comprar o que de pior houvesse, e Tobias voltou a trazer-lhe uma língua. Intimado a dar uma explicação, disse:

— A boa língua é o que há de melhor no mundo. Mas a má língua é o que há de pior.

– Rabi Abáu

Sinta como seu julgamento é absurdo.

Pense em cinco situações que:

Fico feliz por não ser ou não ter: (ser pobre, sem amigos, mudo, desnutrido, inculto, solitário, etc.)

Sinta como essa análise lhe causou satisfação.

Agora faça este outro exercício:

Eu gostaria de ser ou ter: (um carro melhor, mansão em Miami, corpo perfeito, jatinho particular, etc.).

Sinta como este exercício o deixou insatisfeito consigo ou com a própria vida.

Aprenda: muitas vezes alegria ou tristeza é uma questão de como você julga uma situação.

O que você é diferente de mim para me julgar mal? Por que chove no mar?

Jesus ensinou: Não julgue.

Você consegue pensar algo que não seja um julgamento?

– Koan

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Otávio Leal

Otávio Leal

Otávio Leal (Dhyan Prem) é um místico, mestre e terapeuta moderno. Sua presença transmite e aponta na direção da amorosidade, confiança, silêncio, persistência e compaixão. Seus ensinamentos são baseados na sabedoria e ética universal de Satya (verdade), Dharma (caminho reto), Shanti (paz), Prema (amor a todos os seres), Tapas (disciplina e persistência) e Ahinsa (não violência). Autor dos livros: "O Poder da Iluminação”, “Quero Mesmo é Ser Feliz - A
Essência da Felicidade", "Histórias para Incendiar a Alma", "Mantra - A Metafísica do Som", "Maithuna - Sexo Tântrico - Você não sabe o que está perdendo", além de centenas de artigos místicos, espiritualidade, budismo, vegetarianismo, amor aos animais e ao Planeta. Atua na Humaniversidade, uma escola de Iluminação, Ousada, Vanguardista que forma alguns dos melhores terapeutas do planeta, eleita em 2008 e 2009 como a mais competente do Brasil pelo jornal "O Legado". Atua também no site www.salveaterra.com.br