Autoconhecimento Psicologia

O caso das personalidades múltiplas

Guilherme Henz Franco

Autoconhecimento II

Terminamos o artigo anterior afirmando que nem sempre se trata de conhecer o que se é: muitas vezes necessitamos inventar quem queremos ser. Nada é mais ilustrativo nesse aspecto do que o estudo feito pelo filósofo Ian Hacking em seu livro sobre Personalidades Múltiplas. Nele, fica claro que se conhecer ou desconhecer-se não é tanto um fim em si, mas uma ferramenta para a criação de si.

Antes de desenvolvermos nosso tema, é preciso salientar dois pontos. O primeiro e mais simples consiste em entender que em geral esta criação de si não é feita somente pelo indivíduo em questão, mas trata-se de uma criação coletiva. Nada é mais claro do que lembrar como os jeitos de ser de uma criança são nutridos no seio familiar, recompensados ou punidos, estimulados ou desencorajados. O segundo ponto é que apesar de estarmos usando o exemplo das múltiplas personalidades para falar de autoconhecimento ou autodesconhecimento, este não é um exemplo positivo, pois trata-se de um transtorno que implica em sofrimento psíquico. No entanto, salutar é começar por um exemplo negativo para entender que conhecer-se ou desconhecer-se pode ser tanto um fator de sofrimento quanto um fator de saúde.

No caso do chamado Transtorno de Múltipla Personalidade, há uma cisão da consciência. O debate científico tem apontado inclusive a conveniência de alterar o nome para “Transtorno Dissociativo de Identidade”. De fato, elementos psíquicos relevantes e insuportáveis a uma consciência ou repulsivos a um senso de identidade são repelidos e acabam sendo absorvidos por uma segunda ou, em casos mais fragmentários, subsequentes identidades. O caso mais emblemático na arte literária mundial, que tomamos como ilustrativo, é aquele do livro “O Médico e o Monstro”. Isto é, um homem de profissão benevolente acaba relegando impulsos agressivos que tinha e que não combinavam com o seu senso de si para uma segunda identidade.

Central aqui para que uma pessoa opere essa separação da consciência, é o caráter extremamente insuportável de algo da sua vida mental. A incapacidade de integrar um ou mais fatos, desejos ou pensamentos leva esta pessoa a aboli-los de sua consciência mais imediata. Todavia, como os elementos psíquicos, apesar de extremamente desagradáveis e insuportáveis, são tão essenciais que não podem ser simplesmente abolidos, são abrigados pela criação de um segundo senso de identidade. Tanto a abolição quanto o posterior abrigo são tentativas frustradas de saúde mental. Com isso, gostaria de finalizar ressaltando que saúde é a capacidade de integrar e enfrentar competentemente aqueles aspectos de nossas vidas que nos são essenciais. A emoção é sempre o ponto crítico que denuncia o desempenho desta nossa capacidade: sentimentos afirmativos mostram que estamos lidando bem, sentimentos negativos mostram que temos algo a melhorar.

Sobre o autor

Guilherme Henz Franco

Guilherme Henz Franco

Psicólogo desde 2007, com formação em Antropologia Social na Alemanha (2015), trabalhou por 8 anos em Psicologia Organizacional, tendo também boa experiência em Psicoterapia Adulta e Infantil, e ainda Psicologia Escolar e Avaliação Psicológica. Na área cultural, é editor do site "O Franco Atirador", desde 2016, com produções artísticas e divulgação de material científico e político, e também do Blog "O Auscultador do Invisível", desde 2007, com produção literária (traduções, poemas, aforismos e ensaios).

Dados de Contato:

Celular: 51 99779-9949
E-mail: [email protected]

Site: www.ofrancoatirador.com
Facebook: facebook.com/oauscultadordoinvisivel
Instagram: @ghenzfranco
Twitter: @ghenzfranco
Tumblr: ghfranco.tumblr.com/