Autoconhecimento Psicologia

O cotidiano de nosso de cada dia

Biancha Carvalho
Escrito por Biancha Carvalho
Olá, leitores do “Eu Sem Fronteiras”. É um prazer poder compartilhar um pouco dos meus pensamentos neste espaço. Hoje, gostaria de pensar contigo sobre nosso cotidiano que, de tão habitual e corriqueiro, nos escapa nos seus ricos detalhes.

Ouço o despertador tocar: hora de acordar! Estico o braço para acabar com o sofrimento de ser acordada pela mesma música todos os dias. “Alarme desligado, ufa! Que horas são? Nossa… quantas notificações, deixa eu ver…”. E lá se vão os cinco, 10, 15 primeiros minutos do meu dia. “Chega de redes sociais, vou fazer o café”. Enquanto pego as fatias de pão e ponho na sanduicheira, penso: “ual a programação de hoje?” e, em menos de um minuto, me perco em meus pensamentos. Mas o café, ah, o café… Quando me dou conta, seu aroma irresistível me convida a esta experiência que é prepará-lo como se fosse a primeira vez. Seguro o coador (sim, coador de pano) enquanto aprecio a água passando pelo pó e descendo até a última gota em minha xícara.

E todo dia é tudo sempre igual: o despertador do celular que me convida sutilmente ao mundo tecnológico através das notificações. Por outro lado, o café me convida ao retorno da experiência e me pego totalmente imersa, curtindo a simplicidade do momento.

E como já dizia Chico Buarque: “Todo dia ela faz tudo sempre igual e sacode às seis horas da manhã”. O script do nosso dia a dia sempre está pronto, seja decorado em nossa mente ou registrado na agenda do celular: acordar, café da manhã, estudo/trabalho, almoço, trabalho/estudo, jantar, estudo/atividade física/tempo com a família. Compromissos, compromissos, compromissos… Todo dia, tudo sempre igual!

Nas redes sociais, o mesmo “bom dia” no grupo de família, a mesma selfie registrando algum momento do dia (o look, a hora do treino ou, no meu caso, a comida, pois, além da psicologia, também amo cozinhar). As frases reflexivas que nos tomam por alguns instantes, as imagens surrealmente lindas, os memes e os gifs de animais que nos fazem desmontar de tanto rir… E, pronto, timeline atualizada! Mas, ainda assim, sempre igual.

O que está nas entrelinhas de nossas tarefas diárias, para além do que está aparente nas postagens e nos feeds de notícias? Não seria difícil descrever quais são nossas atividades diárias e como as desempenhamos, mas, como foi para você a experiência de preparar o café da manhã pela milésima vez hoje? “Normal, o de sempre”? Me pego pensando em como temos experienciado as coisas de maneira tão automática, como temos existido de modo automático. Às vezes, o que fazemos ao longo do dia é tão normal, tão igual que não nos damos conta e, mais uma vez, ativamos o modo automático. Estaríamos nós, como consequência desse automatismo, perdendo o sensível que há na experiência vivenciada em cada fazer?

O que está nas entrelinhas de nossas tarefas diárias, para além do que está aparente nas postagens e nos feeds de notícias?

Talvez por isso seja tão difícil lembrar como foi a experiência de preparar o café da manhã, afinal, “é só mais uma refeição, preciso checar minha agenda, redes sociais…”. Sabe quando dirigimos no “modo automático”? Quando estamos mergulhados em nossos pensamentos e, ao chegarmos no destino, nos perguntamos “como vim parar aqui?”. Situações do dia a dia me fazem pensar que estamos vivendo assim, no automatismo, onde não é permitido perder tempo. Talvez poucos digam, mas muitos acreditem que apreciar o preparo do café da manhã é uma perda de tempo, afinal, tempo é dinheiro. Pode não ser dinheiro pra você, mas certamente é algo valioso e por isso ele deve ser meticulosamente bem administrado. De onde vem essa “verdade”?

Qualquer semelhança com o filme “Tempos Modernos” do Charlie Chaplin não me parece ser mera coincidência. O filósofo alemão Martin Heidegger nos convida a pensar o quanto verdades absolutas nos distanciam daquilo que podemos ser, de um modo mais autêntico. Para o autor, estamos inseridos em um contexto de práticas que dita o modo como devemos conduzir a vida, ou seja, levamos a vida como se costuma viver, de modo simplesmente dado e determinado.

Certo dia, um colega tentou me convencer de que preciso ter o melhor smartphone. Assim como ele, já acreditei que tivesse a necessidade de ter um iPhone. Essa verdade absoluta foi se dissolvendo através de constantes questionamentos: é uma possibilidade e/ou uma necessidade? Do que eu preciso em um celular? Cheguei à conclusão de que o meu velhinho de 3 anos continua sendo suficiente. Ele praticamente disse que eu estava louca: “Como assim? todo mundo quer ter um iPhone!”. Mas será que eu realmente quero, ou será que quero porque dizem que devo querer?

Assim como no nosso cotidiano, as redes sociais ditam o que devemos vestir, falar, comer, compartilhar e como devemos cuidar do nosso corpo.

Outro exemplo: estamos a todo o momento conectados, pois a internet delineou um novo modo de ser e se relacionar com os outros. Assim como no nosso cotidiano, as redes sociais ditam o que devemos vestir, falar, comer, compartilhar e como devemos cuidar do nosso corpo. Contudo, nos compete o movimento reflexivo e a atenção em cada fazer, ou seja, em nossas atividades mais corriqueiras, pois estamos sempre sujeitos a perder o que há de sensível na experiência. Em outras palavras, o cuidado da nossa existência, de lembrarmos que não existem verdades absolutas, mas a cada um cabe o que lhe faz sentido. Não falo de um sentido universal e comum a todos, e sim um sentido singular de uma verdade originariamente sua.

Heidegger descreve como “impessoalidade” a maneira superficial como estamos convivendo e experienciando as coisas atualmente. Vivemos de modo impessoal quando não enxergamos outras possibilidades de poder ser para além da que estamos vivendo/sendo.

E quanto ao cotidiano… sim! Todo dia provavelmente “ela” e nós continuaremos fazendo tudo sempre igual, sacudindo às seis, às sete, às oito horas da manhã. Como a própria música diz: “Oras o beijo será com boca de hortelã, oras com boca de café ou de feijão”. Mas cabe a nós sentirmos (experienciarmos) o beijo que, apesar de ser sempre igual, será sempre único. E aí, como foi o preparo do seu café da manhã hoje?

Sobre o autor

Biancha Carvalho

Biancha Carvalho

Psicóloga com especialização em psicologia clínica na perspectiva fenomenológico-existencial pelo instituto de Psicologia fenomenológico-existencial do Rio de Janeiro – IFEN. Experiência como psicóloga social em atendimento a crianças, adolescentes em situação de acolhimento institucional (abrigo). Atua na área clínica, em consultório particular, atendimento domiciliar a idosos e como voluntária no Projeto Social Pro-criança cardíaco/RJ.

Contato:

E-mail: [email protected]
Celular: (21) 9 95497896