Autoconhecimento

Carpe Diem: o presente do presente

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Grande parte de nossas vidas é dedicada ao planejamento de eventos futuros, muitas vezes gerando privações no presente para tentar garantir um resultado positivo no amanhã incerto. Nessa jornada diária, rememoramos com saudosismo os bons tempos de nossa infância e juventude, no qual essas preocupações não existiam, ou melhor, até existiam, mas eram coisas de adulto. Não que não seja uma atividade saudável retomar lembranças carinhosas do passado ou buscarmos estruturar o futuro, muito pelo contrário, desde que não se perca o presente de vista.

Comparado ao que ficou de bom no passado e ao que pode acontecer de melhor ainda no futuro torna o presente um pouco desinteressante. O problema é que enquanto o passado já está definido de forma imutável, o futuro é um verdadeiro mistério, já que depende de uma série de fatores (muitos deles que independe da nossa vontade) para se realizar. Qualquer definição boa ou ruim que possa ser dada ao presente é de única responsabilidade nossa.

Se o atual momento é digno de preocupação, tristeza ou alegria é por causa dos sentimentos que empregamos às ações realizadas por nós mesmos no presente.
O mundo é o que é, para o bem e para o mal, devido às mobilizações humanas nos aspectos individuais e sociais ocorridas no passado, mas que transformou o futuro e que hoje é o nosso presente. A possibilidade de agir só existe no momento exato em que vivemos.

A importância do presente é destacada há milênios. O poeta latino Horácio (65 a.C. – 8 a.C.) aconselhou a uma amiga no Livro I de “Odes” que colhesse o dia de hoje e confiasse o mínimo possível no amanhã, popularizando a expressão “Carpe Diem”, que significa justamente “aproveite o dia”.

shutterstock_257048800
Erroneamente, o Carpe Diem é relacionado à libertinagem, que é diferente de liberdade.

Não deixar de viver o hoje esperando o amanhã não quer dizer que deve-se desprezar a tudo e todos somente em prol do prazer imediato. Enquanto o excesso de futuro gera ansiedade, viver o passado em demasia gera depressão. Tudo requer equilíbrio, inclusive viver.

Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje. Isso vale tanto para as obrigações quanto para os pequenos prazeres do cotidiano. Visitar um amigo, passear em um parque ou ler um livro que você ganhou de presente no natal passado são ações que você pode adiar e que, efetivamente, não vão afetar seu cotidiano em grandes proporções, porém não sabemos se vamos ter a oportunidade de realizar essas atividades amanhã. Isoladamente, as pequenas coisas não representam importância significativa, porém o adiamento delas faz com que um pouco de nós morra a cada dia em que se perde uma nova oportunidade de fazer o que nos faz feliz.


  • Texto escrito por Diego Rennan da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]