Autoconhecimento Filosofia

O que é a lógica do Cisne Negro de Nassim Taleb

Ilustração de uma moça em uma ilha vendo o pôr do sol enquanto está sob uma árvore em que no seu topo há a representação de um cérebro
95C / Pixabay
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Há poucas certezas na vida, mas uma delas é a seguinte: algo completamente inesperado vai acontecer, seja para o bem ou para o mal. Um parente próximo e amado pode morrer repentinamente, você pode conhecer o amor da sua vida hoje, pode encontrar um animalzinho na rua e querer adotá-lo amanhã, pode perder o emprego mesmo pensando que estava seguro em seu trabalho…

As possibilidades são literalmente infinitas, simplesmente porque é impossível prever como o caos e a aleatoriedade vão se manifestar… Então como lidar com eles quando eles surgem em nossa vida? Como explicá-los? São essas perguntas que fazem parte da lógica do cisne negro, desenvolvida por Nassim Taleb. Para entender a lógica do cisne negro, é importante, antes de mais nada, conhecer outra teoria muito importante: a antifragilidade. Entenda cada um desses conceitos e como eles podem mudar a sua vida!

O que é antifrágil e quem é Nassim Taleb

O inventor da teoria da antifragilidade é o libanês Nassim Nicholas Taleb, nascido em 1960. Taleb é um escritor de livros que se tornaram best-sellers, além de palestrante e matemático. Além disso, ele é um megainvestidor da bolsa de valores dos Estados Unidos e tem uma fortuna que estima-se que esteja na casa dos 30 milhões de dólares.

Mas não é só por seu dinheiro que ele é conhecido, já que ele é autor de algumas teorias bastante importantes e reconhecidas do pensamento filosófico e empreendedor contemporâneo, como a própria teoria da antifragilidade e a teoria do cisne negro. Taleb também exerce a função de professor no Instituto Politécnico da Universidade de Nova Iorque, além de ser presidente da empresa de investimentos Empirica.

Moça com um livro em frente ao seu rosto
Leah Kelley / Pexels

Não se sabe ao certo precisar a origem de sua fortuna e ele não fala muito sobre o assunto, mas a teoria mais aceita é de que ele fez bastante dinheiro durante o crash da bolsa de valores norte-americana que aconteceu em 1987, evento conhecido como Segunda-feira Negra. Em outras crises semelhantes, que aconteceram nas décadas seguintes, supõe-se que ele tenha ampliado o tamanho de sua conta bancária.

Considerado um homem culto e intelectual, Taleb é fluente ou capaz de ler em inglês, árabe, francês, espanhol, italiano, aramaico, latim e grego. Antes de se dedicar completamente à sua carreira como escritor e palestrante, ele exerceu cargos de direção e gerência em diversos bancos e instituições financeiras, como CSFB, UBS, BNPParibas e Bankers Trust.

Antifragilidade

A antifragilidade é uma teoria apresentada no livro “Antifrágil: Coisas que se beneficiam com o caos” (Editora Objetiva, 2012), de Nassim Taleb. Segundo essa teoria, fragilidade é ceder e se desesperar diante de situações adversas. Ao contrário do que muitos pregam, resiliência — voltar ao “normal” após uma dificuldade — não é o oposto nem a solução para a fragilidade. De acordo com Taleb, é preciso viver a adversidade e se deixar afetar por ela, já que tristeza, desespero, medo e incerteza são sentimentos incontroláveis, mas crescer com essa situação, aprimorando o seu nível de experiência e a sua maturidade.

Ao assimilar e desenvolver a antifragilidade, você passa a ver que a vida é instável e que adversidades e acontecimentos inesperados podem surgir a qualquer momento, então não adianta lutar contra eles nem se lamentar quando acontecem, porque é apenas a vida operando da forma como ela naturalmente é. Ser antifrágil é aceitar o caos, tomar decisões sem tentar prever o que acontecerá à frente, porque é impossível, e crescer e amadurecer com todos os sentimentos negativos que surgem por causa da situação imprevista.

A Lógica do Cisne Negro

Apresentada no livro “A lógica do cisne negro” (Best Seller, 2011), essa teoria de Taleb tem esse nome por causa da maneira como foi descoberto o primeiro cisne negro catalogado pela ciência. Até o ano de 1770, os europeus nunca haviam visto um cisne negro. Chamar um cisne branco de cisne branco seria até pleonasmo, à época, visto que todos os cisnes conhecidos eram brancos. Em 1770, porém, os ingleses foram à Austrália e lá avistaram pela primeira vez um cisne negro, algo completamente inesperado.

Livro aberto com feixe de luz sobre ele
Nitin Arya / Pexels

A partir dessa história, Taleb afirma que costumamos acreditar tanto na sabedoria convencional, isto é, aquela que acumulamos a partir do que vemos e experimentamos no mundo, que só descobrimos que estávamos completamente errados quando nos vemos diante de algo inesperado, que nem imaginávamos que poderia existir, invalidando aquele conhecimento prévio.

Além disso, essa lógica defende que é impossível tentar prever ou antecipar o futuro, visto que aquilo que conhecemos e que imaginamos nem se compara àquilo que desconhecemos e que, portanto, somos incapazes de imaginar.

Um exemplo da lógica do cisne negro

Quer um exemplo? Imagine que você tem pensado em pedir o seu parceiro ou a sua parceira em casamento depois de anos de um namoro feliz e estável, mas você ainda tem dúvidas se ele/ela dirá “sim” ao seu pedido. Você imagina os cenários em que ele/ela diria “sim” e como reagiria, mas também imagina um “não” e tenta até mesmo procurar os motivos que levariam a uma negativa.

Repentinamente, então, você descobre que o seu parceiro estava traindo você e que não deseja mais estar em um relacionamento com você. O estado seguinte é pensar em todos os indícios que a pessoa deu de uma possível traição, em busca daquilo que o fará dizer “é, eu deveria saber que isso aconteceria”, mas seria simplesmente impossível prever o que aconteceu.

É claro que esse é apenas um exemplo, mas é mais ou menos assim que acontecem os eventos que seguem a lógica do cisne negro. Segundo Taleb, o cisne negro de sua teoria tem três principais características: imprevisibilidade; impacto enorme e, às vezes, irreversível; e, após seu acontecimento, o surgimento de teorias e explicações que tentem afirmar a ocorrência como menos aleatória ou possivelmente previsível.

Homem de frente para um quadro  repleto de anotações
Startup Stock Photos / Pexels

Voltemos ao exemplo. A traição do parceiro foi imprevisível, já que você estava pensando em casamento. Ela causou um impacto enorme e irreversível: o término da relação. E, por fim, após o acontecido, você tentou buscar explicações ou justificativas para o acontecimento inesperado.

Outro exemplo, este verdadeiro, é citado pelo próprio Taleb em seu livro: o ataque às torres gêmeas em 11 de setembro de 2001. Segundo o autor, o atentado foi completamente inesperado, visto que os Estados Unidos têm o maior poderio de defesa do mundo, mas nem assim conseguiu prever o que aconteceu. O segundo ponto: ele causou um impacto enorme e irreversível: o recrudescimento da guerra ao terrorismo, mais discriminação aos árabes vivendo em solo americano, medidas de segurança mais rígidas e controle aéreo mais restrito. Terceiro ponto: após o ataque, analistas, comentaristas de TV, escritores e jornalistas desenvolveram uma série de teorias de por que aquilo teria acontecido e como o governo poderia ter evitado esse infeliz atentado, mas a verdade é que, sem aviso prévio nem indícios, duas aeronaves simplesmente se chocaram com um par de prédios. Seria simplesmente impossível prever que isso aconteceria.

Aprendizados que podemos ter com a lógica do cisne negro

O principal aprendizado que podemos absorver com a lógica do cisne negro é que a aleatoriedade é implacável e é uma certeza. Uma hora ou outra, a vida nos atingirá com eventos e acontecimentos inesperados, alguns positivos, outros bastante negativos. Tentar prever e estar preparado para eles é simplesmente impossível, porque nossa mente não tem nem mesmo a capacidade de imaginar o que pode acontecer.

Você pode, por exemplo, imaginar o que fará se perder o emprego ou se uma pessoa muito importante da sua vida morrer, mas você não consegue prever cair num bueiro e quebrar a perna ou achar uma maleta com R$ 1.5 milhão na rua. É simplesmente impossível pensar nessas possibilidades.

Aceitar o caos e que não estamos no controle de absolutamente nada é o principal aprendizado da lógica do cisne negro, que também nos ensina que qualquer tentativa de explicar um acontecimento aleatório e imprevisível é vã, visto que ele é simplesmente isso: inesperado e caótico, então devemos apenas aceitar que aconteceu, lidar com a dor (ou com a felicidade) advinda dele e, em seguida, evoluir, amadurecer e ganhar mais experiência para se preparar para o momento em que a aleatoriedade der as caras no mundo novamente.

E você, como lida com a aleatoriedade e com mudanças repentinas na vida? Você se considera uma pessoa madura o suficiente para lidar com imprevisibilidades e com o caos? Se você não se vê assim, aprender sobre a lógica do cisne negro talvez seja muito bom para o seu processo de autoconhecimento!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br