Autoconhecimento

Valide o seu sentimento

Mulher sentada na janela, olhando para fora, com as mãos segurando os joelhos.
123/Aleksandr Davydov
Marisa Bussacos
Escrito por Marisa Bussacos

O que você está sentindo nesse momento? Como é para você assumir esse sentimento? Quando se trata de sentimentos que consideramos “ruins”, como a raiva, a inveja ou até o medo, a nossa tendência é escondê-los, ignorá-los e torcermos para que ninguém os veja. Essas atitudes, em vez de magicamente os transformarem, dão ainda mais força e os potencializam. Talvez não naquele mesmo momento, mas de alguma forma o sentimento extravasará e, muitas vezes, não da melhor maneira possível.

Por isso, os convido aqui a olharem para o que estão sentindo nesse momento sem julgamento de valor. Simplesmente coloquem a mão de vocês no peito, fechem os olhos e sintam. Sintam muito. E dêem nome à isso. Não estamos acostumados a nomear o que sentimos.

Segundo Marshall Rosenberg, autor do livro “Comunicação Não-Violenta”, por não termos o hábito de nomeá-los, confundimos pensamentos com sentimentos. É necessário exercitarmos para poder ampliar o nosso repertório. Se nem nós sabemos o que estamos sentindo, como podemos cobrar do outro que nos entenda?

Mulher de cabelos cacheados bebendo em uma caneca.
Foto de Andrea Piacquadio no Pexels

Durante a quarentena tenho atendido clientes de Coaching e Aconselhamento Biográfico que não conseguem dar vazão aos seus próprios sentimentos. Isso porque os consideram banais demais frente ao que estão passando as pessoas contaminadas com a Covid-19, aos moradores de periferias que não têm condições básicas para sobreviverem e aos médicos que estão vivenciando o caos nos atendimentos e precisam escolher quem irá sobreviver.

Você também pode gostar

Sim, tudo isso é triste e desesperador, mas não podemos invalidar o que sentimos por achar que existem pessoas em situações bem piores.

A partir do momento em que validamos os nossos sentimentos, permitimos que quem está à nossa volta faça o mesmo. E isso é libertador. Para todos.

Casal usando roupões em frente a uma janela, sorrindo um para o outro.
Foto de Andrea Piacquadio no Pexels

Estamos em um momento único de nossa história em que precisamos ficar dentro de nossas casas por nós e por todos. Que possamos aproveitar para adentrar também o nosso íntimo e descobrir cada sentimento que até então não foi validado e deixá-lo ir. Porque sentimentos também passam, se tiverem nossa permissão.

Sobre o autor

Marisa Bussacos

Marisa Bussacos

Coach e empreendedora. Apaixonada por desenvolvimento humano, pessoas e suas complexidades. Curiosa por ideias criativas e negócios com alma. Formada como Coach no Instituto Ecosocial com base Antroposófica.

Graduei em Propaganda e Marketing pela ESPM, com formações em Comunicação Não-Violenta, Facilitação de Processos Individuais e Grupos e Empreendedorismo Feminino pelo 10.000 Women, Goldman Sachs.

Trabalhei com a capacitação e melhora da autoestima de tecelões na Índia e em Branding e Publicidade na Natura. Empreendi a Ekoa Café, um espaço cocriado para nutrir relações, onde criei a corrente do Café Compartilhado que se espalhou por outras cafeterias do Brasil.

Atualmente realizo atendimentos de Coaching individual e facilito grupos e workshops de Desenvolvimento Humano.

Contatos
E-mail: [email protected]
Skype: marisabussacos
Site: marisabussacos.com.br
Linkedin: linkedin.com/in/marisabussacos
Página Facebook: Marisa Bussacos
Instagram: @marisabussacos
Telefone: 11 98012-5716 (WhatsApp)