Convivendo Doenças Mentais

O que é necrofilia? Características e tratamento

Homem deitado no chão de olhos fechados ao lado de flores
Fernando Cabral / Pexels
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Quando uma pessoa falece, os familiares ou pessoas próximas devem decidir o que será feito com aquele corpo que um dia viveu. Alguns optam pelo enterro, outros pela cremação. Esse é o ciclo natural da vida, porque um corpo sem vida deixa de fazer parte da sociedade.

Porém, ele ainda pode ser preservado em um caixão para que os entes queridos o visitem, ou pode ser transformado em cinzas para ser guardado ou espalhado em um local simbólico.

O que não pode acontecer com o corpo de alguém que já faleceu é uma relação sexual. Além de ser incapaz de reagir a qualquer estímulo, o estado de decomposição da matéria orgânica pode trazer consequências negativas para quem almeja esse tipo de contato.

Também, uma relação desse tipo só pode acontecer quando há o consentimento das pessoas envolvidas, o que é impossível se uma delas já tiver falecido. Apesar disso, há pessoas que praticam a necrofilia, desrespeitando corpos que um dia viveram e provocando riscos para si e para quem convive com elas.

Quando uma pessoa falece, os familiares ou pessoas próximas devem decidir o que será feito com aquele corpo que um dia viveu. Alguns optam pelo enterro, outros pela cremação. Esse é o ciclo natural da vida, porque um corpo sem vida deixa de fazer parte da sociedade.

Porém, ele ainda pode ser preservado em um caixão para que os entes queridos o visitem, ou pode ser transformado em cinzas para ser guardado ou espalhado em um local simbólico.

O que não pode acontecer com o corpo de alguém que já faleceu é uma relação sexual. Além de ser incapaz de reagir a qualquer estímulo, o estado de decomposição da matéria orgânica pode trazer consequências negativas para quem almeja esse tipo de contato.

Também, uma relação desse tipo só pode acontecer quando há o consentimento das pessoas envolvidas, o que é impossível se uma delas já tiver falecido. Apesar disso, há pessoas que praticam a necrofilia, desrespeitando corpos que um dia viveram e provocando riscos para si e para quem convive com elas.

O que é necrofilia?

Mulher em pano transparente segurando flores em frente ao rosto
Lorraine Steriopol / Unsplash

Em termos simples, necrofilia é o sentimento de excitação causado pelo contato visual ou físico com um cadáver. O nome vem do grego “nekrós”, morto, e “filía”, amor, e essa prática existe desde a Antiguidade.

Ela ainda pode se apresentar de três maneiras distintas: comum (uma pessoa mantém relações sexuais com um cadáver), homicida (uma pessoa assassina alguém para manter relações sexuais com a pessoa falecida) e fantasiada (quando o ato sexual não é consumado, mas a pessoa se sente excitada ao imaginar a relação acontecendo).

O que é uma pessoa necrófila?

Uma pessoa necrófila é aquela que sente desejo sexual por cadáveres. Ela pode ou não praticar o ato sexual com um deles, dependendo do tipo de necrofilia, mas continuará sentindo atração por um corpo nessa condição, em decomposição.

É importante ressaltar que uma pessoa necrófila sofre de um transtorno mental, e que deve ser tratada como tal. É preciso analisar cada caso para entender o que levou essa pessoa a desenvolver esse desejo mórbido, e as causas são inúmeras. Traumas na infância ou alguma questão sexual não resolvida podem ter antecedido esse tipo de comportamento.

Como a necrofilia afeta a vida do indivíduo?

A necrofilia não é só um transtorno mental, mas também um problema que pode trazer graves consequências para a saúde física de um indivíduo e para quem convive com ele. Quando um corpo entra em estado de decomposição, bactérias, fungos e vírus se manifestam com mais intensidade, mesmo que essa pessoa já falecida tenha passado por uma série de etapas de higienização.

As bactérias do grupo coliforme e Staphylococcus aureus são as mais presentes em cadáveres, e elas podem causar doenças como conjuntivite e pneumonia. Para entrar em contato com elas, até mesmo um simples beijo em uma pessoa falecida pode ser perigoso. Por isso, em velórios, evite tocar na pessoa falecida e, se o fizer, higienize as mãos depois.

Mulher branca deitada num chão preto.
Hailey Kean / Unsplash

O risco maior está nas secreções que um corpo em decomposição pode liberar. H1N1, tuberculose, raiva, hepatites B e C e HIV são alguns dos vírus que resistem por algum tempo em um organismo já falecido. Essas doenças apresentam um alto risco de contágio e, uma vez contraídas por alguém que pratica necrofilia, é muito fácil transmiti-las a quem vive com essa pessoa.

Há ainda um agente infeccioso que pode permanecer em um cadáver pelo tempo de três anos. Ele recebe o nome de príon e é resistente aos métodos de esterilização adotados por hospitais e funerárias. Em contato com o corpo de uma pessoa viva, ele provoca a degeneração do sistema nervoso central, podendo levar a doenças como demência.

O que a lei fala sobre necrofilia?

Segundo o Código Penal Brasileiro, a necrofilia é um crime que se enquadra no artigo 212. Observe o que ele diz:

“Art. 212. Vilipendiar cadáver ou suas cinzas

Pena – detenção, de um a três anos, e multa”.

Nesse sentido, “vilipendiar” tem o significado de “aviltar, envilecer, menosprezar, menoscabar, depreciar, desprezar, afrontar, ofender, insultar, ultrajar ato ou objeto religioso”. Dessa forma, entende-se que de acordo com o Código Penal Brasileiro qualquer um desses atos, inclusive a necrofilia, enquadra-se como um crime passível de detenção e multa.

Sinais de que uma pessoa é necrófila

Identificar uma pessoa necrófila é um processo que leva tempo e que deve ser feito por um profissional. É importante não só reconhecer que a pessoa sofre desse transtorno, mas também tratá-la com os instrumentos adequados. Porém, existem alguns padrões que podem ser identificados em uma pessoa necrófila.

A pessoa que sofre desse transtorno mental pode fantasiar relações sexuais nas quais não há o consentimento da outra pessoa envolvida. Ou então ela pode sentir prazer ao pensar sobre cadáveres ou ao se colocar perto deles. Algumas podem até mesmo sentir o desejo de provocar dor física em si ou em outras.

Se você está sentindo algum dos sintomas apresentados acima, procure auxílio psicológico. Você vai descobrir ao longo deste texto que é possível se livrar desse transtorno e que você pode identificar o que está fazendo com que você sinta esse tipo de desejo. Continue lendo e aprenda mais!

Necrofilia tem tratamento?

A necrofilia é um transtorno mental como qualquer outro. Ainda que as consequências da consumação dos desejos de quem sofre da doença sejam alarmantes e chocantes, é possível investigar o que está por trás disso e resolver o problema. O tratamento será realizado com terapia e, se necessário, com a ingestão de medicamentos específicos.

Cada caso deve ser analisado por um profissional que tenha conhecimento desse transtorno e que possa trazer qualidade de vida para quem sofre dele. Uma pessoa necrófila tem uma doença que pode ser tratada, e depois disso ela poderá ter uma vida sem problemas relacionados ao sexo.

Como denunciar casos de necrofilia?

Caso você suspeite que uma pessoa está mantendo relações sexuais com cadáveres, ou se tem certeza de que ela está fazendo isso, o mais indicado é fazer uma denúncia contando tudo que você sabe para a polícia. Você pode fazer isso de forma anônima, pelo telefone 181. A sua identidade será protegida e a pessoa que você indicou será investigada.

A necrofilia é um comportamento que gera repulsa na maior parte da sociedade, porque nenhum corpo deveria ser violado dessa forma, inclusive aqueles que já faleceram. No entanto, é importante mostrar para as pessoas que sofrem com esse transtorno que existe uma maneira de se livrar desse problema e levar uma vida como qualquer outra. Compartilhe o que você aprendeu sobre o tema e busque sempre aprimorar seus conhecimentos!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]