Convivendo

Os animais pensam e têm sentimentos?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Em algum momento da sua vida, você já deve ter se perguntado se os animais pensam e possuem sentimentos? Pois esse debate é bem antigo. Os filósofos René Descartes e Aristóteles acreditavam que os reflexos é que governavam os animais. Já William James e Charles Darwin defendiam que os animais teriam uma complicada vida mental. Isso significa dizer, que a mente seguia uma continuidade a partir do momento da evolução das espécies, ou seja, tantos os animais no topo da escala evolutiva, quanto os que ocupavam níveis mais baixos, teriam sentimentos e pensamentos, mas é claro, que em graus distintos.

Até pouco tempo, a própria ciência dividia a vida entre animais e humanos. Atualmente, cientistas e pesquisadores acreditam que a diferença entre as capacidades mentais dos animais com a nossa, não é de tipo, e sim de grau, concordando com a afirmação de Darwin. Em uma comparação chula, entre uma Parati e uma Ferrari por exemplo: ambos são carros, mas existe uma grande diferença de nível entre um e outro.

Nos dias atuais, cientistas acreditam que realmente os animais pensam e têm sentimentos, apesar de a mente deles não ser tão complexa quanto a nossa existe mais do que se pode imaginar acontecendo em suas cabeças.

No entanto, existem muitas limitações. Nenhuma máquina ou aparelho é capaz de entrar dentro da cabeça de um cachorro, de um gorila, de uma galinha, ou de um peixe e mostrar exatamente o que eles veem, o que pensam.

Nível de consciência

Para entender de verdade como a inteligência dos animais funciona, temos de compreender a maneira como eles realmente percebem o mundo. Para nós, Homo Sapiens, uma flor significa o amor, já para um besouro, a mesma flor representa um lugar de caça. Ao mesmo tempo, um cachorro não irá dar muita bola para ela, a não ser que o seu dono a tenha tocado ou que haja resíduos de urina de um outro cachorro.

Isso significa que os cães sentem o mundo através do focinho e nós, somos totalmente visuais. Por exemplo, um cachorro consegue sentir o cheiro de uma colher de açúcar diluída em uma quantidade de café que equivale a dois campos de futebol, enquanto nós, nem conseguimos saber se o café foi adoçado com uma colher de açúcar sentindo apenas o cheiro.

Por isso, algumas raças são consideradas ótimos detetives e são até mesmo utilizados pela polícia. Um estudo recente de uma Universidade do Japão, constatou que o olfato dos cachorros possui o poder de rastrear doenças em seres humanos.

O espelho é considerado um clássico teste para despertar consciência dos animais. Apesar dos gatos e cães não se reconhecerem frente a um espelho, golfinhos, elefantes e chimpanzés passam no teste sem nenhuma dificuldade.

Nível de inteligência

Gatos e cães sabem exatamente como manipular os donos. Quem nunca se sentiu tocado ao ver o seu cãozinho chorando como um bebê, e sentiu uma urgente necessidade de dar logo comida para ele? Pois é, esses animais são malandros. Já nascem sabendo como manipular a fraqueza dos donos, dando um verdadeiro show de inteligência emocional.

O contato visual é o grande segredo. Aliás, os cães são os únicos animais que sacam o que você está pensando e agem de acordo com as suas emoções.

Em contrapartida, por sua vez, os papagaios ganham de lavada quanto o assunto é o brilho da mente dos gatos e dos cachorros. Alguns possuem um dialeto igual a de uma pessoa de dois anos e são capazes de diferenciar objetos por sua cor, formato e composição.

Com o cérebro do tamanho equivalente a três amendoins, podemos concluir que o tamanho do mesmo não significa muita coisa.

Nível de comunicação

O único animal que é capaz de formas complexas frases, dominar a sintaxe e guardar o que pensa, é o Homo Sapiens. No entanto, outras espécies, apesar de não conseguirem reproduzir a linguagem com desenvoltura (como por exemplo um papagaio), conseguem compreendê-la.

Quando treinados, alguns animais compreendem de maneira fácil certa parte da nossa linguagem. E eles se comunicam entre sim. Os golfinhos por exemplo, se comunicam através de sinais corporais, como tapas na água com a cauda, assobios, fricção da mandíbula e saltos. Já as abelhas, quando querem informar as outras a direção e a distância dos alimentos, começam a dançar.

Cada espécie possui um modelo único de comunicação.

Campo emocional

Poucos animais são capazes de mostrar com tanto afinco suas emoções como o elefante. Quando um membro da manada morre, eles se reúnem em volta dele e permanecem em luto. O mesmo também acontece com os chimpanzés órfãos: eles são capazes de passar dias se despedindo de sua mãe.  

As vacas por sua vez, são grandes fofoqueiras. Além de terem seus momentos mais tristes, elas formam grupos pequenos de amigas, tem inimigas e podem guardar rancor e raiva por anos e anos.

O sexo também é prazeroso para esses animais. Os mamíferos têm relações bem parecidas com as nossas.


Texto escrito por Flávia Faria da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br