Comportamento Convivendo

O que é Outubro Rosa?

Imagem de folhas de inverno na cor rosa, representando a campanha Outubro Rosa.
Peter Nelson / Pixabay
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Na campanha conhecida por Outubro Rosa, mundialmente são intensificadas as ações que visam combater o câncer de mama e o câncer de colo do útero, doenças graves que mais acometem as mulheres no mundo. Conheça mais sobre esse assunto fundamental para a conscientização de todos e junte-se a essa causa sensível que salva vidas.

O Outubro Rosa

Anualmente a campanha mundial Outubro Rosa é organizada por governos e associações que mobilizam as sociedades e viabilizam três focos estratégicos de controle do câncer de mama e de colo do útero: a informação sobre essas doenças, a prevenção, o diagnóstico precoce e a mamografia e a obtenção de recursos de apoio à pesquisa para o tratamento e para a cura.

Durante todo o mês, as mulheres são incentivadas a conhecer o assunto e a realizar os seus exames, pois a detecção precoce do câncer de mama e do câncer de colo do útero aumenta a possibilidade de cura e minimiza as taxas de letalidade dessas doenças, evitando ainda tratamentos significativamente complexos e custosos para pacientes, familiares, instituições de saúde e para o governo.

Como surgiu o Outubro Rosa?

O Outubro Rosa surgiu nos Estados Unidos, onde vários estados realizavam no mês de outubro mamografias e ações de combate ao câncer de mama.

Na década de 1990 a Fundação do Câncer de Mama Susan G. Komen distribuiu aos participantes da Primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova Iorque, um laço cor-de-rosa, que posteriormente se tornou símbolo do movimento. O objetivo do evento era arrecadar fundos para a pesquisa que a fundação realizava para “acabar com o câncer de mama para sempre”, slogan e missão da instituição.

Em 1997, algumas instituições nos Estados Unidos começaram a incentivar ações voltadas à prevenção do câncer de mama, chamando a iniciativa de Outubro Rosa.

Com o intuito de sensibilizar a população, principalmente os locais públicos eram decorados com laços rosas. Depois surgiram eventos como corridas e desfiles com mulheres que sobreviveram ao câncer de mama.

Posteriormente, se passou a iluminar com luz rosa monumentos, edifícios públicos, viadutos, teatros etc. para lembrar os objetivos principais da campanha.

Imagem do laço da campanha Outubro Rosa.
Marijana1 / Pixabay

Com a aprovação do congresso americano, o mês de outubro se tornou o mês nacional de prevenção ao câncer de mama.

A iluminação e o laço rosa chamaram a atenção do mundo, que logo adotou a campanha do Outubro Rosa para conscientizar a sociedade em geral.

No Brasil, a primeira ação voltada para a iluminação cor-de-rosa ocorreu em 2002, em São Paulo, no Obelisco Mausoléu ao Soldado Constitucionalista do Parque do Ibirapuera.

A partir de 2008 foram se tornando cada vez mais frequentes monumentos e prédios públicos iluminados na cor, como mensagem visual do Outubro Rosa, ampliada para todos os estados do país, incluindo corridas e campanhas e fortalecendo o movimento a cada ano.

O Inca (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva), do Ministério da Saúde, se uniu ao Outubro Rosa em 2010 e a partir de 2011 a campanha passou a estimular também a prevenção ao câncer de colo do útero.

Fundação Susan G. Komen

A Fundação Susan G. Komen (originalmente Fundação do Câncer de Mama Susan G. Komen) iniciou as suas atividades em 1982, com Nancy Goodman Brinker. A irmã Susan, diagnosticada com a doença aos 33 anos e falecida três anos mais tarde, talvez tivesse um resultado diferente se soubesse mais sobre o câncer de mama e o seu tratamento, o que estimulou a abertura da fundação.

Atualmente a fundação é a maior organização não governamental de câncer de mama do mundo e até o momento (2020) já financiou mais de 980 milhões de dólares em pesquisa e forneceu mais de 2 bilhões de dólares para programas de conscientização, tratamento e apoio psicossocial a milhares de pessoas em mais de 60 países, conforme informações do site da entidade.

Imagem de uma fita rosa representando o símbolo do Outubro Rosa e sua campanha.
Marijana1 / Pixabay

No Brasil, muitas instituições apoiam o combate ao câncer de mama e ao câncer de colo do útero, desenvolvendo diversas ações, por exemplo a Femama (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama).

O laço do Outubro Rosa

O laço cor-de-rosa é conhecido por simbolizar o Outubro Rosa. Foi introduzido pela Fundação Susan G. Komen, que na Corrida para a Cura ofereceu aos sobreviventes do câncer de mama um boné rosa.Todos os participantes da Corrida de Nova Iorque receberam um laço cor-de-rosa como forma de lembrar dos objetivos do evento.

O laço e a luz rosa são tão fortes que se tornaram ícones mundiais no combate, principalmente ao câncer de mama, e remetem imediatamente ao Outubro Rosa, sendo utilizados como recursos de identidade visual da campanha em todos os meios.

Qual é a importância do Outubro Rosa?

A campanha do Outubro Rosa é uma importante aliada no combate ao câncer de mama e de colo do útero, pois tanto as ações para conscientização como as ações voltadas aos exames intensificados no período apoiam a prevenção e o diagnóstico precoce dos dois tipos de câncer mais incidentes entre mulheres.

O câncer de mama representa mais de 24% dos tipos de câncer mais incidentes em mulheres no mundo todo, sendo o primeiro na população feminina. Já o câncer de colo do útero representa 6,6%, sendo o quarto mais incidente, ficando somente atrás do câncer de cólon e reto e do câncer de pulmão (BRAY et al, 2018).

As estimativas para o triênio 2020-2022 no Brasil apontam mais de 66.200 novos casos de câncer de mama para cada ano, que, excluindo os tumores de pele não melanoma, ocupa a primeira posição entre os mais frequentes em todas as regiões brasileiras.

Quando é considerada a estimativa por região, teremos por ano no triênio, para cada 100 mil mulheres, aproximadamente 81 casos na região Sudeste, 71 na região Sul, 45 na região Centro-Oeste, 44 na região Nordeste e 21 na região Norte, conforme o relatório “Estimativa/2020 – Incidência de Câncer no Brasil”, de 2019, do Inca.

A cada ano, cerca de 28% dos casos de câncer registrados no país pelo Inca se referem ao câncer de mama e destes 1% foi diagnosticado em homens. Em 2018 ocorreram no Brasil mais de 17.500 mortes devido à doença.

Imagem da fita rosa representando o símbolo da campanha Outubro Rosa.
Marijana1 por Pixabay

Segundo as informações do Inca, o câncer de mama é percebido pela primeira vez em mais de 65% dos casos pelas próprias pacientes quando notam alguma alteração da mama, enquanto 30% são por meio da mamografia ou outro exame de imagem e apenas em torno de 4% representam a suspeita de um profissional da saúde, confirmando que quanto mais informação chegar à população, melhores serão os resultados de prevenção, de detecção precoce e de tratamento menos tardio da doença.

A partir de 2011 o Outubro Rosa passou a incluir ações para a conscientização da prevenção ao câncer de colo do útero, um dos mais frequentes na população feminina, causado pela infecção contumaz de alguns tipos do papilomavírus humano (HPV). Em 2018 foram registrados mais de 6.500 óbitos em decorrência da doença.

A estimativa para 2020-2022 é de mais de 16.700 novos casos a cada ano e excluindo os tumores de pele não melanoma o câncer de colo do útero é o segundo mais incidente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Na região Sul está na quarta posição e na região Sudeste é o quinto mais incidente na população feminina.

Considerando esses dados, é importante que as informações sobre os riscos desses tipos de câncer e a importância de realizar exames de rotina, como a palpação das mamas, a mamografia e o Papanicolau, sejam divulgadas à população. Se diagnosticadas precocemente, essas doenças podem ter mais de 90% de êxito na cura.

As ações do Outubro Rosa

A entrega de material impresso com informações sobre tudo o que se relaciona ao combate ao câncer de mama e de colo do útero, a decoração e a iluminação de ambientes fazem parte das estratégias para lembrar a população sobre o que representa o mês de outubro. Exames facilitados, palestras, shows, caminhadas, corridas são outros exemplos de ações voltadas ao Outubro Rosa.

Algumas empresas aderiram de tal forma à campanha, no intuito de conscientizar todos os funcionários e prestar serviço à sociedade, que a cada ano as ações vão se tornando mais contundentes. Entre elas, temos o “Casual Day” na cor rosa, a proteção de tela de computadores com o tema, a entrega de suvenires alusivos à campanha, o incentivo ao voluntariado, a doação de mechas de cabelo para a confecção de perucas e a doação de lenços.

Direitos que apoiam a causa do Outubro Rosa

O governo brasileiro vem criando políticas para amparar e garantir que a população, principalmente as mulheres com câncer, possa enfrentar a doença, por meio de direitos sociais e relativos à saúde. Conheça alguns deles:

Tratamento em até 60 dias no SUS – uma vez diagnosticada com a neoplasia maligna, a partir da data do laudo patológico, começa a ser contado o prazo de 60 dias para o início do tratamento, com todos os recursos necessários e sem custo para a paciente.

Reconstrução da mama – é a cirurgia plástica que por meio de várias técnicas cirúrgicas busca restaurar a mama, após a mastectomia parcial ou total, em decorrência de tratamento de câncer, preferencialmente a ser realizada no mesmo momento da mastectomia, de acordo com a avaliação médica.

Acesso à mamografia a partir dos 40 anos, no SUS – a Lei 11.664/2008 estabelece que todas as mulheres têm o direito de realizar gratuitamente a mamografia anualmente no SUS, a partir de 40 anos ou sempre que houver alguma suspeita da doença, como nódulo, secreção, dor, coceira ou histórico familiar de câncer de mama, independentemente da idade.

Recebimento pelo SUS do medicamento Pertuzumabe, de alto custo, para pacientes com câncer de mama metastático HER2+, que impacta 20% das pacientes com a doença.

Atendimento prioritário junto aos órgãos públicos e privados prestadores de serviços à população.

Atendimento multiprofissional no SUS para tratamento e apoio, além do mastologista e do oncologista. Inclui nutricionista, psicólogo, fisioterapeuta etc.

Imagem do laço rosa representando a campanha Outubro Rosa.
Marijana1 / Pixabay

Isenção de IPI na compra de veículos.

Quitação de financiamento da casa própria – desde que haja cláusula em contrato prevendo tal situação ou a doença tenha sido adquirida após o financiamento.

Passe livre em viagem interestadual, podendo estender-se a viagens municipais e intermunicipais, desde que haja previsão em Lei Orgânica municipal e Lei Estadual.

Isenção ao pagamento de IPTU, desde que haja previsão em Lei Orgânica municipal.

Auxílio-doença e aposentadoria por invalidez, independentemente de carência.

Recebimento do Benefício de Prestação Continuada – Lei Orgânica da Assistência Social (BPC-LOAS), no caso de estar impossibilitada de prover o próprio sustento ou de este ser provido pela família.

Estão em andamento a “Lei dos 30 dias”, que determina que os exames para a confirmação do diagnóstico do câncer sejam realizados num prazo máximo de 30 dias, no SUS, e o Projeto de Lei 6.330/2019, tornando obrigatória e automática a cobertura pelos planos de saúde de tratamentos orais de câncer aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Você também pode gostar

Medidas simples, como o autoexame das mamas, uma alimentação saudável, evitar o tabagismo e o consumo de bebidas alcoólicas, fazer exercícios físicos regularmente e passar rotineiramente por consultas médicas para realizar os exames de imagem, mamografia e Papanicolau, ainda são as formas que temos para evitar o câncer de mama e o câncer de colo do útero.

Enquanto os esforços científicos caminham para impedir que o câncer combatido no Outubro Rosa avance, compete a cada um de nós fazer a parte que nos cabe e que representa um grande valor para a preservação da saúde e da vida. Una-se à causa e cuide de você e de quem você estima.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]