Autoconhecimento Terapia Anti Abuso Emocional

O que você precisa saber sobre a trama psicológica das mães narcisistas perversas

Desenho de mulher fazendo duas crianças de fantoche, um menino e uma menina.
Silvia Malamud
Escrito por Silvia Malamud
Antes de iniciar este artigo, devo deixar claro para as filhas de mães narcisistas perversas que, por mais sofrimento que tenham passado e que ainda possam estar passando, a possibilidade de recuperação dos traumas vivenciados podem ser totalmente re-significados, com a real possibilidade de se virar a página.

mães narcisistas

A parte mais dolorosa é quando se ganha consciência sobre os maus-tratos, que, muitas vezes, nem velados são.
Saber que se tem uma mãe narcisista, a princípio, não é simples nem fácil de se conceber. Entender que toda a necessidade de acolhimento e de confiança que se busca na mãe está comprometida é avassalador. O caminho de reparação e de cura emocional, porém, está no avanço da percepção, quando se avança na compreensão total da trama derramada.

As vítimas desse tipo de convivência diariamente recebem críticas, desqualificações de dosar as maneiras, intolerância e agressividade, independentemente do esforço feito para acertar. Um dos filhos sempre será tido como o filho de ouro, aquele que sempre é o protegido, visto como o melhor de todos e a quem escrachadamente tudo é desculpado, aliás, nada do que ele faz é observado como algo de errado. A filha vítima desse tipo de mãe adoecida sempre será a que não se encaixa em nada, a que faz tudo errado, enfim, será o bode expiatório de tudo o que pode dar errado e que não presta. Pela competição dessa mãe narcísica, sempre voltada para si mesma, geralmente uma filha do sexo feminino é a escolhida para cumprir com esse papel.

Como as mães narcisistas perversas enjaulam as suas crias dentro de um script bastante preciso,
 toda vez que as suas filhas começarem a se desenvolver em algo que revele maior autonomia sobre si mesmas, o resultado será uma desqualificação massiva de tudo o que escolherem ou ousarem construir. E como isso costuma ocorrer desde quando são crianças, imaginem como ficam inseguras e com a autoestima totalmente fragmentada. Quando saem para o mundo, podem acabar tendo comportamentos duais, onde ora tendem a atender todos os desejos do outro, ora sentem a necessidade de protegerem-se desse outro pelo receio da perda total da identidade, pelos traumas sofridos. Algumas das vítimas que chegam ao meu consultório são extremamente ansiosas, podendo passar por diagnósticos equivocados. Quando a trama é revelada por algum membro da família, na maioria das vezes, não há acordo sobre a veracidade desse tema, sendo que a vítima que está mais desperta necessita de auxílio terapêutico para se desintoxicar e não cair no conto de que ela é ingrata ou que estaria ficando louca. Tanto o teatro da vitimização quanto o da acusação dessas mães são extremamente agressivos e potentes.

Por mais inacreditável que possa parecer, quando despertas, as vítimas compreendem o quanto sempre foram fortes e, a partir dessa percepção, exercem com autonomia sobre os seus direitos de fazerem boas escolhas, seguindo pela vida com outros mapas existenciais bastante distintos daqueles que passaram. Existem todas as chances de que uma recuperação total ocorra.

Quanto mais despertos, melhor!


Você também pode gostar de outros artigos da autora: Mães narcisistas e seus filhos

Sobre o autor

Silvia Malamud

Silvia Malamud

- Psicologa
- Especialista em temas relacionados ao Abuso Emociona com narcisistas perversos em relacionamentos afetivos, familiares, mãe/pai filhos, escolares, sociais e de trabalho.
– Especialista em Terapia Individual, Casal e Família /Sedes
- Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
- Terapeuta Certificada em Brainspotting - David Grand/ EUA
- Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.

EMDR e Brainspotting são terapias de reprocessamento cerebral que visam libertar a pessoa do mal estar causado devido à experiências difíceis de vida, vícios, traumas, depressões, lutos e tudo o mais que é perturbador e que seja uma questão para que a pessoa queria mudar. Este processo terapêutico, por alterar ondas cerebrais viciadas num mesmo tipo de funcionamento, abre espaço para que a vida mude como um todo, de modo muito melhor, surpreendente e inimaginável anteriormente.

Mais sobre Silvia Malamud: Além de psicóloga Clínica, é também formada em Artes plásticas- Terapia Breve - Terapia de Casais e Família pelo Sedes Sapientiai. Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA e em Brainspotting David Grand/EUA. Desenvolveu-se em estudos e práticas em Xamanismo, Física Quântica, Bodymirror. Participou e se desenvolveu em metodologias de acesso direto ao inconsciente, Hipnose, Mindskape, Breakthrough e outras. Desenvolveu trabalho como psicóloga Assistente no Iasmpe, Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual, com pesquisa sobre o ambiente emocional de residentes durante o período de suas residências, de 2009 até 2013. Participou do grupo de atendimentos de casais do NAPC de 2007 à 2008. Autora dos Livros "Projeto Secreto Universos", uma visão que vai além da realidade comum e Sequestradores de Almas, sobre abuso emocional que podemos estar vivendo, sem ao menos saber, sobre como despertar e como se proteger.

· Conhecimento terapêutico: Cenários e imagens: Já presenciei diversos pacientes fazerem "viagens" às vidas anteriores, paralelas, sonhos e mesmo se reinventarem em cenas reais ocorridas ou não. Vi-os saindo do túnel do reprocessamento, totalmente mudados e transformados, inclusive em suas linhas de tempo. Para mim, fica uma pergunta de física quântica... O que acontece com a rede de memória da pessoa se a matriz do acontecimento muda totalmente não o afetando mais? A linha do tempo e todos os significados emocionais transformam-se simultaneamente. Todos os eventos difíceis que a pessoa teve em relação ao tema ao longo da vida perdem o sentido e até parece que nem existiram, embora se saiba. A pergunta que fica é: O que é o tempo quando podemos nos transformar e nos auto-superarmos nesta amplitude?

· Coexistimos em inúmeras camadas de realidades que são atemporais. Por exemplo, o seu “eu” criança pode estar existindo e atuando em você até hoje... Outros aspectos desconhecidos também podem estar, sem que você suspeite.

Silvia Malamud
Psicóloga clinica Especialista em Terapias Breves individual, casal e
família/Sedes - CRP: 06-66624
Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
Terapeuta Certificada em Brainspotting – David Grand PhD/EUA.
Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.
email.: [email protected]