Autoconhecimento

Perdoar. Esquecer é mais difícil.

Mulher ao lado de uma porta olhando para fora
Andrea Piacquadio/Pexels
Nilton C. Moreira
Escrito por Nilton C. Moreira

Existe uma grande diferença entre perdoar e o ato de esquecer. Acreditamos que é menos difícil perdoar do que esquecer, pois é comum dizer-se “quem leva o tapa nunca esquece”. De fato é uma tarefa complicada.

Tenho um parente que considero muito e que sempre diz “eu nunca faço a primeira ofensa”. É muito importante isso, pois constato que essa pessoa já atingiu um grau de evolução, mas como se comportará depois de ser ofendido?

Sabemos que existem pessoas que não estão nem aí para a evolução moral ou a conduta correta. Querem mesmo é ofender, passar por cima dos outros sem a mínima consideração. Dessas pessoas devemos nos cuidar, pois como estão acostumadas a estarem envoltas em energias ruins não se preocupam com a língua ou as atitudes maldosas.

Porém no momento que somos ofendidos a tendência é revidarmos, pois é uma questão de autodefesa que nos acompanha desde o tempo que dispúnhamos apenas do instinto, embora após algum tempo constatemos que aquela energia péssima que nos envolveu não deve continuar conosco, motivo pelo qual devemos então pensar no perdão, já que a ofensa não partiu de nós.

Mulher de olhos fechados ao lado de árvores
Alan Retratos/Pexels

Então vem o momento de trabalharmos o perdão, que não é fácil, mas com dedicação e muita meditação, vamos conseguindo. Mas repito: não é fácil! Pode demorar dias, meses, anos ou até nem acontecer nesta vida, mas se conseguirmos perdoar o que nos foi feito, temos então de tentarmos esquecer o acontecido.

Isso é mais difícil, pois embora tenhamos a capacidade de minimizar a lembrança da ofensa, da calúnia, ou seja lá o quê, sempre fica um resíduo em nossa mente do fato, e volta e meia comentamos com alguém ou até mesmo nos pegamos pensando, e isso nos reporta a um momento de energia muito prejudicial ao organismo.

Jesus sabendo da difícil tarefa de perdoar, respondeu dizendo que o deveríamos praticar setenta vezes sete, isto é, indefinidamente.

Mas não nos preocupemos de quantas vezes vamos lembrar-nos do acontecido, o importante é que cada momento que aquela energia ruinzinha venha à mente, lembremo-nos do Mestre, e perdoemos novamente. Esse é um exercício que vai de encontro ao que Ele falou. Agindo assim aquilo que nos fizeram vai ficando cada vez mais longe, e certamente ao longo do tempo quase nem lembraremos mais.

Você também pode gostar

Não podemos sair desta vida levando conosco um rancor de uma pessoa que muitas vezes nem se lembra do mal que causou, e que certamente terá de prestar contas ao Criador num futuro próximo ou até mesmo nesta existência, mas nós, não carregando o rancor, estaremos livres do contato com o ofensor em outra vida, pois o liberamos de resgatar algo conosco.

Exercitemos o perdão setenta vezes sete, e tentemos esquecer, e certamente ficaremos livres. Energia a todos.

Sobre o autor

Nilton C. Moreira

Nilton C. Moreira

Policial Civil, natural de Pelotas, nascido em 20 de maio de 1952, com formação em Eletrônica, residente em Redentora (RS), religião Espírita, casado.
Email: [email protected]
Facebook: /Nilton-C-Moreira