Comportamento Relacionamentos

Quais são e o que fazer com as manipulações perversas dos abusadores?

Mulher escondendo seu rosto com os braços sentada no sofá da sala
123RF
Silvia Malamud
Escrito por Silvia Malamud

Inversão em abuso emocional é uma espécie de lavagem cerebral misturada com o famoso termo de Gaslighting, mas com o diferencial de que nesta existem duas referências na mesma ação, uma negando a outra.

Exemplificando: o parceiro afetivo chega do trabalho dizendo que está com saudades de sua companheira pedindo um abraço, porém permanece rígido e a sensação que sua parceira tem é de que não esta acontecendo uma troca afetiva e mais, que só ela é quem esta abraçando. Se ela reclama evidenciando o fato, o parceiro abusador pode iniciar um diálogo sem fim, invertendo a história, culpando-a por não estar aberta afetivamente, dizendo que foi ele quem pediu o abraço e embora o seu comprometimento emocional esteja ausente, a vítima, de tão acusada, acaba por sentir-se culpada, ingrata e criadora de problemas. O resultado desse processo de inversão nas vítimas é devastador, deixando-as confusas, com a autoestima baixa e, na sequência, faz com que todas as suas verdades sejam apagadas a ponto de por fim, assumirem o papel negativo nelas projetado pelos parceiros abusivos.

Mulher com sua mão na janela olhando para fora
Kristina Tripkovic/ Unsplash

Quando se fala em inversão, podemos encontrar os exemplos dos mais bizarros: uma mulher que está num relacionamento com um abusador deste tipo, e que antes dele teve outros afetos, pode ser questionada sobre como foi a sua história nos mínimos detalhes para, na sequência, o seu abusador passar a torturá-la como manobra de controle, punição e, claro, projeção de si mesmo. O abusador poderá dizer que agora ela não irá mais manipular ninguém como deve ter feito nas relações anteriores, que ela não deu atenção o suficiente ao ex-parceiro e por isso que a relação não deu certo, que ela não tinha aprendido nada dos outros relacionamentos, que agora ele entende de “verdade” qual o motivo pelo qual os outros não deram certo antes, que só ele a aguenta e vai convencendo a vítima do quão incapaz e péssima ela é. Uma tortura sem fim, apenas com brevíssimos momentos de intervalos que sugerem a paz do início de tudo, mas que nunca acontece.
Na inversão, o abusador, literalmente inverte verdades com o intuito de ficar com as rédeas da relação que vai se revelando em termos de controle e punição.

A inversão, ou Gaslighting como muitos denominam, é considerada como uma das mais devastadoras formas de abuso psicológico conhecidas pela psicologia. Podendo levar, se a vítima não despertar a tempo, à violência física, doenças, morte e suicídio.

Mulher em um jardim olhando para frente com tristeza
Riccardo Mion/ Unsplash

Se a princípio, tudo pode parecer de modo claro causando perplexidade nas vítimas e elas decidindo concordar ou se calar para acalmar os ânimos, com o tempo, o mal causado nas vítimas pode ser tão avassalador que as mesmas pouco a pouco podem perder a noção do que é verdade e do que não é, pedindo desculpas com frequência por aquilo que se quer fizeram ou provocaram.

Mesmo as mulheres mais fortes psiquicamente, por não entenderem as sutilezas deste tipo de abuso e adoecimento psicológico, podem entrar neste tipo de cilada, mas também podem igualmente sair destas tramas com maior rapidez e agilidade. A sorte é que hoje em dia, e cada vez mais, se sabe que essas tramas existem e que não estão apenas nas histórias contadas, mas estão bem próximas de nós.

Em ambientes de trabalho, o mesmo pode ocorrer. As tarefas são exaustivamente despejadas nas vítimas e tudo o que não está bom, ou está errado fica nas costas delas. Além disso, todo olhar, a priori, será de que antes de mais nada, antes de ver qualquer situação, já existe um erro a ser descoberto. Um verdadeiro inferno que costuma causar o famoso burnout.

Mulher com as mãos no rosto ao lado de uma janela
132RF/PORNCHAI SODA

Nas amizades, as vítimas sempre serão usadas para que os abusadores consigam as suas conquistas, sejam elas quais forem, e aqui a inveja muitas vezes será mais explícita. A tentativa de “quebrar as pernas” inventando coisas que depreciem o outro, gerando fofocas, será a tônica da relação da suposta amizade, ainda recheada de palavras usadas de modo coercitivo como você é minha amiga, você precisa ser leal comigo, entre outras artimanhas…
Para quebrar este padrão, em primeiro lugar, precisa-se perceber que o abusador vive num looping sem fim, hipnotizado nestas questões e que dificilmente irá mudar. Quem deve mudar é a vítima. Ou ela se fortalece — a ponto de reconhecer o mecanismo do abusador e conquistar o lugar emocional de não se identificar, ou seja, de não se contaminar mais com este padrão adoecido —, ou ela busca fazer uma terapia competente, o que na maioria das vezes é um auxílio fundamental para que o autorresgate aconteça.

Você também pode gostar

Jamais se confunda, você pode estar entre eles, mas não é um deles.

Abusadores mentem e confundem as suas vítimas e não vão mudar. Quando deflagrados não desejam ser recuperados e nem todo mundo pode ser recuperado, assim como nem todo mundo quer ser recuperado, então é preciso ter isso sempre em mente: você não vai “arrumar” essa pessoa, mas vai cuidar de si mesma, em sua nova vida.

Quanto mais despertos, melhor!

Sobre o autor

Silvia Malamud

Silvia Malamud

- Psicologa
- Especialista em temas relacionados ao Abuso Emociona com narcisistas perversos em relacionamentos afetivos, familiares, mãe/pai filhos, escolares, sociais e de trabalho.
– Especialista em Terapia Individual, Casal e Família /Sedes
- Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
- Terapeuta Certificada em Brainspotting - David Grand/ EUA
- Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.

EMDR e Brainspotting são terapias de reprocessamento cerebral que visam libertar a pessoa do mal estar causado devido à experiências difíceis de vida, vícios, traumas, depressões, lutos e tudo o mais que é perturbador e que seja uma questão para que a pessoa queria mudar. Este processo terapêutico, por alterar ondas cerebrais viciadas num mesmo tipo de funcionamento, abre espaço para que a vida mude como um todo, de modo muito melhor, surpreendente e inimaginável anteriormente.

Mais sobre Silvia Malamud: Além de psicóloga Clínica, é também formada em Artes plásticas- Terapia Breve - Terapia de Casais e Família pelo Sedes Sapientiai. Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA e em Brainspotting David Grand/EUA. Desenvolveu-se em estudos e práticas em Xamanismo, Física Quântica, Bodymirror. Participou e se desenvolveu em metodologias de acesso direto ao inconsciente, Hipnose, Mindskape, Breakthrough e outras. Desenvolveu trabalho como psicóloga Assistente no Iasmpe, Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual, com pesquisa sobre o ambiente emocional de residentes durante o período de suas residências, de 2009 até 2013. Participou do grupo de atendimentos de casais do NAPC de 2007 à 2008. Autora dos Livros "Projeto Secreto Universos", uma visão que vai além da realidade comum e Sequestradores de Almas, sobre abuso emocional que podemos estar vivendo, sem ao menos saber, sobre como despertar e como se proteger.

· Conhecimento terapêutico: Cenários e imagens: Já presenciei diversos pacientes fazerem "viagens" às vidas anteriores, paralelas, sonhos e mesmo se reinventarem em cenas reais ocorridas ou não. Vi-os saindo do túnel do reprocessamento, totalmente mudados e transformados, inclusive em suas linhas de tempo. Para mim, fica uma pergunta de física quântica... O que acontece com a rede de memória da pessoa se a matriz do acontecimento muda totalmente não o afetando mais? A linha do tempo e todos os significados emocionais transformam-se simultaneamente. Todos os eventos difíceis que a pessoa teve em relação ao tema ao longo da vida perdem o sentido e até parece que nem existiram, embora se saiba. A pergunta que fica é: O que é o tempo quando podemos nos transformar e nos auto-superarmos nesta amplitude?

· Coexistimos em inúmeras camadas de realidades que são atemporais. Por exemplo, o seu “eu” criança pode estar existindo e atuando em você até hoje... Outros aspectos desconhecidos também podem estar, sem que você suspeite.

Silvia Malamud
Psicóloga clinica Especialista em Terapias Breves individual, casal e
família/Sedes - CRP: 06-66624
Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA
Terapeuta Certificada em Brainspotting – David Grand PhD/EUA.
Terapia de Abordagem Direta a Memórias do Inconsciente.
email.: [email protected]