Autoconhecimento

Quem muito faz, pouco reflete

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Se você trabalha muito, você não é preguiçoso, correto? Não é bem por aí. Na verdade, existe um conceito chamado de “preguiça ativa” que está mais presente do que imaginamos em nossas vidas.

Se preguiça é o sentimento que temos que nos leva para a moleza e a procrastinação, a preguiça ativa também nos leva a não fazer nada, mas de um outro jeito: o excesso de atividades.

O problema de ficar sem fazer nada é que você não evolui, se torna alguém que apenas é levado pela vida de um lado para o outro, sem aprender nada. Por outro lado, se você está o tempo todo fazendo coisas de forma mecânica, sem aprender nada e sem evoluir, essa é a preguiça ativa. Então, tome cuidado com ela!

Quantas vezes você já não passou horas fazendo algum tipo de trabalho sem pensar, sem se questionar, sem ao menos entender o que realmente estava fazendo ou o porquê estava fazendo aquilo? Se você muito faz, mas pouco reflete, isso não te faz evoluir. Para crescermos precisamos de reflexão. Então, pare um pouco o que estiver fazendo e reflita.

Esse é um dos propósitos da meditação: estar consciente. Se você continuar fazendo as coisas de forma mecânica, em uma preguiça ativa, você não tem consciência de si mesmo e do que está ao seu redor. Comece a, todos os dias, reparar no que está em volta. Pare e reflita sobre os seus pensamentos. Por que eles aparecem? Por que você está fazendo algo enquanto pensa em outra coisa completamente diferente? Esse exercício de reflexão e questionamento pode servir como uma meditação para “quebrar” a preguiça ativa.

Não estamos falando para você parar de trabalhar e viver como um monge nas montanhas. Mas reflita sobre se o que você faz não está mecânico demais, sem você estar presente. A meditação existe para te ajudar, seja nos momentos de pouca ação, seja nos momentos que você está ocupado demais. Pare, reflita e medite. Ao trazer a sua consciência para o presente, você poderá sair do ciclo vicioso da preguiça ativa e tudo pode voltar a ter mais sentido em sua vida. O primeiro passo você já deu ao ler este texto. Agora passe para o segundo passo: reflita.


Escrito por Ricardo Sturk da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]