Massoterapia Saúde Integral

Shantala, a técnica para curar a cólica dos bebês

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Todas as mamães, papais, vovós e todos aqueles que cuidam de bebês já devem ter passados por situações e momentos de desespero por não saber o que fazer quando a criança começa a chorar e não para mais. Sabemos como é ruim, pois eles ainda são muitos pequeninos e não sabem falar e nos apontar o que estão sentindo.

Diante de uma situação como essa, o ideal é ir eliminando as possibilidades, geralmente de fome e sono. Caso tenha certeza de que está tudo certo quanto a isso, o seu neném pode estar sofrendo de cólica. Esses sintomas são mais comuns até os três meses de vida, pois o sistema nervoso ainda não está completamente desenvolvido e não consegue coordenar o organismo ligeiramente.

Alguns gestos realizados pelo bebê identificam sinais de desconforto na região do abdômen, como erguer e esticar as perninhas, choros constantes e, quando estão inquietos, pode ser que a cólica esteja por ali.

Existem métodos caseiros que podem amenizar a dor e que você mesmo pode fazer sem maiores dificuldades, como compressas de água morna na região ou até mesmo massagens abdominais como a Shantala, uma técnica indiana muito eficaz para o alívio dessas dores que atormentam os pequenos.

A massagem é realizada no corpo inteiro, trabalha as regiões do peito, barriga, costas, pernas e braços e rosto, sendo que cada parte tem uma função distinta. Além disso, a Shantala pode aproximar os pais dos filhos e criar um lindo vínculo de amor e compaixão. Afinal, quem não gosta de cuidados, não é mesmo?

Além disso, a técnica faz com que o bebê conheça mais o seu corpo e seus limites. Se movimenta melhor e, conforme o seu crescimento, ganha um equilíbrio de seu corpo, tem mais firmeza e evita as quedas mais frequentes. Conheça o passo a passo para realizar a massagem nos pequenos em sua própria casa.

Passo 1

Aqueça as mãos com água morna para que não encoste frias no bebê e não o incomode. Sente no chão, apoie as costas na parede e mantenha as pernas esticadas. Com o bebê deitado em seu colo, de barriga para cima, deslize as mãos espalmadas do centro do peito para as axilas e do centro do peito para os ombros. Os movimentos devem ser repetidos no mínimo três vezes.

Passo 2

Com o seu polegar, massageie a mão do bebê abrindo e fechando cada dedo.

Passo 3

Envolva o braço do bebê com a sua mão, formando uma espécie de um bracelete, e vá do ombro em direção ao punho.

Passo 4

Com as mãos em concha, escorregue a lateral externa das mãos desde a base da costela até o quadril.

Passo 5

Segure as perninhas para o alto, envolva sua mão como se fosse um bracelete e vá desde a virilha até o tornozelo, alternando de mãos.

Passo 6

Movimente seus polegares do centro do pé até os dedos, esticando e massageando.

Passo 7

Segure cada dedo do pé, começando pelo polegar, e massageie a ponta de cada um deles.

Passo 8

Vire o bebê de costas, com a cabeça voltada para o seu lado esquerdo. Mantenha suas mãos espalmadas nas costas da criança e faça movimentos de vaivém, descendo da nuca ao bumbum e depois subindo.

Passo 9

Mantenha sua mão direita no bumbum do bebê e deslize a mão esquerda, com o polegar aberto, da nuca ao bumbum.

Passo 10

Vire o bebê de barriga para cima, junte os seus dedos no centro da testa da criança e faça um semicírculo, contornando cada olho. Retorne para o centro da testa e faça outro semicírculo, indo em direção às maçãs do rosto. Por último, faça semicírculos indo até o queixo.

Agora é só testar com o seu bebê e notar como uma simples massagem pode acalmá-lo e livrá-lo de desconfortos no corpo inteiro. Experimente!


Escrito por Natália Nocelli da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]